11/04/2007

Cidade Vizinha sem ideias Novas

O Municipio vizinho está a levar a cabo uma votação para escolher as suas sete maravilhas...mas não se está a esquecer a recuperação da Ponte D. Zameiro que foi destruida depois de um empreiteiro estar a executar obras junto á mesma? não foram exigidas responsabilidades? E então em que pé está a sua recuperação para as calçengas gregas?


As sete maravilhas vão ser escolhidas até 18 de Maio


A Câmara de Vila do Conde está a promover, até 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus, a eleição das "sete maravilhas" do concelho. À "boleia" de concursos semelhantes a decorrer a nível nacional e internacional, a autarquia convida todos os vila-condenses a eleger os sete elementos patrimoniais mais significativos do município. Entre os candidatos, estão monumentos como o Mosteiro de Santa Clara, o Aqueduto, o Forte de S. João Baptista, a Cividade de Bagunte, a ponte de D. Zameiro ou o Mosteiro de S. Bento de Vairão. "Escolhemos todos os monumentos importantes do concelho, classificados como de interesse municipal ou nacional", afirmou, ao JN, a vereadora da Cultura, Elisa Ferraz, explicando o critério de selecção dos 19 imóveis sujeitos à votação.

O objectivo, salientou, é aproveitar o tema seleccionado para o Dia Internacional dos Museus - Museus e Património Universal - e "trazer à memória das pessoas a riqueza do concelho". Uma vez concluída a votação, a ideia é incluir os sete monumentos mais votados num roteiro próprio das "7 Maravilhas de Vila do Conde", esperando-se até que isso possa trazer algum apoio do Governo à recuperação desse património local, sublinhou ainda Elisa Ferraz. Sem querer avançar os seus preferidos, numa atitude que poderia influenciar a escolha dos vila-condenses, Elisa Ferraz admite, no entanto, que há na lista monumentos que "dificilmente ficarão de fora". Será o caso do Aqueduto e, acima de tudo, do Mosteiro de Santa Clara, considerado o mais importante ex-libris de Vila do Conde.

Além de edifícios religiosos como a igreja matriz de Vila do Conde ou a capela do Socorro, conhecida pela sua forma redonda, da lista constam ainda edifícios históricos recentemente recuperados - como a Alfândega Régia (hoje transformada em museu), os Paços do Concelho ou o Forte de S. João -, áreas de paisagem protegida - o Castro de S. Paio (Labruge) ou mesmo a Cividade de Bagunte -, ou as pontes de D. Zameiro (Macieira/Bagunte) e S. Miguel (Arcos).

As votações começaram no passado dia 3 e, na votação pela internet, o Mosteiro de Santa Clara vai já claramente à frente, com 38,5% dos 109 votos. A construção da igreja começou em 1318. Do lado Norte, situa-se a capela dos fundadores, do século XVI, com uma artística abóbada em pedra, onde se encontram os túmulos de D. Afonso Sanches e de D. Teresa Martins. A casa conventual que hoje se conhece não é a primitiva. É um edifício do século XVIII, cuja fachada sul, virada para o Rio Ave, é hoje um dos ex-libris de Vila do Conde.

De construção medieval, construída em pedra, a Ponte D. Zameiro liga, com os seus arcos, as freguesias de Macieira e Bagunte. Outrora, esta ponte sobre o Rio Ave fazia a ligação à estrada romana - a Via Veteris, que ligava o Porto a Barcelos e Esposende. Foi construído para transportar água desde Terroso (Póvoa de Varzim) até ao Mosteiro de Santa Clara. As obras decorreram entre 1704 e 1714, dirigidas por vários mestres, entre os quais Domingos Moreira da Maia, a quem se deve o chafariz do claustro do Convento. Recentemente a requalificação da envolvente do Aqueduto, da autoria do arquitecto Maia Gomes, recebeu o Prémio Nacional de Arquitectura "Alexandre Herculano".

É um dos grandes povoados da cultura castreja do noroeste peninsular, cuja ocupação, iniciada no século IV a.C., se prolongou até ao século IV d.C. Com cerca de 800 casas, na Cividade viveram de duas mil a quatro mil pessoas, numa área de 50 hectares. Classificada monumento nacional em 1910. Com a candidatura ao PIQTUR, pretende-se melhorar o espaço, para a Cividade cumprir os requisitos da UNESCO para ser classificada Património Mundial.

Na cidade Alfândega Régia, Aqueduto, capela de N.ª Senhora da Guia, capela de N.ª Senhora do Socorro, Forte de S. João Baptista, Mosteiro e igreja de Santa Clara, igreja e Cruzeiro da Misericórdia, igreja matriz, Palacete Melo, Paços do Concelho e Pelourinho.

No concelho, Ponte de S. Miguel de Arcos, igreja matriz de Azurara, Cividade de Bagunte, igreja e Mosteiro de S. Simão da Junqueira, Castro de S. Paio (Labruge), Ponte D. Zameiro (Macieira), igreja românica de Rio Mau, Mosteiro de S. Bento e capela de S. João (Vairão)

A votação pode ser efectuada no Auditório, Centro de Juventude, Piscinas, Biblioteca, Posto de Turismo, nos vários museus ou através do site na Internet da autarquia, disponível em www.cm-viladoconde.pt.

Ana Trocado Marques

1 comentário:

jessica disse...

será que ainda niguem percebeu que vila do conde se encontra cada vez mais decadente e que de maravilhas não tem nada...