16/12/2007

Quem é o estúpido ? O Jornalista ou o Treinador ?


O Varzim perdeu hoje com o seu rival e vizinho por 1 - 0.


Uma partida emotiva, mas sem grandes oportunidades de golo para ambos os lados; ganhou o mais feliz, numa falha defensiva do Varzim, embora o resultado mais justo fosse em minha opinião o empate; Mas o que me leva a escrever sobre a derrota do Varzim foi a desilegância e a falta de encaixe de Diamantino Miranda; a sobranceria, como reagiu a uma pergunta de um jornalista, raiando o insulto só demonstra a sua qualidade de homem. Se não tem poder de encaixe tem uma solução...não apareça nas conferencias de imprensa, e mande como tem feito elementos da sua equipa técnica; mas como Diamantino Miranda não tem vergonha continuará a chular os sócios varzinistas e esperar que seja mandado embora para receber a indemnização, apesar do Presidente Lopes de Castro lhe ter dado tolerância zero. Resta saber se o Presidente lhe vai aparar os golpes...Já agora acho que os jornalistas deveriam deixa-lo a falar sozinho sempre que Diamantino Miranda aparecesse na sala de imprensa; assim insultava-se a si próprio.

Pesquisa mostra divisão da opinião pública mundial sobre a liberdade de imprensa e a informação

Postado por Carlos Castilho


Ao contrário do que muitos esperavam, não há uma unanimidade mundial sobre a importância da liberdade de imprensa, como indica uma consulta feita pela rede pública de televisão da Inglaterra, a BBC, a 11.344 pessoas em 14 países.

Os resultados da consulta mostram uma aguda divisão de opiniões entre quem mora em países ricos e os habitantes das chamadas nações em desenvolvimento. O que mais chama a atenção é o facto da maioria dos latino-americanos, africanos e os residentes em países pobres da Ásia acharem que a justiça social e a paz podem justificar limitações na liberdade de imprensa.

São duas perspectivas diferentes e que resultam de duas realidades igualmente distintas. Enquanto os entrevistados nos Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha, bem como na África do Sul, Venezuela e Quênia, 60% dos entrevistados priorizaram a questão da imprensa livre, a pesquisa na Rússia, Singapura e Índia, destacou a preocupação dos consultados com a ordem e o controle estatal.




(Tradução do quadro publicado no site da BBC World Service


título IMPORTÂNCIA DA LIBERDADE DE IMPRENSA


Codificação: Vermelho - a liberdade de imprensa é muito importante para garantir uma sociedade justa.


Azul - A estabilidade social e a paz são mais importantes, assim, algumas vezes, os controles podem ser necessários.


Laranja - Não sei)

A diversidade regional e cultural dos países envolvidos na pesquisa não esclarece a dúvida entre liberdade de imprensa e liberdade de informação, já que as duas não são sinônimos. Uma está ligada a uma atividade comercial enquanto a outra vincula-se a um direito humano.

Mas isto não impede que se veja os resultados por uma outra óptica, não menos relevante. A pesquisa dá a entender que 40% dos entrevistados ainda não estariam considerando a informação como um elemento essencial em suas vidas.

Esta possibilidade é extremamente grave porque na era da informação, quem tem mais, cresce mais rápido, o que pode levar a um modelo de desigualdade ainda pior do que o existente actualmente.

A informação é uma matéria prima curiosa. Quanto mais circular entre pessoas e for recombinada com mais intensidade, maior será a sua valorização, ao contrário de todas as demais matérias primas, que tendem a se esgotar.

Os países pobres tem uma inesgotável e incomensurável reserva de informações não processadas e que são essenciais para o mundo rico. Tudo hoje embute algum conteúdo informativo, até mesmo as plantas da Amazônia, que estão sendo levadas para fora do país para que cientistas retirem delas os códigos genéticos indispensáveis à síntese de novos medicamentos.

Mas como os habitantes do terceiro mundo ainda não tomaram consciência da importância da informação, ela está sendo dada em troca de espelhinhos, como na chegada dos portugueses ao Brasil, há 500 anos.

A pesquisa da BBC indica que a liberdade de imprensa é mais valorizada por norte-americanos, ingleses e alemães que são também os que criticam com mais intensidade da mídia em seus respectivos países. Os alemães são os leitores mais exigentes, pois apenas 18% deles consideraram confiáveis as informações publicadas pela imprensa local.

Os brasileiros entrevistados pelas empresas GlobeScan e Synovate, contratadas pela BBC, encontram-se na companhia de norte-americanos e ingleses na crítica à influência que os donos de empresas jornalísticas exercem sobre as informações publicadas na imprensa de seus respectivos países.

Metade do público brasileiro está mais preocupado com a liberdade de imprensa enquanto a outra metade admite que o Estado pode interferir nas empresas jornalísticas para garantir a paz e a estabilidade social.

A pesquisa da BBC tem enormes limitações, mas pode ser vista como a ponta de um iceberg, pois os dados, mesmo parciais, indicam que o público parece não estar assumindo o mesmo discurso das empresas jornalísticas em matéria de liberdade da imprensa.

Correção do texto
Mudei a redação do décimo parágrafo do texto, atendendo à observações de um leitor. A versão antiga era a seguinte: "A pesquisa da BBC mostra também outros paradoxos sobre a liberdade de imprensa. Os norte-americanos, ingleses e alemães são os que mais valorizam a liberdade de informação, mas por outro lado são os que mais criticam a imprensa de seus respectivos países" .

No tocante a Portugal não há informação sobre este estudo.

15/12/2007

Só um terço dos deficientes ou incapazes têm apoios do sistema de reabilitação



Um estudo do ISCTE revela que a maioria dos 820 mil portadores de deficiências ou incapacidades não encontra apoio no sistema de reabilitação, uma situação que se agrava em relação aos mais velhos. O estudo envolveu mais de 15 mil pessoas desde 2005 e sugere mudanças no modelo de apoio aos cidadãos portadores de deficiência. Os dados recolhidos por este estudo foram divulgados esta quinta-feira numa conferência realizada no ISCTE. A coordenação foi feita pelo Centro de Reabilitação Profissional de Gaia (CRPG), que traça um retrato social da Deficiência e Incapacidade. Serão ao todo 820 mil cidadãos, dos quais cerca de 68% são mulheres. Mas os apoios não são distribuídos da mesma maneira, já que da minoria que é apoiada pelo sistema, as mulheres representam 60%. Uma situação que representa uma "dupla discriminação" na opinião do coordenador do CRPG, Jerónimo Sousa."Há uma discriminação social evidente e humilhante, perante as desigualdades ligadas à deficiência", diz o coordenador do CRPG, verificando que 78% dos 820 mil cidadãos afectados são analfabetos ou têm o 1º ciclo do ensino básico e que cerca de metade vive em agregados familiares com rendimento mensal abaixo dos 600 euros (dos quais metade não chega aos 400 euros/mês). E o mais grave, na opinião de Jerónimo Sousa, é que "96% destas pessoas raramente sentem a discriminação". O presidente da Associação Portuguesa de Deficientes saudou a realização deste estudo, que no seu entender veio confirmar a razão das denúncias que a APD tem feito ao longo dos anos. Humberto Santos manifestou-se esperançado que o estudo sirva de "ferramenta de trabalho para implementar políticas de reabilitação" no futuro. A média etária das pessoas com deficiência e incapacidade é de 58 anos. Esta situação tem reflexos ao nível do apoio dos programas e serviços de reabilitação, que não chegam à esmagadora maioria dos que dele precisam. O responsável pelo CRPG diz que a intervenção do Estado está muito focada na juventude e transição para a idade adulta, ao passo que as deficiências "têm sido cada vez mais frequentes ao longo da vida, como acontece com as doenças crónicas". O alargamento do apoio a este grupo social é uma das mudanças que propõe o coordenador do estudo. Ontem foi apresentada uma proposta de 75 medidas a aplicar até 2025 para uma nova política de reabilitação por parte da Fundação ISCTE, presidida por Paulo Pedroso.

11/12/2007

E CORAGEM PARA IR ATÉ AO FUNDO DA QUESTÃO?

Com a devida vénia do Veloluso







Duas notícias, em dois dias consecutivos, com a segunda a parecer um simples decalque da primeira: o Vitória-ASC ficou pelo caminho…O meu grande – e fiável – amigo António da Silva Campos já há muito me tinha dito que, nos moldes em que a equipa funcionou esta temporada não estaria disponível para continuar a investir no Ciclismo. A sua empresa agarrou na sub-23 do Guilhabréu há uma meia dúzia de anos e, com Sérgio Paulinho como figura de proa, trilhou o caminho na direcção da profissionalização. Investiu muito. Para os mais esquecidos, lembro aqui que, a então equipa de Vila do Conde venceu por dois anos consecutivos uma das mais importantes provas do calendário espanhol para Elites, o Circuito Montanhês, na Cantábria. Da freguesia de Guilhabreu – através do seu clube mais representativo – arriscou e apostou mais alto. E apareceu o Clube de Ciclismo de Vila do Conde. E logo a seguir, a profissionalização da equipa. A camisola amarela na Volta a Portugal, com o Victoriano Fernandez, em 2003, depois de uma chegada a Castelo Branco (2 dias); depois, outra vez a liderança da Volta, em 2004, com o Cláudio Faria (1 dia), numa chegada a Viseu, e a vitória na primeira etapa da Volta a Portugal de 2005, com o colombiano Jeobany Chacón que levou a Camisola Amarela até ao Fundão, ao quarto dia, quando Vladimir Efimkin a conquistou para não mais a despir, mantiveram a equipa da ASC no noticiário do ciclismo luso durante três épocas consecutivas.


Quantas equipas portuguesas podem disto fazer bandeira nos últimos cinco anos? Eu sei!... Nenhuma! Mas, e ainda assim, a ASC, do António da Silva Campos, viu-se e desejou-se para conseguir um parceiro suficientemente forte de forma a poder continuar no Grande Pelotão. E encontrou, há dois anos, o Vitória Sport Clube, de Guimarães.
Mas, e tanto quanto julgo saber, as coisas sempre funcionaram mais num sentido que no outro. Descodificando… o Vitória ganhou visibilidade, a ASC perdeu dinheiro. Mas, e porque é uma questão inultrapassável, recuemos até 2000. Quem é que andou de amarelo nas primeiras sete etapas da Volta? Um espanhol completamente desconhecido chamado Miguel Manteiga, então ao serviço do Paredes! E quem era o director-desportivo do Paredes então? E quem era o director-desportivo da ASC (com os diferentes parceiros) quando a equipa de Vila do Conde andou de amarelo na Volta a Portugal? Pois!...a equipa de Vila do Conde/ou Guimarães, parecia ter herdado a malapata do “velho” Tavira que, durante uma década bem medida sempre nos apareceu na corda-bamba. Sai ou não sai? Sempre o Zé Marques conseguiu, de uma forma ou outra, arranjar os meios necessários para que a turma algarvia não tivesse deixado de estar entre os grandes. Mesmo que tenha havido um ano em que apareceu como amadora, num pelotão de profissionais. Era ele, e só ele, quem tentava, de todas as formas possíveis, encontrar uma solução para a equipa. Três meses – disse-me ele, aqui há uns dias quando falámos –, três meses a correr de porta em porta a apresentar o projecto em que acreditava. Só ele acreditava, é a conclusão a que chego agora.



O António da Silva Campos já decidira que, sem outro parceiro que “entrasse”, pelo menos, com tanto quanto ele investia, deixava cair o projecto. Ciente de que estavam em causa mais de dezena e meia de famílias, cujo sustento vinha apenas da equipa de ciclismo, o Zé Augusto não desistiu. E todas as semanas, três ou quatro vezes por semana, lá conseguia entregar o seu “dossier” a algum potencial investidor. Depois… era aguardar. No sábado, um jornal desportivo escrevia que o Vitória-ASC acabava. Ontem, domingo, outro jornal desportivo “copiava” quase ipsis verbis a notícia que o outro publicara. Nenhum deles, aparentemente – o que escreveu a notícia no domingo, de certeza que não, até pelo próprio texto da notícia –, sabia nem fez nada para saber que AQUELE DIRECTOR-DESPORTIVO de que falei lá atrás… já estava no desemprego antes do anúncio do fim da equipa. ANTES – atenção que isto é importante – ANTES de deitarem a toalha ao chão e virem publicamente reconhecer que a equipa não vai poder sair (ainda não consegui falar com o António da Silva Campos, atenção…) em 2008, os directores do Vitória de Guimarães já tinham descartado o anterior DD e colocado outro no seu lugar. Quem? O Paulo Barroso, que ainda o ano passado era corredor da equipa. Ao, a partir dessa decisão, ex-DD, foi-lhe proposto o lugar de… massagista!
Mas fica uma pergunta no ar...
... a associação (fraudulenta e desonesta) na Comunicação Social (todos sabem do que estou a falar...) da imagem da equipa a problemas com o doping - que a mesma não justificava - quanto terá pesado para o facto de não ter conseguido um co-patrocinador que a mantivesse no pelotão?
E quantas cabeças se dobrão, hoje, reconhecendo o mal que fizeram?