15/12/2007

Só um terço dos deficientes ou incapazes têm apoios do sistema de reabilitação



Um estudo do ISCTE revela que a maioria dos 820 mil portadores de deficiências ou incapacidades não encontra apoio no sistema de reabilitação, uma situação que se agrava em relação aos mais velhos. O estudo envolveu mais de 15 mil pessoas desde 2005 e sugere mudanças no modelo de apoio aos cidadãos portadores de deficiência. Os dados recolhidos por este estudo foram divulgados esta quinta-feira numa conferência realizada no ISCTE. A coordenação foi feita pelo Centro de Reabilitação Profissional de Gaia (CRPG), que traça um retrato social da Deficiência e Incapacidade. Serão ao todo 820 mil cidadãos, dos quais cerca de 68% são mulheres. Mas os apoios não são distribuídos da mesma maneira, já que da minoria que é apoiada pelo sistema, as mulheres representam 60%. Uma situação que representa uma "dupla discriminação" na opinião do coordenador do CRPG, Jerónimo Sousa."Há uma discriminação social evidente e humilhante, perante as desigualdades ligadas à deficiência", diz o coordenador do CRPG, verificando que 78% dos 820 mil cidadãos afectados são analfabetos ou têm o 1º ciclo do ensino básico e que cerca de metade vive em agregados familiares com rendimento mensal abaixo dos 600 euros (dos quais metade não chega aos 400 euros/mês). E o mais grave, na opinião de Jerónimo Sousa, é que "96% destas pessoas raramente sentem a discriminação". O presidente da Associação Portuguesa de Deficientes saudou a realização deste estudo, que no seu entender veio confirmar a razão das denúncias que a APD tem feito ao longo dos anos. Humberto Santos manifestou-se esperançado que o estudo sirva de "ferramenta de trabalho para implementar políticas de reabilitação" no futuro. A média etária das pessoas com deficiência e incapacidade é de 58 anos. Esta situação tem reflexos ao nível do apoio dos programas e serviços de reabilitação, que não chegam à esmagadora maioria dos que dele precisam. O responsável pelo CRPG diz que a intervenção do Estado está muito focada na juventude e transição para a idade adulta, ao passo que as deficiências "têm sido cada vez mais frequentes ao longo da vida, como acontece com as doenças crónicas". O alargamento do apoio a este grupo social é uma das mudanças que propõe o coordenador do estudo. Ontem foi apresentada uma proposta de 75 medidas a aplicar até 2025 para uma nova política de reabilitação por parte da Fundação ISCTE, presidida por Paulo Pedroso.

Sem comentários: