30/04/2008

Rui Costa vence em Itália



O póveiro Rui Costa é cada vez mais um ciclista a ter em conta. O ciclista português venceu hoje a quarta etapa do Giro delle Regioni, que terminava em subida, e ascendeu ao segundo lugar da classificação geral, a 51 segundos de Vitalu Buts (Ucrânia). Vítor Rodrigues foi nono classificado e subiu para o sétimo posto da geral.

O final em subida da etapa de hoje deixava antever que seriam feitas diferenças de tempo e as previsões confirmaram-se, com Rui Costa a impor-se num pequeno grupo de ciclistas. O pelotão chegou bastante fragmentado e nele vinha ainda Vítor Rodrigues, que ficou a 17 segundos de Rui Costa, com os restantes portugueses a chegarem em grupos secundários que se formaram no constante sobe e desce do percurso.

Esta vitória valeu a Rui Costa a ascensão ao segundo posto da classificação geral, quando faltam cumprir duas etapas, onde o português terá que recuperar 51 segundos para repetir o triunfo alcançado no Giro delle Regioni de 2007.


Classificação da etapa

Ciclista Equipa Tempo
1 Rui Costa Portugal 4:04:23
2 Kristjan Koren Eslovénia mt
3 Vitaly Buts Ucrânia mt
4 Rasmus Guldhammer Dinamarca mt
5 Gianluca Brambilla Itália A mt
...
9 Vítor Rodrigues Portugal + 0.17

49 Henrique Casimiro Portugal + 8.43
62 Samuel Coelho Portugal + 15.55
78 César Fonte Portugal mt

Classificação Geral

Ciclista Equipa Tempo
1 Vitaly Buts Ucrânia 15:09:19
2 Rui Costa Portugal + 0.51
3 Kristjan Koren Eslovénia + 1.04
4 Simon Geschke Alemanha + 1.18
5 Rasmus Guldhammer Dinamarca + 1.21

...
7 Vítor Rodrigues Portugal + 1.25
58 César Fonte Portugal + 31.24
70 Samuel Coelho Portugal + 41.00
77 Henrique Casimiro Portugal + 49.11

Viva o 1º de maio

29/04/2008

Cons. de Justiça da FPF confirma subtracção de seis pontos ao Belenenses



O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) manteve hoje a sentença da Comissão Disciplinar da Liga de subtrair ao Belenenses seis pontos no campeonato pela utilização irregular do camaronês Meyong. O órgão disciplinar da FPF, após reunião de mais de quatro horas, julgou improcedente o recurso apresentado pelo Belenenses, confirmando a penalização de uma derrota (3-0) na recepção à Naval 1º de Maio, da 16ª jornada da Liga, e a perda de três pontos pela infracção cometida. O Belenenses alegou que cumpriu todos os trâmites na inscrição de Meyong e que a Liga e a FPF licenciaram o jogador, qualificando-o para actuar no primeiro jogo da segunda volta do campeonato, mas os sete juristas do Conselho de Justiça da FPF deram por provada a utilização irregular do camaronês. Com a deliberação, para a qual não existe recurso na esfera desportiva portuguesa, o Belenenses, que somava 42 pontos, cede a quinta posição da Liga ao Vitória de Setúbal e é relegado para o nono posto, com 36 pontos. À Naval 1º de Maio, que domingo garantiu em Leiria a manutenção no escalão principal, é atribuída a vitória na deslocação ao Restelo para defrontar o Belenenses, o que permite aos navalistas abandonar a 13ª posição, com 30 pontos, para ascender ao 10º posto, com 33 pontos. O castigo imposto ao Belenenses e a Meyong, penalizado com um jogo de suspensão, foi aplicado a 03 de Março, depois da queixa apresentada pela Naval 1º de Maio por o camaronês ter actuado em três clubes numa temporada, o que contraria o regulamento de competições da Liga e as normas da FIFA e da UEFA. Na presente temporada, Meyong foi utilizado pelo Levante, onde actuou somente 12 minutos, na primeira jornada da Liga espanhola, após o qual foi emprestado até Dezembro aos também espanhóis do Albacete. Em Janeiro, por empréstimo do Levante, Meyong voltou ao Belenenses, clube que representou em 2005/06 e pelo qual se sagrou o melhor marcador da Liga portuguesa. No entanto, no passaporte remetido pela federação espanhola à FPF, não constava a inscrição do atleta pelo Levante - apenas se regista a utilização pelo Albacete -, o que serviu de argumento ao Belenenses no recurso hoje indeferido. A 13 de Janeiro, Meyong foi suplente utilizado no jogo da 16ª jornada da Liga com a Naval 1º de Maio, entrando aos 54 minutos, altura em que se registava um empate a um golo. Aos 76 minutos, o avançado camaronês converteu a grande penalidade que deu a vitória (2-1) ao Belenenses, hoje retirada definitivamente ao clube lisboeta.

Um caso que ainda vai por erto fazer correr muita tinta...

Como ficam a Liga e a Federação, depois de aceitarem a inscrição do jogador sabendo que ele já alinhara por tres clubes ?

Quando o mar bate na rocha quem se lixa é sempre o mexilhão....

Exonerada e... nomeada no mesmo dia para outro tacho



Assim é que é trabalhar com eficiência…
No mesmo dia é exonerada, a seu pedido, e nomeada para um cargo (ou o mesmo?), mais bem remunerado…. (vejam bem as datas!) Assim se contorna a progressão na carreira.
Do Diário da República (2 Série) do passado dia 15 de Abril...















Só uma perguntinha: este Sr. não é o mesmo " policia " do Partido Socialista contra a corrupção ?

28/04/2008

BARRIL CHEGA AOS US$118, MAS GOVERNO FINANCIA FÓRMULA 1

Dia 22 a cotação WTI do barril do petróleo atingiu os 118 dólares. Por sua vez, a cotação do Brent no mesmo dia atingiu um máximo de US$116,67. Pois é nestas alturas que o governo Sócrates resolve gastar 2 milhões de euros do dinheiro dos contribuintes para subsidiar, a fundo perdido, um corredor de Fórmula 1. É o que se chama um subsídio errado, num momento errado e a transmitir a mensagem errada de gastar ainda mais petróleo, No entanto, o secretário de Estado que o concedeu classifica tal desperdício de dinheiros públicos como "acto normal" . A centralidade do Pico Petrolífero não é uma questão de somenos importância. O novo Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética , agora anunciado pelo governo Sócrates, não corresponde de forma alguma à magnitude dos problemas que terão de ser enfrentados nos anos pós-Pico. Não é com as medidas triviais preconizadas nesse plano, como substituição de lâmpadas de filamento por lâmpadas económicas e quejandas, que se resolverão os graves problemas energéticos portugueses – em particular no sector dos transportes. Seria aconselhável que os responsáveis pela energia neste governo estudassem o Paradoxo de Jevons a fim de entender porque aumentos de eficiência energética conduzem a aumentos do consumo total de energia.

24/04/2008

Petição em Defesa da Reserva Ecológica Nacional


Assina e Divulga a Petição em Defesa da Reserva Ecológica Nacional: http://www.petitiononline.com/ren2008/petition.html
-----------------
PETIÇÃOA Reserva Ecológica Nacional (REN) tem sido considerada um instrumento fundamental no Ordenamento do Território, pelo seu papel na regulação do uso de áreas de elevada sensibilidade do ponto de vista ambiental, fundamentais para o equilíbrio do território e para a segurança de pessoas e bens.As recentes inundações na área da Grande Lisboa fizeram mostrar, mais uma vez, que o respeito pelo espírito da REN teria evitado perdas humanas e enormes prejuízos materiais.Ainda assim, a legislação que define o regime jurídico da REN procura contribuir de forma decisiva para a salvaguarda da paisagem natural do país e para a limitação da construção em áreas do território de grande relevância ecológica, protegendo zonas envolventes das linhas de água, orlas costeiras, estuários e zonas húmidas, áreas de recarga de aquíferos e de prevenção de riscos naturais.Pelo seu sentido de património nacional, este instrumento da política de ordenamento do território é vital para a protecção dos valores ambientais e deve manter-se sob responsabilidade do Ministério do Ambiente ou das suas instituições desconcentradas. O diploma que o Governo já anunciou pretender aprovar para revisão do regime jurídico da REN, confere competências para a sua delimitação aos Municípios, o que proporciona incompatibilidades, por ser conhecida a dependência dos Municípios e dos orçamentos municipais da necessidade de aprovar novos empreendimentos de cariz edificado.Os signatários da presente Petição solicitam ao Senhor Presidente da República a sua intervenção para que seja rejeitada a municipalização da REN e para que qualquer revisão do regime jurídico da REN seja feita com base num prévio e amplo debate público, incompatível com o projecto de Decreto-Lei que aguarda aprovação pelo Governo.Os Promotores
Abel Cunha – Ambientalista, cronista.
Ana Pires – Geógrafa, presidente da Pró-Urbe.
Aníbal Ramos – Inspector de ambiente.
António Eloy – Docente universitário, consultor formador em energia e ambiente.
Carlos Nunes da Costa – Professor universitário, presidente do Geota.
Cláudio Torres – Arqueólogo, Prémio Pessoa, responsável do Campo Arqueológico de Mértola.
David Ferreira – Gestor.
Duarte Mata – Arquitecto paisagista; ambientalista.
Gonçalo Ribeiro Telles – Professor universitário; arquitecto paisagista.
Helena Roseta – Arquitecta, vereadora CML.
João Reis Gomes – Arquitecto paisagista, ex-técnico do ICN e do Inag.
José Manuel Pureza – Docente universitário.
Manuela Raposo Magalhães – Professora universitária, arquitecta paisagista.
Maria da Graça Azevedo de Brito – Professora universitária
Marisa Matias – Professora universitária, dirigente da Pró-Urbe.
Miguel Oliveira e Silva – Docente universitário, ambientalista, presidente da Associação Cegonha.
Nelson Peralta – Docente universitário, biólogo.
Paula Tavares – Bióloga, investigadora.
Paulo de Sá Caetano – Professor universitário.
Pedro Lourenço, Engº de ambiente.
Pedro Quartim Graça – Deputado, dirigente do MPT.
Pedro Soares – Docente universitário, geógrafo.
Rita Calvário – Eng.ª agrónoma.
Sónia Borges Coelho – Jurista, ambientalista.

22/04/2008

CGA - 288 novas reformas douradas registadas em 2007


Mais pensões milionárias
A tendência de crescimento do número de beneficiários da Caixa Geral de Aposentações (CGA) com pensões mensais superiores a quatro mil euros não pára de aumentar: entre 2006 e 2007 o universo de reformados com pensões douradas subiu, segundo o último relatório da CGA, de 3454 para 3742 indivíduos, um acréscimo de 8,3 por cento. Com a pensão dourada concedida a mais 288 aposentados, no ano passado houve em média quase um novo pensionista milionário por dia.
O universo destes pensionistas abrange, no essencial, políticos, magistrados, médicos e administradores de hospitais, professores universitários, diplomatas, militares, funcionários dos CTT e controladores de tráfego aéreo. Entre os novos reformados milionários contam-se personalidades tão conhecidas quanto Eduardo Catroga, ex-ministro das Finanças do Governo de Cavaco Silva e actual presidente da Sapec, Luís Filipe Pereira, ex-ministro da Saúde e actual presidente da Efacec, Garcia Leandro, tenente-general do Exército e actual presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, Manuel Braga da Cruz, actual reitor da Universidade Católica, Alberto João Jardim, presidente do governo Regional da Madeira.
O relatório da CGA referente a 2007 deixa claro que as reformas de valor superior a quatro mil euros têm um peso cada vez mais elevado nos gastos anuais com as pensões dos beneficiários da CGA: em 2007, numa despesa total de cerca de 7,2 mil milhões de euros com as reformas dos 402 665 reformados, os custos com as 3742 pensões douradas oscilaram entre um mínimo de cerca de 15 milhões de euros e um máximo na ordem de 20,5 milhões de euros.
A tendência dos primeiros cinco meses deste ano indica que o número de reformados com as pensões mais elevadas continuará a aumentar em 2008: de Janeiro a Maio registaram-se, segundo as listas mensais publicadas em Diário da República, mais 62 pensões com valores mensais superiores a quatro mil euros. Mais de metade delas diz respeito a médicos, administradores hospitalares e professores universitários.
Entre as 62 pensões douradas atribuídas em 2008, o valor mais alto foi concedido a um inspector-geral dos CTT: precisamente 8093 euros por mês. Há também uma reforma mensal de 6103 euros dada a um médico, outra de 5913 euros, atribuída a um diplomata, várias entre 5300 euros e 5834 euros concedidas a vários magistrados e até uma secretária da administração da Imprensa Nacional Casa da Moeda com 4556 euros.
Para abrandar esta tendência acelerada da subida das despesas com as pensões mais elevadas dos beneficiários da CGA, o Governo congelou em 2007 as actualizações nas reformas de valor superior a 2418 euros. Este ano voltou a adoptar a mesma política.
O aumento dos pensionistas milionários ocorre numa altura em que o valor médio mensal das pensões na Administração Pública apresenta uma tendência para decrescer: em 2007, segundo o relatório da CGA, o montante médio mensal das novas pensões de aposentação e reforma ascendeu a 1297 euros, um decréscimo de 0,9 por cento face aos 1308 euros registados no ano anterior. l
Os funcionários públicos estão a revelar este ano uma forte vontade em recorrer à reforma antecipada. Desde que entrou em vigor, a 20 de Fevereiro, a Lei 11/2008, que altera as condições de aposentação voluntária não antecipada sem penalizações e aposentação antecipada com uma penalização de 4,5 por cento por ano, cerca de mil trabalhadores do Estado solicitaram por dia à CGA simulações do valor da pensão.
A concretizar-se a reforma antecipada de todos os pedidos de simulação de pensões, em apenas dois meses poderão aposentar--se mais do dobro dos 19 087 empregados do Estado que se reformaram em 2007. No ano passado aposentaram-se 19 087 funcionários do Estado, o número mais baixo dos últimos cinco anos. Para esta redução contribui a quebra do número de pedidos de reforma.
8093 euros foi o valor mais alto da pensão atribuída já este ano pela CGA ao inspector-geral dos CTT Francisco Viegas. Nos últimos anos foram atribuídas inúmeras reformas superiores a cinco mil euros.
1168 euros foi o valor médio do total das pensões de aposentação da CGA em 2007. Já o valor médio das pensões atribuídas, em 2007 foi de 1297 euros.
Justiça é o sector com maior número de reformas com os valores mais elevados: entre 4500 e 6 mil euros/mês.
Saúde e Educação Os administradores dos hospitais e os professores universitários têm pensões de 4100 e cinco mil euros.
Universo maior Na CGA há 72 480 pessoas com pensões entre mil e 1500 euros.
Na Segurança Geral há 700 mil pensões com o valor mínimo de 240 euros/mês. Na CGA, 34 560 têm pensões de 215 a 250 euros.

Liberty Seguros e LA-MSS na Vuelta Ciclista a La Rioja



A Liberty Seguros e a LA-MSS já estão de partida para Espanha, para a participação na XLVIII Vuelta Ciclista a La Rioja, competição que se inicia no próximo dia 25 de Abril.
Etapa 1- 25 Abril

Etapa 2 - 26 Abril

Etapa 3 - 27 Abril


EQUIPAS PARTICIPANTES NA XLVIII VUELTA CICLISTA A LA RIOJA
CAISSE D'EPARGNE
(GCE)
BOUYGES TELECOM
(BTL)
ANDALUCIA - CAJASUR
(ACA)
EXTREMADURA
(SPI)
KARPIN GALICIA
(KGZ)
CONTENTPOLIS-MURCIA
(GNM)
ACQUA & SAPONE - CAFFE MOKAMBO
(ASA)
SERRAMENTI PVC DIQUIGIOVANNI - ANDRONI GIOCATTOLI
(SDA)
ORBEA - OREKA, S.D.A.
(ORB)
BURGOS MONUMENTAL
(VMC)
LIBERTY SEGUROS
(LSE)
LIBERTY SEGUROS
101. GIL PEREZ, Koldo102. URTASUN PEREZ, Pablo103. RIBEIRO, Nuno104. NOZAL VEGA, Carlos105. RODRIGUES, Vitor106. RODRIGUES, José107. QUITERIO, César Antunes108. SOUSA BARBOSA, Rui
Director Deportivo: Americo Silva

LA ALUMINIOS - MSS - POVOA
111. TONDO VOLPINI , Xavier112. VICIOSO ARCOS , Angel113. ZABALA GUTIERREZ , Constantino114. ROMERO OCAMPO, Pedro115. GARRIDO LIMA , José116. CARDOSO, Pedro117. CABREIRA, Joao118. PIRES, Bruno
Director Deportivo: Manuel Zeferino

20/04/2008

PRÉMIO FICOU EM CASA




Dificilmente haveria resultado que agradasse mais os poveiros que hoje assistiram à 14ª edição da Clássica da Primavera. O facto de o vencedor ser corredor da LA – MSS - Póvoa já era motivo de festa mas a isso juntou-se o facto de ser João Cabreira, jovem natural do concelho da Póvoa de Varzim, que sucede assim a Manuel Cardoso.


