28/02/2007

HOJE FOI DIA DE TAÇA DE PORTUGAL

ESTES JÁ LÁ ESTÃO




E COM QUAL DESTES?


Já são conhecidos os protagonistas para as meias finais da Taça de Portugal. Sporting, Belenenses e Beira Mar ficam agora a aguardar o dia 25 de Março pelo final da partida entre o Sporting de Braga e o Varzim, para ver quem se junta aos tres para a meia final.








O Estádio Municipal de Aveiro assistiu esta quarta-feira a um grande jogo de futebol. Beira-Mar e Boavista empenharam-se a fundo para continuarem na Taça de Portugal, mas apenas os aurinegros conseguiram tal feito. Com o empate a zero a prevalecer até aos 90 minutos, na segunda parte do prolongamento os aurinegros eliminaram as panteras: 2-0 foi o marcador final.
As melhores oportunidades dos primeiros 45 minutos até pertenceram aos visitantes. Zé Manel, Linz e Grzelak tiveram o golo nos pés, mas Eduardo opôs-se sempre bem às investidas e intenções dos axadrezados. Veio o segundo tempo e com ele os homens de Paco Soler mostraram uma nova predisposição para a partida. O treinador espanhol não queria deixar os créditos por mãos alheias, num jogo contra o ex-treinador no Maiorca chamado Jaime Pacheco, e os jogadores fizeram-lhe a vontade.Contudo, vontade não significa perfeição. Por isso, as muitas jogadas de perigo criadas não foram materializadas naquilo que os espectadores (mesmo que poucos – menos de dois mil) gostam de ver: golos. Por isso, chegava o minuto 90 e o nulo prevalecia.
À partida para mais meia hora de futebol, o Boavista parecia em vantagem: tinha mais 24 horas de descanso – venceram (0-2) este sábado a Académica e o Beira-Mar foi goleado (0-5) no dia seguinte pelo FC Porto – e ainda podia refrescar a equipa com uma última substituição.Contudo, Lucas quis nivelar o encontro e decidiu fazer duas entradas para amarelo; o caricato é que o primeiro lance aconteceu no derradeiro minuto do tempo regulamentar e o segundo nos 60 segundos iniciais do prolongamento. Com isto, Olegário Benquerença mandou-o mais cedo para o balneário.Com menos uma unidade em campo, o Boavista passou então a ser encostado às cordas. Edgar e Delibasic, sempre bem apoiados por Matheus e Rui Lima, eram as dores de cabeça da defesa axadrezada e o certo é que o duo atacante resolveu a contenda. Primeiro o brasileiro deu de cabeça o melhor seguimento a um cruzamento de Delibasic e depois foi o próprio quem matou o jogo. Nos minutos finais da segunda parte do prolongamento o encontro ficou sentenciado.







Uma entrada fulgurante do Sporting – talvez a melhor na presente temporada - permitiu aos leões qualificarem-se para os quartos-de-final da Taça de Portugal, prova na qual depositam enormes esperanças em vencer, o que não acontece desde 2001/2002. Dois golos de Liedson culminaram um festival que teve a duração de onze minutos. Paulo Bento aliviou a pressão que tinha sobre uma possível mexida no comando técnico leonino e os leões fizeram as pazes com os seus exigentes adeptos – em número francamente reduzido. Tudo decidido muito cedo, portanto.
Com o seu melhor onze em campo, ou seja, com Miguel Veloso a trinco, Nani, João Moutinho e Djaló nas costas de Bueno e Liedson, o Sporting mostrou que não quer deixar passar em claro a possibilidade de singrar nesta competição, nomeadamente depois das eliminações de FC Porto e Benfica. A entrada foi boa, depois foi gerir, no entanto, há uma nota importante: os jogadores, pela aplicação demonstrada, provaram que estão com o treinador. A Académica é uma equipa com identidade. Jogou em Alvalade como tinha feito no campeonato. Três defesas, três médios de contenção, três médios ofensivos e um avançado. Maldito despertadorA Briosa não contava com um início de jogo asfixiante, demorou a acordar e só o fez, estamos em crer, porque o Sporting acomodou-se a uma situação de dois golos favoráveis. Até o despertador soar o meio-campo leonino brilhou intensamente. O primeiro sinal de perigo dos estudantes surgiu em cima do intervalo com um remate do talentoso Filipe Teixeira que Ricardo defendeu a dois tempos. No segundo tempo, Manuel Machado, que já tinha ficado privado do lesionado Litos, fez as restantes duas substituições e aí a Académica podia, e merecia, ter marcado um golo. Primeiro por Dame, num vistoso remate à meia volta, depois por Vítor Vinha, num tiro a rasar a barra, e, finalmente, por Roberto Brum, com a bola a esbarrar no poste direito da baliza de Ricardo. A entrada a matar, e consequente expulsão de Vítor Vinha, aniquilou muitas das esperanças da Académica em, pelo menos, empatar o encontro. O jogo estava bom para o Sporting, uma equipa talhada para o contra-ataque. O resultado só não chegou à chapa três porque Paulo Sérgio, em cima da linha, safou uma bola de Liedson, após grande jogada do brasileiro. Com mais uma unidade sobre o terreno o resultado não se avolumou porque os leões não forçaram, contudo, é justo realçar que a Académica mereceu o seu tento de honra - e lá voltaram os fantasmas leoninos.
A finalizar, uma pequena nota: os pouco mais de 13 mil espectadores presentes em Alvalade mostram pouca confiança na equipa (ou será no clube?) para o que falta da época. A Taça, ao contrário do que Paulo Bento diz, é a tábua de salvação da temporada – o campeonato não passa de uma miragem. Resta agarrar essa mesma tábua. A tarefa nem é assim tão complicada. Passe a redundância, basta não complicar.


Bragança 1 Belenenses 2

Por seu lado a equipa de futebol do Belenenses, venceu esta tarde, a aguerrida formação do GD Bragança por 1-2, num jogo referente aos Quartos-de-Final da Taça de Portugal, realizado no Estádio Municipal de Bragança, carimbando assim o desejado apuramento para as Meias-Finais da competição. Perante uma assistência que encheu o Estádio Municipal de Bragança, e onde estavam presentes várias centenas de adeptos azuis, o Belenenses sofreu para levar de vencida a equipa da casa, que lutou muito durante toda a partida.A primeira ocasião de golo do jogo, surgiu aos 15 minutos, para o Belenenses, na sequência de um pontapé de canto de José Pedro, que Garcés respondeu com uma entrada de cabeça que saiu muito perto da baliza contrária, ainda desviada por um defesa adversário.Pouco depois, aos 19 minutos, foi o GD Bragança a estar perto do golo, num lance de contra-ataque, com Rui Borges a passar por Amaral e a rematar para grande defesa de Costinha. Aos 26 minutos, novamente o guarde-redes Costinha a efectuar uma grande intervenção, defendendo um cruzamento largo que saiu directo à baliza do Belenenses. No minuto seguinte, o GD Bragança chegou ao golo, na sequência de um pontapé de canto, com Toni a aproveitar uma falha de marcação para rematar para o fundo das redes à guarda de Costinha. A reacção do Belenenses não se fez esperar, e aos 28 minutos, Dady em boa posição, rematou ligeiramente por cima da baliza contrária, desperdiçando uma boa oportunidade para restabelecer a igualdade. Aos 32 minutos, na sequência de uma jogada de ataque do adversário, o avançado Toni ao procurar responder a um cruzamento, pontapeou a cabeça do guarda-redes Costinha, que foi forçado a abandonar o relvado, sendo transportado para o Hospital de Bragança, onde ainda se encontra, em observação, entrando Marco Gonçalves para o seu lugar.O melhor que o Belenenses conseguiu fazer até ao intervalo, foi um remate de Cândido Costa, aos 39 minutos, que o guarda-redes contrário defendeu sem dificuldades. As duas equipas foram para os balneários com o Belenenses a perder por 1-0, tendo o técnico Jorge Jesus mexido na equipa ao intervalo, fazendo entrar Eliseu para o lugar de Silas, ainda debilitado fisicamente, devido à forte gripe que sofreu.Logo aos 46 minutos, José Pedro esteve perto do golo, na marcação de um livre directo, que saiu por cima da trave.No entanto, aos 50 minutos, seria novamente o GD Bragança a criar perigo, quando Vinícius surgiu em boa posição para responder a um livre, remantando de forma defeituosa, permitindo a defesa a Marco Gonçalves.Aos 54 minutos, Dady isolou Garcés, com o internacional panamiano solto, a fazer o chapéu ao guarda-redes contrário, com a bolaa sair ligeiramente por cima da baliza.Finalmente, o Belenenses chegou ao empate, aos 57 minutos, por intermédio de Dady, a responder da melhor forma a um cruzamento de Cândido Costa, antecipando-se ao guardião contrário e restabelecendo a igualdade no marcador.A equipa adversária acusou o golo, começando a claudicar a nível físico, adivinhando-se o segundo golo azul a qualquer momento.Aos 69 minutos, Eliseu isolou-se, entrou na área e foi aparentemente derrubado pelo guarda-redes adversário, Ximena, ficando por assinalar uma grande penalidade a nosso favor.Ainda os adeptos azuis presentes no Estádio estavam a reclamar o lance anterior e já o Belenenses adiantava-se no marcador, aos 71 minutos, por intermédio de Nivaldo, que respondeu da melhor forma a um livre marcado por José Pedro, fazendo o golo da vitória .A vencer o jogo, o Belenenses apostou numa maior posse de bola, com mais circulação de jogo, praticando um futebol mais adulto e experiente, não deixando o adversário criar perigo. Só nos períodos de descontos, é que o GD Bragança chegou com perigo à área, num lance que terminou com a bola no fundo da baliza de Marco Gonçalves, previamente anulado por fora-de-jogo de um dos atletas contrários.O jogo terminou pouco depois, com uma saborosa e difícil vitória do Belenenses pela margem mínima, carimbando dessa forma o apuramento para a Meia-Final da Taça de Portugal, cujo sorteio se realiza na próxima segunda-feira, pelas 11h30, na sede da FPF.

“COMPRO o que é nosso”


“COMPRO o que é nosso” dinamiza o país .
A Associação Empresarial de Portugal, ciente de que os problemas económicos do país só se resolvem criando riqueza e trabalho, lança uma campanha de sensibilização para o consumo de produtos e marcas que contribuem para criar Valor Acrescentado em Portugal, com a assinatura “COMPRO o que é nosso”. O objectivo deste projecto é criar um novo estado de espírito na sociedade portuguesa, valorizando a produção nacional, a criatividade, o empreendorismo, o trabalho, o esforço e a determinação. O projecto visa também elevar a auto-estima de empresários e trabalhadores mobilizando-os para produzirem melhor e acreditarem que podem vencer o desafio da globalização.
A marca “COMPRO o que é nosso” é um testemunho de convicção, dado na primeira pessoa, inspirado num logótipo que reflecte três mensagens:
os valores patrióticos identificados pelas cores da bandeira nacional;
a letra P, normalmente presente em todas as aplicações em que é necessário abreviar o nome Portugal;
a forma de gota como símbolo de unidade que representa o pequeno esforço “gota a gota” necessário à recuperação plena da economia.

A globalização e a subida dramática do custo de alguns dos factores de produção, têm vindo a colocar graves dificuldades ao desenvolvimento industrial de muitos sectores de actividade na Europa. Esta realidade atinge, de forma muito particular.
A quebra de poder de compra das famílias portuguesas, o aumento da taxa de desemprego e as comparações diárias que colocam Portugal na cauda da Europa em quase todos os índices de desenvolvimento económico, têm contribuído para instalar um clima de esmorecimento e desânimo na sociedade portuguesa.
Todos sabemos que o orgulho dos portugueses, quando estimulado, é capaz de responder a grandes desafios. O projecto “COMPRO o que é nosso” apela à consciência cívica de consumidores, empresários e trabalhadores no sentido de comprarem o que os portugueses produzem. Só assim é possível criar mais emprego, mais riqueza, mais desenvolvimento económico.

Mais de 300 mil toneladas de resíduos perigosos à espera



Desde a década de '50
Mais de 300 mil toneladas de resíduos perigosos à espera
Em Sines, Alcanena, Barreiro e Seixal está depositado o passivo ambiental de resíduos perigosos em Portugal desde 1950. As mais de 300 mil toneladas aguardam um destino final, segundo dados do Instituto de Resíduos


Aterro de Alcanena. Lusa
O passivo foi gerado nas últimas décadas por empresas estatais ou outra s que transferiram a responsabilidade da gestão do lixo perigoso para o Estado, mas com a adesão à Comunidade Económica Europeia, todas as empresas passaram a s er obrigadas a dar um destino aos resíduos, que é na quase totalidade exportado.
O maior passivo ambiental de lixo perigoso das indústrias portuguesas está depositado em Sines, 160 mil toneladas de lamas oleosas, das quais apenas um a pequena parte começou a ser enviada no final do ano passado para co-incineraçã o na cimenteira da Secil, na Arrábida.
Com a decisão judicial de suspender a queima destes resíduos em cimente iras, até nova sentença em contrário, os lixos perigosos produzidos no passado por indústrias do Estado ou empresas que transferiram para o Estado essa responsabilidade continuam à espera de serem eliminados ou tratados para deposição em aterro.
Os dois CIRVER - Centros Integrados de Recuperação, Valorização e Elimi nação de Resíduos Perigosos que serão construídos na Chamusca serão também outro dos destinos a dar a este passivo e aos resíduos industriais perigosos produzidos diariamente em Portugal.
Mas para que a construção destes dois centros avance falta publicar em Diário da República um diploma já aprovado há dois meses em Conselho de Ministros, que altera o Plano de Desenvolvimento Municipal (PDM) da Chamusca e que, segundo disse à Lusa fonte do Ministério do Ambiente, aguarda apenas a promulgação do Presidente da República.
Os resíduos perigosos depositados em Sines foram produzidos por indústrias da área, como refinarias ou estações de tratamento de águas residuais (ETAR) , ou enviados por empresas como a TAP que não tinham outro destino a dar ao lixo perigoso usado nos aviões.
«Para tratar aquelas 160 mil toneladas depositadas em Sines as Águas de Santo André estimaram em 2004 ser necessário um investimento de 12 milhões de euros», afirmou à Lusa Luís Barracha do Instituto de Resíduos.
No Seixal, onde funcionou a antiga Siderurgia Nacional, está depositado o segundo maior passivo ambiental considerado perigoso ao ambiente e à saúde da s pessoas, calculado pelo Instituto de Resíduos em cerca de 70 mil toneladas.
Naquela zona estão cerca de 6,2 milhões toneladas de passivo ambiental, dos quais 70 mil toneladas de resíduos perigosos, sendo necessário cerca de 60 milhões de euros para fazer a requalificação, incluindo a remoção dos pós de despoeiramento da Maia e a comparticipação da Urbindústria no projecto de aterro de resíduos industriais no Seixal.
Entre as acções previstas está a descontaminação das áreas afectadas pela antiga Siderurgia, a definição de medidas mitigadoras do impacte da indústria pesada instalada e a instalar, a recuperação e qualificação ambiental deste território, em particular das margens do Coina e da Lagoa da Palmeira.
Da Lagoa da Palmeira já foram retiradas 500 toneladas de hidrocarbonetos e, segundo um estudo preliminar, vai ser necessário descontaminar cerca de 6.7 00 metros cúbicos de solo.
No parque industrial do Barreiro da Quimigal estão, segundo valores do Instituto de Resíduos de 2003, cerca de mais de 52 mil toneladas de lixo perigoso, lamas provenientes de metalurgias do zinco.
«Poderá ainda haver algum remanescente de resíduos perigosos no solo qu e terá de ser descontaminado. Mas, em termos gerais, não há ainda um plano de actuação para este passivo detido pela Quimiparque», adiantou Luís Barracha.
Existem vários cenários de tratamento para os resíduos perigosos do Barreiro, adiantou, todos entre os 50 milhões e os 100 milhões de euros de investimento, dependendo do tipo de tratamento.
Os resíduos perigosos depositados em Alcanena, na ordem de 50 mil toneladas, forma produzidos por cerca de 100 indústrias de tratamento de curtumes que laboraram na zona.
«Subsistem cerca de 50 mil toneladas de lamas não inertizadas e que estão numa lago, à espera de serem tratadas», adiantou.
O investimento estimado para tratar aqueles resíduos ascende a cerca de três milhões de euros.
Em Estarreja existiu durante décadas um passivo de lamas de mercúrio - calculado em 303 mil metros cúbicos - que foram inertizadas e depositadas num aterro, um projecto promovido pela ERASE - Empresa de Regeneração de Águas e Solos de Estarreja regeneração.
«Esta empresa está agora a estudar a viabilidade de limpar as ribeiras onde desaguaram os efluentes líquidos. Vão fazer um estudo de impacto ambiental», adiantou Luís Barracha.
Além destes resíduos, existem ainda mais de 70 minas uraníferas abandonadas, espalhadas por Portugal, de norte a sul, onde estão depositadas cerca de quatro milhões de toneladas de resíduos com elevados níveis de radioactividade gerados ao longo de várias décadas.
A EXMIN - Companhia de Indústria e Serviços Mineiros Ambientais, encarregue de proceder à requalificação das minas, estima serem necessários 70 milhões de euros de investimento para a requalificação das minas.
Segundo um levantamento do Instituto Geológico e Mineiro, os casos mais preocupantes localizam-se nas antigas minas da Bica, no distrito da Guarda, Quinta do Bispo, Cunha Baixa e Urgeiriça do concelho de Nelas.


Câmara de Santiago diz-se desinformada quanto à situação dos resíduos


O presidente do município de Santiago do Cacém, onde está localizado o aterro de lamas oleosas do complexo industrial de Sines, afirma estar «desinformado» acerca do concurso público para a queima daqueles resíduos


Dados do Instituto de Resíduos revelam que o passivo ambiental de resíduos perigosos em Portugal é de 300 mil toneladas e está depositado em Sines (160 mil toneladas), Alcanena, Barreiro e Seixal desde a década de 50 à espera de um destino final.
«O município está completamente desinformado, não só pela Águas de Santo André [empresa gestora do espaço do grupo Águas de Portugal], como pelo Estado português», frisou Vítor Proença, em declarações à Lusa.
O autarca (CDU) lamenta a «falta de informação» às autarquias (Santiago do Cacém e Sines) enquanto «autoridades municipais com intervenções múltiplas na sua área territorial» e considera que esta responsabilidade devia caber à concessionária ou ao Ministério do Ambiente.
«Há aqui uma responsabilidade que eu considero ser do Ministério do Ambiente e também da empresa concessionária, que devia informar os municípios envolvidos de todos os estudos, medidas e procedimentos que têm vindo a tomar», sublinhou.
O concurso público para o tratamento das lamas oleosas depositadas no aterro situado na Maria da Moita (Santiago do Cacém) encerrou há poucas semanas e as diferentes propostas dos candidatos estão agora a ser avaliadas.
A albergar o depósito de resíduos industriais desde o início da sua existência, «há mais de 15 anos», o município alentejano lamenta ainda «não ter sido informado nem consultado» sobre o transporte de lamas oleosas para a realização de testes na cimenteira da Secil, em Setúbal.
«Julgo que relativamente a qualquer transporte de produtos que são resíduos perigosos deve haver uma comunicação às autoridades municipais», vincou o autarca.
Vítor Proença defende que deve ser encontrada uma solução «ambientalmente correcta» para o passivo de 140 mil toneladas de lamas oleosas depositadas naquele aterro e que os solos onde actualmente se encontra o depósito devem sofrer uma regeneração.
«Pugnamos para que seja encontrada uma solução que permita tratar e preservar os solos, de modo a viabilizar uma futura utilização para outros fins particularmente amigos do ambiente», disse.
O depósito de resíduos no aterro da Maria da Moita já foi suspenso, sendo as lamas produzidas actualmente enviadas para incineradoras em Espanha, explicou à Lusa o presidente do Núcleo Regional do Litoral Alentejano da Quercus, Dário Cardador.
«Neste momento, as lamas produzidas pelas fábricas de Sines estão a ser enviadas para incineradoras de Espanha, onde servem como matéria-prima para outras utilizações», afirmou.
Segundo Dário Cardador, existem no local actualmente doze lagoas de lamas oleosas, cada uma com cerca de um hectare.
A associação ambientalista está «ainda a analisar as diferentes propostas apresentadas a concurso público», sobre as quais opinará mais tarde, garantiu Rui Berkemeier, responsável pelo Centro de Informação de Resíduos (CIR) da Quercus.
«Vamos fazer uma análise mais profunda, comparando as diversas hipóteses e tentando perceber se os pressupostos são os mesmos, em termos de pré-tratamento e descontaminação do local».
Rui Berkemeier revelou-se para já «contente pelo facto de se ter avançado para o concurso público, um dado positivo para este processo».

26/02/2007

Jornal diz que Israel prepara ataque ao Irão



O governo de Israel está a negociar com o Pentágono uma autorização para sobrevoar o Iraque, numa operação de bombardeio às instalações nucleares iranianas, informou o jornal britânico Daily Telegraph. O jornal diz que os planos israelitas "aceleraram-se de modo significativo" porque o Mossad, serviço de espionagem, concluiu que o Irão teria já em 2009 material fossil para detonar a sua primeira bomba atómica.
Segundo o Daily Telegraph, o primeiro-ministro israelita, Ehud Olmert, anunciou ter persuadido o chefe da Mossad, Meir Dagan, um dos principais especialistas sobre o programa nuclear do Irão, de adiar a reforma e manter-se em funções pelo menos até ao final do próximo ano.
Olmert deu também o controlo geral dos aspectos militares relacionados com o Irão a Eliezer Shkedi, chefe da força aérea e ex-piloto de F-16.

O que é curioso é a forma escandalosa como Israel tem actuado na Palestina e Faixa de Gasa, sem que as Nações Unidas digam uma palavra sequer.
E pelos vistos preparam-se para mais uma acção consertada com os americanos, com vista “ á destruição das Armas de destruição massiça” que supostamente estariam no Iraque”

TV CICLISMO NO AR


Recebi há pouco uma comunicação relativa a um novo programa, dedicado ao Ciclismo, que vai passar a... passar regularmente na televisão. Coloco-a aqui na íntegra, com um grande e estreito abraço para todos os envolvidos no projecto, em especial para o meu amigo Carlos Raleiras.
A produtora PGM-Projectos Globais de Media em parceria com a SportTV, faz um magazine inédito na televisão portuguesa!
Pela primeira vez, o ciclismo nacional terá um espaço dedicado e regular de acompanhamento das suas diversas categorias.
A série de magazines “TV Ciclismo” é quinzenal com emissões à quarta-feira e vai estar no ar até final de Outubro. Cada programa terá, em média, 25 minutos sendo o ciclismo de estrada e os seus protagonistas a base de cada emissão havendo espaço reservado para as vertentes do BTT, BMX e Downhill.
No primeiro programa, que foi emitido na quarta-feira, dia 14 às 23.30 horas, naSportTV.1 foram abordadas algumas novidades da nova temporada de estrada que arrancou este fim-de-semana.
O regresso do Benfica foi um dos assuntos, assim como algumas apresentações de equipas Sub-23.
Na rubrica o “Homem do Dia”, Francisco Araújo testemunhou 60 anos como mecânico de bicicletas.
“Tv Ciclismo” é um programa produzido pela PGM, responsável pela cobertura televisiva de algumas das principais provas de ciclismo nacional e será coordenado pelo jornalista Carlos Raleiras.
Pena é que a televisão publica continue a ser a madrasta de tão bela modalidade.

VITÓRIA DE BRUNO LIMA EM CUBA


Por onde andam os Orgãos de Comunicação social da Povoa, que não acompanham os atletas poveiros?

O Jovem ciclista de Navais, Bruno Lima, que este ano representa a formação Elite espanhola da Viña Magna Cropus, venceu ontem a 3.ª etapa da Volta a Cuba, corrida que conta para o Circuito Americano da UCI. Bruno Lima, que o ano passado vestiu as cores da Maia-Milaneza, foi o primeiro na etapa Santiago de Cuba-Bayazo (125 km), tendo cortado a meta com quatro segundos de vantagem sobre o mexicano Juan Magallanes e seis sobre o italiano Gianluca Colleti.
Parabéns, portanto, ao Bruno.

MACEDO VIEIRA - DEIXE-SE DE ESCONDER E ASSUMA OS ERROS


Os comerciantes e moradores da Avenida Mousinho de Albuquerque andam deveras preocupados e com razão; já não bastava ter de suportar as obras do Parque de estacionamento, e de requalificação quando agora e sem contar são surpreendidos pelos amigos do alheio.
De facto o policiamento por parte da PSP, torna-se um pouco mais difícil, uma vez que só a pé é que é possível efectuar o patrulhamento, mas mesmo assim com algumas dificuldades, devido ao número de agentes que uma operação deste género acarreta. Agora deixo aqui uma pergunta: Onde está a policia Municipal? Para que foi criada? Apenas para multar quem não põe a moedinha?

Para rebocar carros? O que faz o presidente da Câmara? Nada! Enfia a cabeça na areia, e não responde aos comerciantes e moradores. Então para que nos serve a nós poveiros termos um presidente que só aparece para a fotografia e nos momentos de crise, calça as pantufas e não aparece? Mais grave, é necessário fazer um requerimento para que sua Exª possa receber os munícipes? É a ditadura autista de Macedo e seus pares no seu melhor. Chega de rodeios senhor presidente ou andou a enganar-nos a todos durante todo este tempo?
Já agora a talhe de foice: As declarações de Alberto Aguiar Comandante dos Bombeiros da Póvoa, só se aceita se interpretadas na lógica de não alarmar os moradores:
Agora gostaria de perguntar ao senhor comandante se em condições normais já os Bombeiros da Povoa têm dificuldades em atacar incêndios, por exemplo em altura, e que me diz a um desnível de mais de 6 metros? Mais, apesar do desnível só podem passar nos passadiços praticamente uma pessoa de cada vez? Também quer tapar o sol com a peneira? Qual plano de Urgência?
Quem assumirá a responsabilidade no caso de ocorrer um sinistro e as coisas correrem mal? O senhor Comandante Alberto Aguiar?
Sejamos sérios e o que se diz presidente da Câmara e que teve, como ele faz questão de dizer , a confiança de todas as secções de voto da Póvoa, sede e concelho, deve honrar e assumir as responsabilidades desta bagunça em que se vêem envolvidos comerciantes e moradores da Avenida Mousinho de Albuquerque.

Não chega atacar sem fundamentos os Vereadores da Oposição e quando lhe toca a ele esconde-se que nem um rato.

25/02/2007

VARZIM - MAIS UM PONTO MUMA DESLOCAÇÃO DIFICIL


O nosso Varzim lá conseguiu arrecadar mais um precioso ponto na dificil deslocação ao Algarve ao terreno do olhanense. Apesar de se ter adiantado no marcador no decorrer da primeira parte, o Varzim consentiu ma segunda parte um dominio mais preponderante por parte do Olhanense que logrou empatar e com alguma dose de sorte poderia ter vencido a partida. Agora há que vencer em casa o Vizela, para se poder de alguma forma respirar um pouco mais com vista a fugir dos lugares mais baixos da tabela classificativa. O nosso vizinho Rio Ave apanhou um susto daqueles pois só nos instantes finais conseguiu bater o Chaves, numa partida em que o seu treinador acusou o Arbitro da partida de ter favorecido o clube vilacondense; sinceramente não me pareceu; a grande penalidade não tem qualquer contestação e o arbitro pareceu-me bem embora num ou noutro lance os jogadores vilacondenses merececem a amostragem de um amarelo.

Urgências - Manifestações de Rua levaram Governo a Recuar





O líder do PSD, Marques Mendes, afirmou hoje que o primeiro-ministro, José Sócrates, «foi obrigado a recuar» na decisão de fechar serviços de urgência porque «teve medo» das manifestações de rua


«As pessoas manifestaram-se na rua em vários pontos do país e o Governo percebeu e foi obrigado a recuar. Teve medo das manifestações de rua, teve medo da contestação que um pouco por todo o lado surgia» disse Marques Mendes aos jornalistas, durante uma visita a Pampilhosa da Serra.
O líder social-democrata responsabilizou o primeiro-ministro pelo recuo, sublinhando que a assinatura, hoje, de alguns protocolos entre o Ministério da Saúde e autarquias foi o sinal da mudança na decisão governamental, cujo critério, defendeu, foram as manifestações populares.
«Pelos vistos está definido o critério: manifestação de rua e o primeiro-ministro manda o Governo imediatamente recuar» disse Marques Mendes. Enfatizou que a situação poderia ter sido diferente se o Governo tivesse agido «com bom senso, equilíbrio e sentido de justiça».
«Tudo podia ter sido evitado se de há meses a esta parte o Governo tivesse agido com menos arrogância, e mais equilíbrio, menos autoritarismo e maior sentido de justiça. Fica claro para todos os portugueses que o Governo esteve insensível a esta matéria durante meses e mudou quando nas últimas semanas houve manifestações populares em vários pontos do país»
sustentou Marques Mendes.
Considerou ainda que o ministro da Saúde, Correia de Campos «tem os dias contados» no cargo. «Já toda a gente percebeu que [Correia de Campos] é ministro a prazo e tem os seus dias contados» disse o líder do PSD.
Acusando Correia de Campos de adoptar uma pose de «arrogância, e incontinência verbal» e de «passar o tempo a criar instabilidade nos serviços de saúde», Marques Mendes considerou que o ministro foi ultrapassado pelo primeiro-ministro na decisão sobre o fecho das urgências.
«Por ordens do primeiro-ministro, avançou no sentido de fechar vários serviços de urgência. Agora recebeu ordens para recuar porque o primeiro-ministro se assustou com as manifestações legítimas que as pessoas fizeram. Um ministro assim é obvio que é um ministro a prazo», disse Marques Mendes.
Considerou ainda que a saúde em Portugal «está um caos, mais cara, difícil e distante», defendendo uma política diferente para o sector: «não estamos a falar de um bem de luxo, estamos a falar de uma questão essencial para as pessoas».
Questionado sobre o que espera do Governo relativamente aos casos dos serviços de urgência ainda por resolver, Marques Mendes, disse desejar que o executivo actue «com bom senso, equilíbrio e sentido de justiça». «[A saúde] não pode ser tratada apenas numa lógica económica. Espero que o Governo actue e que o faça em articulação com os autarcas, evitando-se estes avanços e recuos», sublinhou.
Esperemos sinceramente que depois destes recuos os Vilacondenses não sejam enrolados nas teias partidárias e se deixem de manifestar para manterem a sua URGENCIA a funcionar porque caso contrario quer a sua quer a nossa vai ficar cada vez pior.

Estudantes do Secundário manifestam-se quarta-feira no Porto




Estudantes do Ensino Secundário vão manifestar-se quarta-feira na Avenida dos Aliados, no Porto, contra os exames nacionais, as aulas de substituição e a limitação de vagas no Ensino Superior, anunciaram hoje os promotores


Ricardo Marques, da Escola Secundária Aurélia de Sousa, Porto, disse à agência Lusa que a manifestação é promovida por 16 associações de estudantes do distrito do Porto, em resposta a um apelo lançado por colegas de Vila Real para que os alunos do Secundário se mobilizem quarta-feira numa «luta a nível nacional».
«Recebemos uma carta de uma associação de estudantes de Vila Real apelando a manifestações a nível nacional», disse Ricardo Marques, afirmando que desconhece se o apelo já teve eco noutros pontos do país.
Os organizadores da manifestação do Porto consideram que as aulas de substituição são «inúteis» e que os exames nacionais «têm servido apenas para barrar a entrada no Ensino Superior».
Os alunos defendem também a implementação da educação sexual e a melhoria das condições materiais e humanas das escolas, além de recusarem a privatização do ensino.
A manifestação, marcada para as 09:30 e já formalmente solicitada ao Governo Civil do Porto, deverá contar com a participação de estudantes de oito escolas do Porto, três de Gaia, três de Gondomar, uma de Vila do Conde e outra da Póvoa de Varzim, disse Ricardo Marques.

23/02/2007

A HOMENAGEM


23 e 24 de Fevereiro - 21h30

Homenagem a José Afonso

Grande Auditório

Preços:Dia 23 - 10,00 €

Dia 24 - 15,00 €
No ano em que se evocam os 20 anos da morte de José Afonso, o Centro Cultural Vila Flor volta a ser palco para uma homenagem ao cantautor de Abril.

Durante dois dias, a vida e obra de José Afonso serão recordadas em Guimarães à semelhança das comemorações que tiveram lugar em 2006 e que serviram como rampa de lançamento para a homenagem deste ano. O CCVF associa-se, assim, mais uma vez, a um amplo programa que irá assinalar com dignidade e relevo esta data marcante.


ZECA AFONSO



Ainda relacionado com o dia de José Afonso JCNunes tem disponivel no seu blog onde PODERÃO ENCONTRAR AQUI UMA GRAVAÇÃO DE UM ESPECTÁCULO DO VITORINO, ONDE ESTE CANTOU ALGUMAS MÚSICAS DE ZÉCA...




A não perder para os amantes da musica do ZECA

A música de Zeca Afonso ao longo de toda a 6ª Feira e Emissão Especial às22:30. Convidados ,entre outros, Rui Pato, António Vitorino d'Almeida, Luis P

http://www.antena1.pt/
A partir das 22:30 a Antena 1 realiza uma emissão especial no Centro deArtes e Espectáculos da Figueira da Foz onde Vitorino, Janita Salomé e ZéCarvalho cantarão canções do poeta. A emissão conduzida por Edgar Canelas contará ainda com a reportagem de AnaSofia Carvalhêda a partir do Entroncamento onde João Afonso interpretará alguns dos temas do cantor desaparecido em 1987. Oportunidade ainda nesta hora e meia de emissão para escutar Zeca Afonso na voz de Cristina Branco numa gravação efectuada no Teatro de S.Luíz em Lisboa a 9 de Fevereiro.
Sábado às 19 horas uma hora de emissão com António Macedo e Henrique Amaro.Domingo às 9 da manhã e meia-noite Vozes da Lusofonia Especial com excertos de uma entrevista exclusiva da antena 1 gravada em casa de Zeca Afonso emAzeitão 1983.

POEMA A JOSE AFONSO

Bendita seja o pão
Bendito seja a dor
Benditas as portas do amor

José Afonso, “Benditos”, in Galinhas do Mato

Elevo os teus cabelos à categoria de cidade
– a Cidade Utópica! De Cirene
as ruas e avenidas são os partos da amargura
pelo vento irmanado de Jerusalém,
no teu ventre de Menino. Istambul
sedutor das cabras montanhosas:
Onde e quem
nossa morte
a Sul.
José Carlos Pereira
in Vertentes Da Mesma Luz (1992)

Zeca Afonso é hoje recordado em Portugal



O autor de temas como Grândola Vila Morena, faleceu há 20 anos. Em Vigo há quem queira atribuir o seu nome a uma rua da cidade.

José Afonso, ou Zeca Afonso como ficou conhecido, nasceu em Aveiro mas cresceu entre Angola, Moçambique, Belmonte e Coimbra. Foi na cidade dos estudantes, onde frequentou o Liceu D. João III e a Faculdade de Letras, que Zeca Afonso procurou e se deixou descobrir pelo fado de Coimbra.Teresa Portugal, deputada e mulher de António Portugal, que acompanhou José Afonso à Guitarra, garante que “o Zeca era um cantor multifacetado”.Ao viver de perto as emoções de Zeca Afonso, Teresa Portugal recorda que Zeca Afonso, nos tempos de estudante, “buscava uma música que ainda não tinha”. Um homem complexo mas simples, Zeca Afonso “visitava as velhas da zona alta de Coimbra e conversava muito com a gente. Era um estudante que tinha mais amigos na população do que na comunidade de estudantes”, recorda Teresa Portugal. O estudante, que se tinha entregue ao fado de Coimbra, procurava que lhe ensinasse mais sobre a música portuguesa. Por isso, salienta Teresa Portugal, “o Zeca conhecia as figuras mais carismáticas das cidades e entre elas procurava as que falavam das raízes musicais”.
Teresa Portugal redigiu um texto em memória de Zeca Afonso que foi votado por unanimidade. Por isso mesmo, a deputada afirma que "este é um texto que pertence a todos os partidos".A chamada canção de intervenção surgiu mais tarde e acabou por este género musical que marcou um período importante da História de Portugal.Em 1953, gravou os primeiros discos: «Fado das Águias» e «Outras Canções». Em 1960, editou «Balada de Outono». Era então professor do ensino secundário, tendo leccionado em colégios particulares, por todo o país. Vítima de perseguição do regime ditatorial, Zeca Afonso chegou a ser preso e teve mesmo de deixar de exercer a sua profissão de professor que exerceu em Portugal e em África. A data é hoje celebrada um pouco por todo o país, através de diversas iniciativas, e também além fronteiras. Em Vigo, Espanha, existe mesmo um movimento que pretende atribuir o nome de Zeca Afonso a uma rua da cidade. Os líderes deste movimento argumentam que foi aqui que Zeca Afonso cantou pela primeira vez em público o tema “Grândola Vila Morena”. A canção faz parte do álbum Cantigas de Maio e foi a senha da revolução dos Cravos que trouxe a liberdade e democracia a Portugal.

21/02/2007

MILHARES CONTRA O FECHO DAS URGÊNCIAS


A população do Alto Tâmega, autarcas e representantes de partidos políticos manifestam-se em várias localidades contra o encerramento dos serviços de saúde em Vila Pouca de Aguiar e a desclassificação da urgência no Hospital de Chaves.

Em Chaves, milhares de pessoas, segundo a Lusa, concentraram-se de manhã no Jardim das Freiras e, em Vila Pouca de Aguiar, os populares juntam-se à mesma hora no Centro de Saúde, seguindo depois em caravana ao encontro dos restantes manifestantes.

O Bloco de Esquerda manifestou-se repetidamente contra estas medidas de carácter economicista tomadas sem ter em conta as opiniões das pessoas e o bem estar das populações. Entretanto, a concelhia do PS de Chaves, presidida por Nuno Vaz, já ameaçou demitir-se caso o Governo decida de acordo com o relatório da comissão e desclassifique o hospital de Chaves.

Nuno Vaz disse à agência Lusa que a desclassificação do Hospital de Chaves vai «lesar» toda a população do Alto Tâmega e garantiu que grande parte dos militantes e simpatizantes socialistas se vão associar à manifestação.Estas propostas também já foram rejeitadas, em conferência de imprensa conjunta, no passado dia 7, pelos presidentes dos seis municípios do Alto Tâmega: Chaves, Vila Pouca de Aguiar, Boticas, Montalegre, Valpaços e Ribeira de Pena.

Num documento aprovado na semana passada - e já enviado ao Presidente da República, primeiro-ministro, presidente da Assembleia da República e líderes dos grupos parlamentares - representantes de 121 instituições de Chaves «repudiam de forma categórica a proposta de desqualificação» e apelam à manutenção e reforço das urgências do Hospital de Chaves.Os subscritores salientam que o Hospital de Chaves serve «54 por cento do território e mais de 40 por cento da população do distrito» de Vila Real, e acusam aquela comissão de «erros de palmatória» no relatório que elaborou.

Entre esses «erros», destacam a indicação da comissão de que o Hospital de Chaves atende apenas a população deste concelho, quando está a servir também Valpaços, Boticas e Montalegre, a troca do centro hospitalar a que pertence e a omissão do «pólo turístico relevante» que constitui o Vale do Tâmega.

19/02/2007

VARZIM REGRESSA ÁS VITÓRIAS


O Leixões perdeu este domingo dois importantes pontos na recepção ao Portimonense, em partida a contar para a 18.ª jornada da Liga de Honra. Quem aproveitou bem esta ronda foi o Vitória de Guimarães que, ao vencer o Penafiel por 2-0, subiu ao quinto lugar. O líder da prova consentiu na tarde de ontem um empate caseiro a zero, num jogo em que a ineficácia foi rainha. O Leixões desperdiçou inúmeras oportunidades, perante um Portimonense que se limitava a agradecer as falhas. Todavia, a equipa de Matosinhos mantém o primeiro lugar no campeonato, com 35 pontos. A jornada foi produtiva para o Vitória. O técnico Manuel Cajuda garantiu os três primeiros pontos à frente da equipa e ainda viu o Guimarães saltar seis lugares na tabela classificativa, ocupando agora o quinto posto, com 25 pontos. Já o Penafiel, está na nona posição, com menos dois pontos. Por sua vez, o Olivais e Moscavide sofreu uma pesada derrota em casa, por 3-1, ante o Rio Ave e vê-se obrigado a partilhar o mesmo posto com os vimaranenses, enquanto o clube de Vila do Conde está em quarto lugar, com os mesmos pontos do segundo e terceiro classificados, Feirense e Santa Clara, respectivamente.
Por sua vez o Varzim regressou também ás vitorias depois de um largo jejum, batendo a formação de Gondomar por um claro 2-0. Nesta partida referencia ainda para o mau trabalho da equipa de Arbitragem, chefiada por Cosme Machado que conseguiu a proesa de expulsar Pedrinho depois de lhe mostrar dois amarelos, sem que este tenha estado envolvido em qualquer situação para lhe ser mostrado o cartão amarelo. Com esta vitoria a formação poveira ganha novo alento para encarar o resto do campeonato com outra visão por forma a fugir rapidamente do lugar que ocupa na tabela classificativa.

Desta forma, a única coisa a dizer é que está animada esta Liga de Honra, numa altura em que ainda vamos no início da segunda volta. O campeonato promete fortes emoções…

Resultados:

Vizela – Olhanense, 1-0

Varzim – Gondomar, 2-0

Olivais e Moscavide – Rio Ave, 1-3

Leixões – Portimonense, 0-0

Penafiel – Vitória de Guimarães, 0-2

Gil Vicente – Estoril, 0-0

Santa Clara – Feirense, 2-0

Chaves – Trofense, 2-1

17/02/2007

FÁBIO COENTRÃO NA ROTA DO CHELSEA?

A Noticia está no Blog do Rio Ave:
VIAGEM relâmpago e no maior segredo: o extremo-esquerdo Fábio Coentrão, 19 anos, está desde segunda-feira em Londres, onde, a pedido do Chelsea, e por intermédio do empresário português Jorge Mendes, lhe foi dada a possibilidade de tentar convencer os dirigentes dos campeões ingleses de que tem valor para dar o salto para o futebol inglês. Uma semana de sonho e que não prejudica os interesses do Rio Ave, já que o craque se encontra castigado e não poderia jogar este fim-de-semana. O Sporting terá perdido de vez a corrida ao talentoso jovem?
A ausência de Fábio Coentrão dos treinos do Rio Ave, desde a última terça-feira, causou estranheza, embora fosse apresentada a justificação de que o atleta estaria a tratar de assuntos pessoais. Mas não é bem assim...
Cobiçado pelo Sporting, o extremo-esquerdo apenas não se mudou para Alcochete, no mês passado, por desacordo de verbas. Prestes a completar 19 anos, Fábio Coentrão vive momento de grande esplendor, pois é titular e tem sido dos futebolistas em maior destaque na Honra. Como tal, não escapou aos olhares de observadores de clubes estrangeiros, entre os quais o do Chelsea.
Há algum tempo que a formação londrina, por intermédio do empresário Jorge Mendes, havia solicitado a presença de Fábio Coentrão para submeter o avançado a período de observação... em segredo. O facto de estar castigado para o jogo com o Olivais e Moscavide abriu as portas para uma visita ao estrangeiro sem colidir com os interesses do Rio Ave. Foi o que sucedeu. Fábio Coentrão viajou para Londres na passada segunda-feira e apenas hoje deverá regressar a Portugal.

GIL VICENTE - NOVA DERROTA JURIDICA




O Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa (TAFL) considerou improcedente o pedido apresentado pelo Gil Vicente Futebol Clube, o qual considerava infundada a resolução fundamentada apresentada pela Federação Portuguesa de Futebol que invocou o interesse público das competições nacionais, no âmbito do chamado ‘caso Mateus’.

Na decisão, notificada, esta sexta-feira, ao organismo que superintende o futebol nacional, o TAFL refere que “é de concluir que a resolução fundamentada evidencia, de modo claro e evidente, os prejuízos para o interesse público” que resultariam da imediata execução da providência cautelar apresentada pelo Gil Vicente.

Ressalvou, ainda, aquele tribunal o facto de a suspensão da decisão do Conselho de Justiça da FPF – objecto da providência cautelar do Clube de Barcelos – “poder colocar em causa toda a época desportiva, eventos desportivos em curso e já anteriormente agendados, implicar o gorar de expectativas de acesso a competições de índole internacional, bem como lesar indirectamente todos os clubes intervenientes, com maior acento na lesão irreversível daqueles que com o decurso do tempo os colocará noutro escalão etário de competição, sem acesso a toda uma época desportiva”.

O TAFL refuta, por outro lado, outros argumentos do Gil Vicente, designadamente o que diz respeito à alegada falta de notificação daquele Clube aquando da apresentação da resolução fundamentada.

PARTIDO SOCIALISTA= VERGONHA NACIONAL


A noticia é trazida á estampa pelo semanário EXPRESSO.
O Partido Socialista, ou melhor dizendo o seu aparelho, e a direita portuguesa negociaram o relatório sobre os voos da CIA.
A Deputada Edite Estrela, Luis Queiró, a Direcção Socialista em suma deviam ter vergonha na cara e demitirem-se. Os verdadeiros socialistas deviam exigir a cabeça da sua Direcção; É UMA VERGONHA
Combinações entre socialistas e a direita e várias recomendações de voto promovidas pelo Governo português levaram a que algumas partes do relatório sobre os voos da CIA fossem eliminadas.
O Expresso teve acesso aos documentos que revelam os contactos entre Luís Queiró, do Partido Popular, e Edite Estrela, do Partido Socialista, assim como a lista entregue pela Representação Permanente de Portugal na UE a alguns deputados, que incluía as partes que deveriam ser aprovadas e as que mereciam reprovação. Exemplo: o parágrafo 118, referente à recusa de Paulo Portas e de Figueiredo Lopes em reunir-se com a comissão de investigação, foi retirado.

16/02/2007

Mudança de hora pode provocar «bug»



A mudança de hora este ano sofreu alterações o que poderá ter implicações a nível do equipamento electrónico.


Alteração da mudança de hora pode originar «bug»A passagem para o «horário de verão» nos Estados Unidos acontece este ano mais cedo, começando a 11 de Março, e termina mais tarde, a 4 de Novembro.

A mudança foi aprovada na U.S Energy Police Act de 2005 o que significa que o software criado antes dessa data poderá sofrer complicações, assistindo-se a um «bug» semelhante ao da passagem do milénio.

O problema não deverá afectar apenas computadores, mas também relógios digitais e outros sistemas que utilizam contagem do tempo.

A pensar nesse problema, a Microsoft avançou com uma solução que baseia-se no update dos programas anteriores a essa data, tendo já lançado uma versão actualizada do Windows XP SP2.

Preços das inspecções automóvel aumenta 2ª feira




A partir de segunda-feira, as tarifas das inspecções de automóveis sobem 46 cêntimos nos veículos ligeiros e 68 cêntimos nos pesados, segundo uma portaria publicada hoje em Diário da República


O Governo justifica a actualização das tarifas com o aumento da inflação, classificando «oportuno» o processo de revisão do actual regime.

As inspecções de ligeiros passam a custar 22,17 euros e as de pesados 33,18 euros, acrescidos da taxa de IVA de 21 por cento.

Os reboques e semi-reboques vão passar a ser inspeccionados por 22,71 euros (actualmente o preço é de 21,71 euros) e os carros com nova matrícula 55,35 euros (contra 54,21 euros). A estes valores será somado o IVA.

As reinspecções, para verificar as falhas detectadas na primeira inspecção, também vão aumentar e passam a ser de 5,56 euros para os ligeiros e pesados (subida de 11 cêntimos) mais IVA.

O diploma hoje publicado não refere a data de entrada em vigor, mas as regras gerais dizem que as portarias entram em vigor no dia seguinte à sua publicação, segundo fonte do Ministério da Economia.

Assim, segunda-feira a nova tabela de preços já deve estar em vigor.

Luz do Sameiro - Viúvas dos pescadores recebem primeiras indemnizações



Cerca de 50 mil euros, correspondentes aos seguros de acidentes pessoais, foram hoje entregues às viúvas dos quatro pescadores que morreram na sequência do naufrágio do Luz do Sameiro, no final de Dezembro


A companhia adiantou ainda vinte por cento daquele montante a cada uma das viúvas de outros dois pescadores, João Cartucho e José Maciel, que também estavam a bordo do Luz do Sameiro e cujos corpos continuam desaparecidos. O restante dinheiro será entregue logo que as famílias apresentam uma declaração de morte presumida, emitida por um tribunal.

O naufrágio deu-se a cerca de 20 metros da praia da Nazaré e só um dos sete tripulantes do barco, um ucraniano, é que foi salvo, facto que pôs em causa a estrutura nacional de socorro disponível para emergências deste tipo.

O acidente vitimou seis pescadores das Caxinas, em Vila do Conde, e deixou em sérias dificuldades as respectivas famílias, às quais a seguradora decidiu entregar também já o dinheiro correspondente aos subsídios de funeral e de morte, num total de cerca de 7.700 euros por vítima, «para suprir algumas dificuldades naturais».

«Fazemos já estes adiantamentos porque há preocupações sociais que se sobrepõem às questões técnicas», disse hoje à Lusa o director de Sinistros NãoVida da Axa, Fernando Marques, justificando assim a decisão de antecipar estes pagamentos apesar de haver alguns obstáculos legais.

No caso dos pescadores ainda desaparecidos, por exemplo, a declaração legal do óbito só pode ser feita por um tribunal mas num prazo que pode ir até um máximo de dez anos ou cinco, se a vítima tiver completado 80 anos.

Essa barreira legal pode ser ultrapassada com uma declaração de morte presumida emitida por um tribunal, o que possibilitaria às famílias receber a totalidade do seguro de acidentes pessoais. O presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde, Mário Almeida, acredita que «o documento será conseguido sem grandes dificuldades».

As viúvas daqueles pescadores, cuja única fonte de subsistência era, até à data do acidente, o salário dos maridos, têm ainda direito a uma pensão que será fixada mais tarde com base no seguro de acidentes de trabalho.

O presidente da Junta de Freguesia das Caxinas, José Postiga, reafirmou hoje que «o naufrágio atingiu famílias muito carenciadas, que vivem muitos problemas».

AS VITIMAS DE SALAZAR


Existe já uma considerável produção memorialística proveniente do diversificado campo da oposição ao Estado Novo. Em 2001, António Ventura publicou o catálogo Memórias da Resistência. Literatura autobiográfica da resistência ao Estado Novo, no qual antologiou noventa e nove extractos de livros escritos por activistas da luta contra o regime de Salazar e Caetano. Desde essa data, mais livros – subtraia-se à contabilidade as inúmeras crónicas ou testemunhos sobre o assunto – foram adicionados a esta lista, estando actualmente o número de relatos desta natureza bem acima da centena. Um exemplo último foi a edição das memórias de Edmundo Pedro, dedicadas ao período da sua formação ideológica e permanência no campo de concentração do Tarrafal.

Por outro lado, e no campo académico, a abordagem dos processos de luta oposicionista tem vindo a interessar um número crescente de investigadores, com alguns deles a deslocarem o foco de atenção para o «outro lado», o lado dos mecanismos, dos fenómenos e dos actores da repressão política. Recentemente, duas teses de doutoramento foram dedicadas a esta temática. Em 2004, Dalila Cabrita Mateus publicou A PIDE/DGS na Guerra Colonial: 1961-1974 – tendo, em 2006, dado à estampa Memórias do Colonialismo e da Guerra, conjunto de quarenta entrevistas, efectuadas no âmbito do referido trabalho, a portugueses e africanos perseguidos pelo seu empenhamento independentista – e Irene Flunser Pimentel apresentou, já este ano, A Polícia Internacional de Defesa do Estado. Direcção Geral de Segurança (PIDE/DGS). História da Polícia Política do Estado Novo, cuja publicação se anseia para breve.

Vítimas de Salazar, de João Madeira, Irene Flunser Pimentel e Luís Farinha, permite percorrer esse duplo caminho que atravessa resistência e repressão. Ao mesmo tempo que aborda a violência cometida pelas autoridades, recupera o rosto daqueles que arriscaram romper o cerco e lutar, das mais variadas formas, contra o regime ditatorial. Como declara João Madeira na introdução, este não é o estudo sistemático «que é globalmente indispensável» e «que tem vindo a ser parcelarmente realizado» sobre este domínio. Ainda assim, convém esclarecer que a obra não se limita a coligir e elucidar situações mais ou menos emblemáticas, mais ou menos desconhecidas – tarefa já de si altamente louvável – mas proporciona uma útil visão de conjunto sobre os mecanismos da repressão política

15/02/2007

DECLARAÇÃO



O Governo e o PS irão proceder à liberalização total do aborto até às 10 semanas de gestação, legalizando-o e introduzindo-o no sistema de saúde.

Dirijo-me àqueles que, como eu próprio, votámos NÃO neste referendo. Aplaudo e agradeço a lição generosa de Humanidade, de convicção, de alegria, de energia cívica que a todos nos foi dada pelos movimentos e associações que mostraram como a causa da Vida e da Família vibra na nossa sociedade.

Reafirmo tudo o que disse. E continuarei a dizer.

Os nossos sentimentos, no CDS, são de mágoa, serenidade e determinação.

Mágoa por ver Portugal enveredar por um caminho que fere a matriz humanista da nossa História, levando a consagrar na lei, sem qualquer justificação, uma dupla violência: sobre o filho e sobre a mulher, mãe.

Mágoa por ver prevalecer uma linha de indiferença, em vez de solidariedade, perante dificuldades humanas e a dor.

Mas o nosso sentimento é também de serenidade e de determinação.

A serenidade própria de quem falou e votou com razão e com coração.

A serenidade própria de quem age com moderação e equilíbrio, tendo apontado outros caminhos e respostas, ao encontro das pessoas concretas, de cada filho concreto, de cada mulher concreta em situação de dificuldade ou de risco.

A serenidade própria de quem sabe estar em linha com o seu tempo e, portanto, cada vez mais em linha com o futuro, suportado pelo conhecimento, pela modernidade, pela acção social solidária.

Votámos NÃO. Continuamos, continuaremos, do lado da Vida.

Reafirmo e renovo, nesta data, nesta hora, o nosso compromisso fundamental como partido, com o direito à Vida e com a saúde e dignidade da mulher. Não nos resignamos, não nos resignaremos.

Votaremos contra as leis de liberalização do aborto e pugnaremos, no futuro, pela sua alteração.

Faremos examinar com todo o rigor o conteúdo e a constitucionalidade das leis e regulamentos que a maioria socialista e o Governo se preparam para adoptar para instalarem o aborto livre. Seremos exigentes na aplicação do dinheiro dos contribuintes, combatendo entorses e desvios nas prioridades de saúde pública. Lutaremos contra o abuso de empresas especializadas no aborto, que exploram um negócio de violência sobre a vulnerabilidade da mulher, com o financiamento do Estado, e estaremos atentos à sua fiscalização.

Continuaremos sempre no mesmo campo – e pedimos aos portugueses que o reforcem – do lado da Vida, na acção social concreta, quotidiana, de proximidade, naquele caminho positivo e de futuro que tem sido aberto por tantos movimentos e associações.

Somos contra o aborto clandestino. E somos contra este aborto livre legal.

O que queremos é que todos os filhos possam nascer, na nossa terra, e que todas as mães, em dificuldade, tenham o abraço de que precisam, no nosso país.

É esse o sentido do nosso propósito, militantes do direito à Vida, da causa da família, do direito – e do dever – de se ser mãe e se ser pai. Com o apoio da comunidade, em vez deste abandono.

Continuaremos. Não baixamos os braços. Não calamos a voz.

Nenhuma vida é de mais.

O Eng.º José Sócrates ficará responsável por uma das páginas tristes da História portuguesa, ao insistir num movimento político e legislativo que lesa valores e direitos fundamentais, que fractura a sociedade portuguesa e que, teimando em ideias ultrapassadas e anacrónicas, vai ao arrepio do conhecimento e da modernidade. A baixa participação no referendo confirmou que este não era um tema querido dos portugueses, nem constituía qualquer tipo de prioridade social ou nacional que merecesse ser atendido.

Agradeço aos militantes do CDS o empenho nestes valores e nesta campanha, que continua. Sabemos que aqui se cruza uma causa universal. Hoje, Portugal desacertou o passo com a História. Lutaremos para que o acerte de novo no futuro, na linha dos valores personalistas. Quem quiser vir connosco, é sempre bem-vindo.

Nenhuma voz é de mais.

Lisboa, 11 de Fevereiro de 2007

José Ribeiro e Castro
Presidente do CDS-PP

Centralismo do Governo prejudica QREN

Deveríamos estar a iniciar um novo ciclo de investimento, com a aplicação das perspectivas financeiras 2007/ 2014, uma derradeira oportunidade para Portugal.
Ao invés de aproveitarmos a oportunidade para lançar um novo paradigma de desenvolvimento, um novo ciclo, verificamos com surpresa que o Governo tudo está a fazer para adiar o início do novo QREN.
Vinte anos depois, dois períodos distintos se viveram; o nosso PIB cresceu de 57,5 % da média europeia em 1985 para 68,5% em 1995 e 73,4% em 2000, houve uma convergência efectiva; regredimos para 69,2% em 2005, o que nos afasta cada vez mais dos nossos parceiros europeus, designadamente da Espanha que convergiu de 72,6% para 91,3% e da Grécia que mantém o ritmo de convergência passando de 73,7% para 77,1% no mesmo período.
Não só divergimos neste período como verificamos, da leitura dos fundamentos do QCA III e do QREN, que os diagnóstico quanto às nossas fragilidades se mantêm bem como as soluções, o que demonstra a irracionalidade das orientações seguidas nos últimos anos.
Então, que fazer ?
Deveríamos estar perante um exercício pleno de mobilização dos diferentes actores, autarquias, empresas, sistema cientifico e tecnológico, sistema escolar, trabalhadores, etc., deveria o Governo, numa metodologia correcta, construir a casa pelos alicerces e não pelo telhado, promovendo uma estratégia diferenciada das regiões, alicerçada em Quadros de Referência Estratégico Regionais e com base nestes construir o QREN, Quadro de Referência Estratégico Nacional.
Não seguiu este caminho, antes aposta numa estratégia centralista que já provou o que dá no QCA III, para já não falar da profusão de planos que não se percebe muito bem como se integram, senão vejamos, Quadro de Referência Estratégico Nacional, Plano Nacional para o Crescimento e o Emprego, Plano Tecnológico, Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável, Plano Nacional de Emprego, Plano Nacional para a Igualdade e Programa Nacional da Politica de Ordenamento do Território, todos estes planos com uma característica comum, foram concebidos ao nível central sem um papel activo das regiões e dos municípios.
Mais uma vez, os Municípios terão aqui um papel decisivo, assumindo-se como agentes de desenvolvimento integral, alargando também as suas competências para o âmbito económico, mobilizando o triângulo virtuoso do desenvolvimento, autarquias locais, associações empresariais e empresas e o sistema cientifico e tecnológico, englobando o sistema de ensino.
Todas as actuações futuras terão que ser intermunicipais e diferenciadas, aproveitando as dinâmicas criadas em torno das Áreas Metropolitanas e Comunidades Urbanas, construindo estratégias integradas nos domínios da Inovação, Competitividade e Empreendedorismo, Qualificações e Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente.
É fundamental corrigir o que correu mal no último QCA, ultrapassar as debilidades que resultaram de um excesso de investimento mal articulado em infraestruturas e apostar no investimento em actividades inovadoras e de alto valor acrescentado baseadas no conhecimento e na aposta na educação, na formação e na investigação aplicada às empresas.
O novo paradigma do que é investimento não se pode medir pela quantidade de obras inauguradas, antes numa lógica de desenvolvimento sustentável assente em estratégias que fixem pessoas e competências criando riqueza.
Mais uma vez, como no ciclo das infraestruturas básico, os Municípios e os Autarcas terão o papel decisivo.

António Almeida Henriques
Deputado do PSD
Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PSD

MAIS DORES DE CABEÇA...


No proximo dia 21 de Fevereiro, as dores de cabeça dos poveiros, e automobilistas que por cá passam, vão aumentar e de que maneira; já não bastavam as obras da Av. Mousinho, e dos actuais estrangulamentos do fluxo de transito, e agora vai caír-lhes em cima as obras da Praça do Almada. Com um tempo de "gestação" previsto de nove meses, nem a recente vitoria do SIM no referendo sobre a despenalização a fará ABORTAR. No proximo dia 8 de Março, já depois das obras começarem vão ser explicadas no salão Nobre da autarquia. Não seria melhor explicar antes de começarem?

VARZIM LAZER...EMPRESA OU ARRANJO PARA OS DA COR LARANJA?



A empresa Varzim Lazer, é uma empresa de capital do municipio, mas gerida de forma obscura...não que os seus gestores, o pretendam, mas por imposição da Camara Municipal e de Macedo Vieira e seus pares: senão vejamos:
O Filho do presidente...Gustavo de seu nome é funcionário da Varzim Lazer...e com um ordenado de fazer inveja a muitos dos trabalhadores do municipio; mas a " corrupção" não fica por aqui: Sabiam que a esposa do Vice presidente Eng. Aires Pereira, também ela funcionária da Varzim Lazer, tem um Ordenado na casa dos mil e quatrocentos euros mensais? O que faz mais a mulher do Vice presidente que as outras funcionárias da empresa? Ou será que tem esse ordenado pelo facto de ser esposa de Aires Pereira?
A exemplo da Camara de Lisboa, quando a Judiciária se virar para a Póvoa, vamos ve-los todos a fugir... quais ratos de esgoto
O recente estudo de viabilidade da empresa municipal e a sua reformulação, encomendada a Daniel Bessa, e que foi hoje apresentada em conferencia de imprensa, remete para que O complexo das Piscinas Municipais, o Pavilhão Municipal, a Academia de Ténis e a Praça de Touros devam retornar para a propriedade da Câmara da Póvoa. Segundo Daniel Bessa,a Varzim Lazer “cumpriu a sua missão” mas, no futuro, “não conseguiria suportar eventuais reparações nessa máquina pesada de equipamentos públicos”.
A questão é muito simples: a forma mais iverosimel de admitir na autarquia os amigos, familiares, e portadores do cartão ou ficha do PSD

14/02/2007

Alunos do 4º e 6º anos vão fazer provas de aferição



Os alunos do 4º e 6º anos vão fazer obrigatoriamente provas nacionais de aferição a Língua Portuguesa e Matemática, até aqui apenas realizadas por uma amostra de estudantes, segundo um despacho hoje publicado em “Diário da República”.
Segundo o documento, "as provas de aferição, a realizar no final do 1º e do 2º ciclos do ensino básico, deverão ser aplicadas anualmente ao universo dos alunos, nas escolas públicas e nos estabelecimentos de ensino particular e cooperativo".

Introduzidas em 2000/01, as provas de Língua Portuguesa e Matemática eram até aqui realizadas por uma amostra representativa dos alunos para ajudar os professores e a tutela a aferir se estão a ser adquiridas as competências básicas nas duas disciplinas.

Apesar de não contarem para efeitos de retenção dos alunos, as notas passarão a estar afixadas em pauta, possibilitando, segundo o Ministério da Educação (ME), "uma reflexão colectiva e individual sobre a adequação das práticas lectivas".

Os estabelecimentos de ensino passarão a ter de realizar um relatório, a partir da análise dos resultados alcançados pelos alunos, no qual definem um plano de acção com medidas para melhorar o desempenho a Língua Portuguesa e Matemática.

PROCURADOR PEDE SUSPENSÃO DE PROCESSOS DOS CASOS DE ABORTO


O procurador-geral da República, Pinto Monteiro, recomendou hoje aos procuradores gerais distritais a necessidade de deixar de ser prioritária a investigação de todos os factos relacionados com crimes de aborto e recomendou ainda que, sempre que possível, se proceda à suspensão provisória de todos os processos pendentes relativos ao mesmo tipo de crime.
O objectivo desta orientação de Pinto Monteiro, transmitida por escrito aos magistrados do Ministério Público, é o de recorrer a tudo o que a lei permite de forma a evitar a injustiça de submeter mulheres a julgamento por factos que estão prestes a ser discriminalizados.

Parlamento Europeu condena voos da CIA


O Parlamento Europeu aprovou, por larga maioria, o relatório que denuncia a utilização de Portugal e de outros países da União Europeia para voos ilegais da CIA de transporte de prisioneiros suspeitos de terrorismo. A resolução da assembleia parlamentar da UE foi aprovada com 382 votos a favor, 256 contra e 74 abstenções. Neste relatório, o Parlamento Europeu considera “inverosímil” que certos governos europeus não soubessem o que se passava nos seus aeroportos. Durante a sessão parlamentar de hoej, o relator do documento, Giovanni Fava, acusou alguns de governos de “olharem para o lado” enquanto se praticavam abusos dos direitos humanos nos seus países. Portugal embora bastante citado no relatório, teve, por pressão do PS e PSD, as críticas às actuações dos governos bastante adocicadas.
Segundo noticia da Lusa, o Parlamento Europeu exortou hoje Portugal a investigar possíveis casos de detidos transportados ilegalmente pela CIA através de território português e saudou a abertura de um inquérito- crime em Portugal sobre o assunto.Na posição final adoptada pela assembleia de Estrasburgo, com base nas conclusões da comissão temporária que durante um ano investigou a utilização de países europeus pela CIA para transporte ilegal de suspeitos de terrorismo, o PE "poupa" o governo português e aponta mesmo a colaboração prestada pelo executivo.O texto final apenas observa que as autoridades portuguesas "não puderam" responder a todas as questões levantadas pela missão da comissão temporária que se deslocou a 06 de Dezembro a Portugal.
Na versão das conclusões adoptadas em sede da comissão - e alterada por iniciativa dos socialistas europeus - lamentava-se que Lisboa não tivesse podido ou "não tenha querido" fazê-lo.
Também o anterior governo PSD/CDS-PP fica de fora do documento final, com a exclusão de um parágrafo que lamentava a recusa dos antigos ministros Paulo Portas (Defesa) e Figueiredo Lopes (Administração Interna) de falarem perante a comissão.
Foi também "chumbada" a introdução de um outro parágrafo (sugerido pelo Grupo da Esquerda Unida) a considerar improvável que o antigo primeiro-ministro Durão Barroso, actual presidente da Comissão Europeia, desconhecesse as actividades da CIA em Portugal.
A decisão da Procuradoria-Geral da República - tomada após uma participação da eurodeputada Ana Gomes - levou a que o documento final tenha passado também a contemplar Portugal, juntamente com Itália, Espanha e Alemanha, num ponto em que se "enfatiza o trabalho sério e rigoroso desenvolvido pelas autoridades judiciárias" destes países.
A assembleia convida as autoridades judiciárias de outros Estados-membros a agirem de forma semelhante.

O Parlamento Europeu manifesta também "preocupação" - e não "profunda preocupação", como na versão original saída da comissão temporária - pela lista que a comissão obteve que indica que, além das 91 escalas efectuadas, aeronaves civis e militares de vários países com destino ou provenientes de Guantanamo, entre 11 de Janeiro de 2002 e 24 de Junho de 2006, utilizaram o espaço aéreo português e realizaram mais 14 escalas em aeroportos portugueses.
O texto "constata em particular" o caso de Abdurahman Khadr, alegadamente transportado a bordo do Gulfstream IV N85VM, de Guantanamo para Tuzla, na Bósnia- Herzegovina, em 6 de Novembro de 2003, com escala num aeroporto português, em 07 de Novembro de 2003.
A assembleia parlamentar da UE exorta as autoridades a investigarem outros possíveis casos de detidos transportados ilegalmente através de território português.
Entre as delegações portuguesas, apenas o CDS-PP votou contra, tendo o relatório merecido o apoio dos eurodeputados do PS, PSD, PCP e Bloco de Esquerda.

HOMENAGEM A ZECA AFONSO

Iraque: mulheres condenadas à morte por acções de resistência


Pela primeira vez desde o início da ocupação do Iraque, três mulheres foram condenadas à morte pelo Tribunal Central Criminal por actividades de resistência à ocupação. As três mulheres são: Wassan Talib de 31 anos, e Zeynab Fadhil e Liqa Qamar, ambas de 25 anos. A data de execução está marcada para 3 de Março. Duas destas mulheres cuidam de filhos pequenos na prisão, um dos quais já nasceu depois de ter sido presa. A Amnistia Internacional fez um apelo de acção urgente.
Wassan Talib foi condenada pelo assassinato de cinco membros das forças de segurança iraquianas em 2005, durante um ataque contra um centro de segurança no bairro de Hayat al-Furat em Bagdad. Por seu lado, Zeynab Fadil foi acusada e condenada por atacar, junto com o marido e o primo, uma patrulha conjunta da Guarda Nacional e de tropas americanas. Ambas negam as acusações e Zeynab Fadil afirma mesmo que nem sequer estava em Bagdad quando ocorreu o ataque.

Liqa Qamar foi condenada pela acusação de ter participado no sequestro e posterior assassinato de um detentor de um alto cargo na "Zona Verde". Na acção teria participado o marido, preso pela mesma acusação.

Finalmente, uma quarta mulher Samar Sa'ad ‘Abdullah, também de 25 anos, foi condenada pelo assassinato do tio, da sua mulher e três filhos no bairro de al-Khudra em Bagdad. Ela acusou do crime o namorado, que teria tido o objectivo de roubar as vítimas. O namorado foi alegadamente preso, mas a Amnistia Internacional não conhece que acusações lhe foram feitas.

Tanto Zeynab Fadhil quanto Liqa Qamar têm junto a elas filhas. A primeira, uma filha de três anos; a segunda, uma menina de um ano, nascida já na prisão do bairro de Kadimiya, em Bagdad.

Walid Hayali, advogado e membro do Sindicato de Advogados Iraquianos, disse que o TCC impediu que as mulheres acusadas tivessem assistência de advogados, por se tratar de crimes de segurança.

A pena de morte foi reinstaurada no Iraque em 2004, pelo governo interino. As três primeiras execuções foram feitas no dia 1 de Setembro de 2005 e, durante 2006, pelo menos 65 pessoas foram executadas, incluindo Saddam Hussein.

No dia 6 de Abril, Mohamad Jorshid, representante de rede de ONG de Direitos Humanos, declarou ao diário Asharq al-Awasat que 2.000 mulheres iraquianas permaneciam detidas "por motivos de segurança" em prisões sob o controlo do governo iraquiano e das forças de ocupação.

A Amnistia Internacional fez um apelo de acção urgente, lembrando que o presidente iraquiano tem o poder de conceder perdão ou de comutar a pena para prisão perpétua.

13/02/2007

TAÇA DE PORTUGAL - VARZIM EM BRAGA


Único grande ainda em prova, o Sporting vai cumprir o seu compromisso nos quartos-de-final da Taça de Portugal defrontando, em Alvalade, a Académica, naquele que é um clássico do futebol português.
Quanto ao nosso Varzim, equipa que na última ronda eliminou o Benfica, o sorteio realizado esta manhã de terça-feira na sede da Federação Portuguesa de Futebol ditou que, na próxima eliminatória, tenha pela frente mais um europeu, o Sporting Braga, num jogo que terá lugar no Estádio Municipal da Cidade dos Arcebispos.
Esperemos que com a vitoria sobre o Benfica esta tenha o condão de espicaçar os lobos do mar e que agora consigam também seguir em frente.
Relativamente aos restantes dois encontros, o sorteio agendou um confronto entre Beira-Mar e Boavista, em Aveiro, e um embate entre o Bragança, única equipa da II Divisão ainda em prova, e o Belenenses, da I Liga. O jogo tem lugar em Bragança.
Os jogos estão agendados para 28 de Fevereiro, uma quarta-feira.

12/02/2007

EUA manipulam provas para justificar Guerra com Irão


De acordo com o jornal britânico Independent, os EUA estão mais próximos de iniciar uma guerra com o Irão, utilizando um pretexto análogo àquele que serviu de «desculpa» para a invasão do Iraque. Vários oficiais americanos, que preferem manter o anonimato, acusam o regime iraniano de fornecer novos e perigosos engenhos explosivos a milícias xiitas no Iraque, que terão vitimado militares americanos. Para o jornalista Patrick Cockburn tratam-se de «alegações bizarras», dado que afinal as novas armas já eram usadas há pelo menos 80 anos, e porque os principais focos da resistência armada iraquiana pertencem a grupos sunitas, conhecidos pela sua hostilidade ao Irão.
Os oficiais americanos sustentam que os novos engenhos explosivos responsáveis pela morte de 170 soldados americanos e por 620 feridos são fabricados no Irão, pelas Brigadas de Al Quds, que respondem directamente perante o supremo líder iraniano, o Ayatollah Ali Khamenei. Estas armas são supostamente capazes de destruir alguns tanques americanos.
No entanto, estas alegações são no mínimo estranhas. Isto porque, desde a ocupação do Iraque, em 2003, os EUA têm enfrentado militarmente combatentes sunitas (que estavam no poder na altura de Saddam), completamente hostis ao Governo Iraniano, e que têm repetidamente denunciado o governo iraquiano como sendo um fantoche do regime de Teerão.
Ora, a denúncia de que o governo iraniano estaria a apoiar milícias xiitas contra os americanos, dá a entender que os EUA têm estado em guerra com milícias xiitas, quando na verdade a quase totalidade dos combates deram-se com unidades sunitas provenientes de elites militares altamente treinadas no regime de Saddam Hussein. Os grupos xiita, pelo contrário, encontram-se relativamente controlados pelos partidos que fazem parte do governo iraquiano.
Os oficias americanos encontraram um novo nome para as armas que dizem serem enviadas pelo regime iraniano: explosive formed penetrators (EFP)s. Contudo, uma análise das armas que têm sido utilizadas pelos grupos iraquianos hostis à ocupação americana revela que são na quase totalidade engenhos originários do regime anterior, similares a engenhos utilizados por todos os exércitos durante a segunda guerra mundial e igualmente presentes na guerra da independência da Irlanda (1919-1921). Este novo e pomposo nome tem como objectivo dar a ideia que foi desenvolvida uma nova arma ameaçadora que, na verdade já existe há pelo menos 80 anos.
Recorde-se que há quatro anos Bush e Blair argumentavam que os iraquianos estavam tecnicamente muito avançados para produzir mísseis de longo alcance e engenhos nucleares. Curiosamente, os americanos vêm agora dizer que o Iraque não tem capacidade para construir pequenos engenhos explosivos e que estaria a procurar ajuda do lado do regime de Teerão. Esta é a primeira vez que o Irão é acusado de ser responsável pela morte de militares americanos no Iraque.
Estas alegações, que podem ser um pretexto forte para justificar o início de uma guerra com o Irão, são ainda mais escandalosas do que aquelas que serviram de motivo para a ocupação do Iraque: o fabrico de armas de destruição maciça que nunca forma encontradas.

Comunidade Cigana é a mais discriminada em Portugal



Portugal tem mostrado esforços e melhorias para combater o racismo


Um relatório, apresentado esta segunda-feira em Lisboa, dá conta que a comunidade cigana é a mais discriminada em Portugal. Enfrenta dificuldades na relação com a população em geral e autoridades. No entanto, o mesmo estudo indica que o país não é considerado racista.

"O acesso à educação e a estudos superiores, discriminação comercial aos serviços públicos, à habitação, bem como a possibilidade de exercer uma actividade económica continuam problemáticos para" as comunidades ciganas, afirma, Marc Leyenberger, um responsável da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI).

Embora "persista um ambiente propício para o racismo, baseado em preconceitos e estereótipos que são alimentados pela falta de conhecimento do outro", Portugal realizou "esforços e melhorias significativas em vários campos salientados no relatório precedente. Existe uma política de integração, mas nem sempre os meios necessários existem", acrescentou o mesmo responsável da ECRI.

"E necessário que os imigrantes e as minorias étnicas confiem na Justiça e nos representantes da Lei" disse Marc Leyenberger, apelando a uma maior formação da polícia e sensibilização dos juízes perante os estrangeiros.

Para Marc Leyenberger, uma verdadeira política de imigração “diz respeito a todos e precisa ter a integração de todos os serviços", sugerindo a sensibilização do grande público para a necessidade de lutar contra o racismo e a intolerância e para os benefícios de uma sociedade multicultural.

A Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância, é um órgão independente do Conselho da Europa que avalia a situação do país em relação ao racismo e à intolerância.

FINALMENTE...A DECISÃO NAS MÃOS DAS MULHERES


O ‘Sim' ganhou com 2 238 053 votos, 59,25% dos votos expressos, e o ‘Não' obteve 1 539 078 votos, 40,75%, terminada a contagem da votação no referendo a nível nacional.
O ‘Sim' ganhou nos distritos de Beja, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém e Setúbal.
Em relação a 1998, o ‘Sim' subiu em termos relativos e absolutos em todos os distritos, ganhou nos mesmos distritos (Beja, Coimbra, Évora, Faro, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal) e desta vez ganhou também em Castelo Branco, Leiria, Porto, onde tinha perdido em 1998.
O ‘Não' ganhou nos distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Guarda, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, e nas regiões dos Açores e Madeira.
De salientar que o ‘Não' baixou de votação absoluta, apesar de continuar a ganhar, nos distritos de Bragança, Guarda, Viana do Castelo e Vila Real e na Região Autónoma dos Açores.
"Esta vitória representa o princípio do fim do aborto clandestino em Portugal", afirmou a psicóloga Marta Crawford, em nome do “Em movimento pelo SIM”, do "Movimento Cidadania e Responsabilidade pelo Sim", dos "Jovens pelo Sim", do "Movimento Voto Sim" e dos "Médicos pela Escolha". Na altura da vitória, os movimentos que defenderam o "Sim" no referendo concentraram-se nas batalhas de amanhã e garantiram, nos seus discursos finais, que a despenalização do aborto permitirá interrupções da gravidez seguras até às dez semanas mas pode e deve conduzir também à realização de menos abortos.~
Enquanto o líder do PSD, Marques Mendes, defendia a legitimidade da alteração da lei com a vitória do 'sim', apesar de o referendo não ser vinculativo, Ribeiro e Castro, do CDS/PP, disse que irá opor-se à despenalização: "Renovo o nosso compromisso, como partido, pelo direito à vida e à saúde", disse.
O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, afirmou que o resultado do referendo ao aborto não é decisivo, porque "a vida não é referendável". "Quero acentuar o que os bispos portugueses sempre disseram: a vida é um dom inviolável, um direito fundamental de todos os seres humanos e fonte de todos os outros direitos", disse numa nota pastoral. Em Braga, o 'não' ganhou, mas caiu de 77,4% em 1998 para 58%. O "sim" obteve 41,2% e duplicou a votação em relação a 1998.
Nova lei da IVG promoverá período de reflexão para as mulheres
A nova lei da interrupção voluntária da gravidez começará a ser trabalhada “imediatamente” na Assembleia da República e promoverá um período de reflexão para as mulheres que tencionem fazer uso dela. Esta a mensagem deixada, no dia 11 de Fevereiro, pelo secretário-geral do PS, José Sócrates, ao reagir à vitória do “sim” no referendo sobre a despenalização da IVG.

VIVA O VARZIM


O Varzim obteve este sábado uma importante vitoria, quer em termos financeiros quer em termos desportivos. No capitulo desportivo e é nesse que me vou debruçar a Vitoria sobre o Benfica, vai por certo trazer outra garra aos jovens jogadores de forma a contornarem o momento difícil que atravessam na Liga de Honra. Outra importante vitoria para a equipa é se ter mostrado um excelente defesa esquerdo, Pedrinho de seu nome. Foi necessário meio campeonato, uma chicotada, jogadores castigados, para se ver onde Pedrinho rende. Tempo demasiado para um clube que pretende fugir da zona perigosa onde se encontra. De resto todos os jogadores estiveram em grande nível; sem colocar o autocarro em frente á baliza, o Varzim deu excelentes mostras daquilo que é capaz de fazer; esperemos que o jogo do Benfica se repita pelos restantes do campeonato.

10/02/2007

PROCURA-SE ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIO


Os moradores do Edificio Porto Belo situado na Rua D. Manuel I na cidade da Povoa de Varzim andam de facto muito preocupados na procura da administração do Condominio da sua residencia.
Ou melhor, eles apenas encontram a empresa responsavel pelo seu condominio quando no final do mês tem de pagar; de resto é mentira:
Não há jardins...apenas aqui e ali umas plantas, elevadores constantemente avariados, portões das garagens idem idem aspas aspas, falta de iluninação nas caixas de Escadas, Etc, Etc, Etc,
Dão se alvissaras a quem encontrar a CONDEHABITAÇÂO