João Cabreira, da LA-MSS, deu o tom da festa poveira no final da 14ª edição da Clássica da Primavera - Troféu José Zeferino, hoje disputada na extensão de 157 quilómetros, num circuito em torno do Monte São Félix, na Póvoa de Varzim. Bruno Neves, seu colega de equipa, beneficiou da ausência de Manuel Cardoso, por opção técnica, para ascender ao comando da Taça de Portugal Elite.
Num dia de chuva e com a tradicional nortada poveira, Cabreira, natural da Aguçadoura, partiu para a corrida que preenche a sua rota habitual de treino com fortes expectativas, tendo em conta as selectivas características do percurso. No final revelou-se o mais forte de um grupo de quatro elementos que abordou de forma conjunta a Avenida dos Banhos, após uma derradeira ofensiva na penúltima das sete subidas ao Monte São Félix.
A vitória de Cabreira, vencedor da etapa da Srª da Graça, na Volta a Portugal, em 2006, foi acertada nos metros finais após um trabalho de preparação do sprint de Bruno Pires e do espanhol Angel Vicioso, ambos colegas de equipa, e que terminaram, respectivamente, na terceira e quarta posição. O segundo posto foi pertença de Sérgio Sousa (Madeinox-Boavista), o único resistente à hegemonia poveira claramente apostada em brilhar em "casa". No grupo principal, primeiro classificado foi Rui Costa (Benfica), que gastou com mais um 1m03s do que o vencedor, tendo-se antecipado a Bruno Neves (LA-MSS), sexto classificado e novo líder da Taça de Portugal Elite.
A corrida foi assinalada pela longa fuga empreendida por Tiago Machado (Madeinox-Boavista) ainda antes da primeira abordagem ao Monte São Félix. O campeão nacional de contra-relógio sub-23, rodou na companhia de Mário Costa (Benfica), numa escapada importante mas de parco proveito. A Machado, melhor português nas provas internacionais já disputadas em Portugal na presente época, a ambição passava pela vitória e coube-lhe somente o triunfo na montanha. Por sua vez, Mário Costa triunfou nas metas-volantes. A fuga do dia nunca chegou realmente a perigar o trabalho da LA-MSS, tendo claudicado na penúltima volta, após uma vantagem máxima conseguida em redor dos 2m30s.
Os quilómetros finais, já com a fuga vitoriosa a decorrer, foram protagonizados pela perseguição da Liberty Seguros, ainda que sem sucesso, permitindo a discussão a quatro nos metros finais da Clássica da Primavera. Colectivamente, a vitória pertenceu à LA-MSS. A próxima prova da Taça de Portugal Elite decorre a 11 de Maio, com a realização da “Clássica de Amarante”.



Entre os corredores presentes, referência para os poveiros Rui e Mário Costa, do Benfica, Bruno Lima, do Madeinoix-Boavista, e João Cabreira, da LA-MSS-Póvoa.


Mas refira-se o facto dos prémios deste ano terem baixado significativamente relativamente às anteriores edições da prova. Outro dado que merece reparo: os espectadores que assistiram á chegada mereciam um pouco mais de respeito por parte da organização: ninguém sabia quem ganhara a clássica, pelo simples facto de não hesistir amplificação sonora na meta instalada no Carvalhido; um erro de palmatória, e depois queixam-se de que os adeptos andam arredados do ciclismo...pudera com estas atitudes


Outro dado...O Estado a que chegou o nosso ciclismo...é a morte anunciada há já alguns anos

19/04/2008

Faleceu cónego Melo


O cónego Eduardo Melo Peixoto morreu hoje em Fátima aos 80 anos. Atingiu notoriedade no período mais conturbado do pós-25 de Abril de 1974 ao manifestar-se contra o movimento político comunista. Monsenhor Eduardo Melo Peixoto faleceu, poucos dias antes de presidir a um Congresso Internacional de Turismo Religioso, na Póvoa de Varzim, onde seria vendido o livro de memórias que acabara de publicar. O Cónego Melo foi encontrado, ao começo da manhã de hoje, sem vida no quarto onde pernoitava numa instituição católica em Fátima. Segundo fonte da Arquidiocese, o seu corpo será transladado, ainda hoje, para uma igreja da cidade, provavelmente para a Sé, onde será velado em câmara ardente. O Congresso de turismo religioso, organizado pela cooperativa Turel de Braga a que presidia, era, apenas, uma das inúmeras actividades em que continuou envolvido, desde que deixou o cargo de Deão do Cabido da Sé, no começo do século.

Acusado de envolvimento na morte do padre Max


Na década de 80 do século passado, num processo que se prolongou no tempo, viveu momentos difíceis com a acusação de que foi alvo, mas que sempre negou e nunca foi provada, de envolvimento na morte do padre Max, um sacerdote de extrema-esquerda de Vila Real, morto em 1976 em circunstâncias nunca esclarecidas. No processo judicial não foi sequer pronunciado para julgamento, em Vila Real, tendo os arguidos sido todos absolvidos no julgamento. A sua actividade recente passava, nomeadamente, pela presidência da Confraria de Nossa Senhora do Sameiro, e da Irmandade de São Bento da Porta Aberta, pelos cursos de Cristandade, pelo ISAVE - Instituto Superior do Vale do Ave e pela presidência do Conselho Geral do Sporting de Braga. Considerado o padre mais influente e mediático da diocese de Braga, de que foi Vigário-geral e Deão do Cabido da Sé, foi alvo de dezenas de homenagens na cidade, a última das quais para comemorar os cinquenta anos de sacerdócio e que juntou mais de mil pessoas.

Luta contra o comunismo


Para além dos muros da "cidade dos Arcebispos", ficou conhecido no país, durante o chamado verão quente de 1975, por ter protagonizado a luta da Igreja de Braga contra a tentativa do PCP de implantar o comunismo em Portugal. Neste capítulo, terá tido ligações com o MDLP- Movimento Democrático de Libertação de Portugal, ligado ao então general António de Spínola, cujos membros terá escondido num seminário de Braga, onde foram apanhados pelo Copcon, um organismo do MFA, Movimento das Forças Armadas.
Filho de um industrial bracarense, Eduardo de Melo Peixoto nasceu na freguesia de São Lázaro, Braga, a 30 de Outubro de 1927. Entrou para o seminário de Nossa Senhora da Conceição em 1939, recebeu a ordenação sacerdotal a 08 de Julho de 1951 e cantou a sua Primeira Missa em S. Lázaro a 15 de Julho. Oito anos mais tarde, embarcou como capelão militar do Batalhão da Extremadura para a Índia portuguesa, donde regressou em 1961. Em 1968, matriculou-se na Faculdade de Direito Canónico de Salamanca, Espanha, onde se licenciou em 1971 e prestou provas de doutoramento em 1973 defendendo uma tese de História do Direito. Fundou dois lares para rapazes, Lar Beato Nuno, por onde passaram milhares de estudantes.
Pastoralmente, exerceu as mais variadas missões. Foi pároco em vários lugares, exerceu cargos em diversos organismos da Arquidiocese de Braga e em alguns de cariz civilista, como sucede com o Sporting Clube de Braga, onde teve a função de Presidente do Conselho Geral. Em 2002, o então vigário-geral da Arquidiocese de Braga e Deão apresentou a demissão do cargo ao Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, devido ao facto de ter atingido os 75 anos de idade. A sua saída da hierarquia da Arquidiocese seguiu-se a um período de alguma tensão com o Arcebispo por causa da colocação de uma estátua na rotunda de Monte de Arcos em Braga, proposta por um grupo de bracarenses. O prelado concordava com uma homenagem ao "Cónego" Melo, mas não com a colocação de uma estátua, embora respeitasse a decisão dos promotores.
Uma das suas últimas obras foi a da recuperação da Sé de Braga, na década de 1990, depois de ter organizado um congresso evocativo dos 900 anos da sagração daquele monumento, em 1989. Comendador de Ordem de Mérito, distinção concedida pelo Presidente da República, Mário Soares, era, ainda, Deão honorário de Santiago de Compostela. Eduardo Melo é ainda um dos poucos contemplados com a medalha de ouro da cidade de Braga.

Embora sendo figura polémica no meio bracarense e nacional o Cónego Eduardo Melo Peixoto foi também um dos homens da comunicação social bracarense, no caso era um dos sócios da extinta Radio e Televisão do Minho, a par de outros como João Gomes Oliveira, Candido Costa, entre outros. Marca de forma clara o pós 25 de Abril quer se goste ou não da sua acção.

18/04/2008

MAIS UMA

De Facto, já há algum tempo que estava para denunciar mais um acto de puro controlo politico da nossa praça. Tive, tenho de confessa-lo, alguma relutancia pelo facto de estar envolvido um camarada da esquerda; mas fico deveras preocupado com esta esquerda. E Como o nosso comanheiro PÓVOA ON LINE já o denunciou não posso de forma alguma calar o que me vai na alma...a CDU vendida a Macedo Vieira....


assim vai a nossa democracia na Póvoa...dirão alguns que bem....mas a forma controleira de Macedo Vieira nada fica atráz da do PCP

Liberty Seguros participa na prova da Póvoa do Varzim

14.ª Clássica da Primavera - Troféu José Zeferino
Liberty Seguros participa na prova da Póvoa do Varzim
A Liberty Seguros participa na 14.ª Clássica da Primavera - Troféu José Zeferino, que decorre a 20 de Abril na Póvoa do Varzim. A competição é composta por um percurso de 150 quilómetros. A prova decorre durante um dia e marca mais uma presença da equipa portuguesa nas competições nacionais. A presença da equipa portuguesa é assegurada pelos ciclistas Rui Sousa, Nuno Ribeiro, Filipe Cardoso, António Jesus, César Quitério, José Rodrigues, Hernâni Broco, Pablo Urtasun e Isidro Nozal. A 14.ª Clássica da Primavera decorre na Póvoa do Varzim, tem partida na Praça do Almada, no centro da cidade, num percurso de aproximadamente 150 quilómetros. Segundo Américo Silva, director desportivo equipa, "vamos apresentar uma equipa muito motivada que mais uma vez sai novamente com pretensões de mais uma vitória".

ULTIMA HORA


«Para mim, chega. Basta!»

Com esta e outras frases determinadas, Luís Filipe Menezes anunciou, esta quinta-feira, ao início da noite, que vai abandonar a líderança do PSD e não se recandidata às eleições directas, que ficam marcadas para 24 de Maio.
«Vou solicitar ao Conselho Nacional, que convoque directas para 24 de Maio».

Mas sem apresentar uma recandidatura: «Não estou na corrida», garantiu, numa declaração proferida após uma reunião da Comissão Política, no mesmo dia em que o ex-ministro da Justiça do PSD, Aguiar Branco, anunciou, numa entrevista na Visão, estar disponível para concorrer à direcção social-democrata.
«É chegada a hora para que os críticos avancem; não há desculpas», sublinhou o líder demissionário do PSD, culpando a oposição interna por esta decisão, mas também reconhecendo que não conseguiu vencer as «contrariedades»: Hoje reconheço que não consegui vencer. Assumo a inteira responsabilidade. Poderia continuar a tentar, e teria o apoio das bases. Mas para mim chega. Basta. A minha honra e dignidade não me permitem mais cedências».
Depois de em alguns minutos ter feito um balanço de seis meses à frente do PSD, Menezes garantiu estar farto de uma «oposição interna permanente, diária, pouco digna, nada corajosa, de dezenas de militantes que acham que têm uma grande visibilidade pública, mas que são completamente ignoradas pela população em geral».
«Como líder do PSD tenho a certeza que enfrento a maior campanha destrutiva de sempre», sublinhou, garantindo não estar seguro que esta atitude, de abandonar a liderança, resolva «os problemas do partido, porque o PSD está doente», plasmados nos «insultos pessoais», que «destruíam o PSD, desgastaram a sua imagem de partido alternativo».
«Eu nunca matei pelas costas»
Sem responder a perguntas dos jornalistas, Menezes apenas disse ter sido muito claro na sua declaração. E nesse discurso afirmou que não está na corrida, mas que continuará «como militante de base». Mas vai continuar na autarquia de Vila Nova de Gaia, onde gosta de estar. «Continuarei a cumprir o mandato em Gaia, onde sou muito estimado».
«Apareçam: não há nenhum motivo para desculpas»
O ainda líder do PSD desafiou os críticos a aparecerem: «Que tenham coragem. Não há nenhum motivo para desculpas. Está na altura de demonstrarem que são carismáticos, mobilizadores».
«A minha honra e dignidade não permitem continuar, nunca matei pelas costas»,
disse ainda, considerando que, em seis meses, fez renascer um «partido em estado comatoso, sem iniciativa política». «Estou farto, basta!».

LUIS FILEPE MENESES bateu com a porta. Apesar de não ser social democrata, sempre simpatizei com o discurso de LFM. Agora e para bem da democracia esero que os criticos se assumam e criem de forma clara uma alternativa a Socrates. Mas não como Macedo Vieira... que vende a alma ao diabo ara aparecer na fotografia.

16/04/2008

VOLTA 2008


Depois do Ciclismo Digital ter sido o primeiro órgão de comunicação social a noticiar as etapas da Volta a Portugal de 2007, desta vez é “O Norte Desportivo” que dá a conhecer em primeira mão as etapas da próxima Volta. A Torre, a Senhora da Graça e o contra-relógio do último dia são os grandes destaques do percurso.
Com saída de Portimão, a próxima Volta a Portugal terá na terceira etapa em linha o seu primeiro dia de grande importância para a classificação geral, com a chegada à Torre. Seguir-se-ão etapas de baixa e média dificuldade até ao penúltimo dia, com os ciclistas a chegarem à Senhora da Graça na véspera do contra-relógio decisivo, que se disputará entre Penafiel e Santa Quitéria.

Uma das novidades deste ano da Volta é o inicio da 8ª etapa na Póvoa de Varzim.

Independentemente dos beneficios ??? para a Póvoa não há necessidades mais prementes do que gastar-se cerca de 20 mil contos ou mais numa partida ? Sim porque não há equipas que se alojem aqui na Póvoa já que estarão por certo na zona de Santo Tirso por cerca de tres dias.
De acordo com “O Norte Desportivo”, o calendário da Volta a Portugal de 2008 será o seguinte:

13 de Agosto: Portimão – Portimão (prólogo)

14 de Agosto: Portimão - Beja

15 de Agosto: Vila Viçosa - Castelo Branco

16 de Agosto: Idanha-a-Nova - Torre

17 de Agosto: Guarda - Viseu

18 de Agosto: Descanso

19 de Agosto: Gouveia - São João da Madeira

20 de Agosto: Aveiro - Gondomar

21 de Agosto: Póvoa de Varzim - Santo Tirso

22 de Agosto: Barcelos - Fafe

23 de Agosto: Fafe - Senhora da Graça

24 de Agosto: Penafiel - Santa Quitéria (contra-relógio)

Diz a verdade diz... e vê o que te acontece


Dizer a verdade neste país á beira mar plantado, já não é possivel. No Prós e Contras emitido pela RTP 1, este electricista disse o que todos pensamos...TODOS OS QUE TÊM DIFICULDADES...todos os que são povo. E o povo está de tanga... A verdade valeu-lhe um processo disciplinar e despedimento... este miseravel paíz que tem á sua frente apenas MENTIROSOS, NÃO MERECE O POVO QUE TEM...como dizia o outro muda-se o povo...é a caminhar nesse sentido que infelizmente estamos...já tenho nojo destes governantes

13/04/2008

Alentejana, a vez de Hector Guerra

Terminada a 26ª Volta ao Alentejo, não faltam motivos para os ciclistas e os membros do staff da Liberty Seguros festejarem. Manuel Cardoso já tinha vencido a segunda etapa, Héctor Guerra venceu a terceira e hoje, em Évora, confirmou a vitória na classificação geral, com Cardoso a levar de vencida a última tirada.
À semelhança do que aconteceu no dia de ontem, a etapa de hoje da Volta ao Alentejo, a última, foi muito movimentada mas a Liberty Seguros, que tinha Héctor Guerra de amarelo, controlou a corrida e a vitória do espanhol esteve sempre a salvo.
O final, junto ao Templo Romano de Évora, estava longe de ser fácil, com os últimos 300 metros a serem feitos em empedrado e em subida, o que favorecia os sprinters mais versáteis.
Manuel Cardoso (Liberty Seguros) lançou-se de longe e alcançou a terceira vitória em 8 dias e a quinta da temporada, com Francisco Ventoso (Andalucia-CajaSur) a ser segundo e Bruno Sancho (Benfica) terceiro.
Houve cortes de tempos no final mas não interferiram na classificação geral, onde Guerra, décimo na meta de hoje, foi o vencedor seguido de David Blanco (Palmeiras Resort-Tavira) e de Jackson Rodríguez (Serramenti PVC Diquigiovanni), respectivamente segundo e terceiro. Desta forma, Guerra é o 26º ciclista a vencer a Volta ao Alentejo, onde ainda ninguém conseguiu uma segunda vitória.
A classificação dos pontos foi vencida por David Blanco, que conquistou mais dois pontos que Ángel Vicioso (LA-MSS) e mais três do que Cardoso, os seus mais directos seguidores. Na classificação da montanha o melhor foi Carlos Ochoa (Serramenti PVC Diquigiovanni), com 14 pontos contra os 11 de Manuel Vázquez (Contentpolis-Murcia), que foi segundo, e Francisco José Martínez (Andalucia-CajaSur) impôs-se na classificação das metas volantes.
A LA-MSS conseguiu a vitória na classificação por equipas, com menos 39 segundos do que a segunda, Palmeiras-Resort Tavira.
Classificação da etapa

1 Manuel Cardoso Liberty Seguros 4:21:03
2Francisco Ventoso Andalucia-CajaSur mt
3Bruno Sancho Benfica mt
4David Blanco Palmeiras Resort-Tavira mt
5Rui Costa Benfica mt
6Ángel Vicioso LA-MSS - Póvoa mt
7Emiliano Donadello Ser. PVC Diquigiovanni mt
8Pedro Soeiro CC Loulé mt
9Nuno Marta CC Loulé mt
10Héctor Guerra Liberty Seguros mt

Classificação Geral
1Héctor Guerra Liberty Seguros 19:27:17
2David Blanco Palmeiras Resort-Tavira + 0.09
3Jackson Rodríguez Ser. PVC Diquigiovanni + 0.37
4Tiago Machado Madeinox-Boavista + 0.39
5Bruno Pires LA-MSS - Póvoa + 0.44
6Ángel Vicioso LA-MSS - Póvoa + 1.08
7Pedro Romero LA-MSS - Póvoa + 1.16
8Alejandro Marque Palmeiras Resort-Tavira + 1.33
9Celestino Pinho Barbot-Siper + 2.01
10Francesco Bellotti Team Barloworld + 2.11

11/04/2008

IGF questiona contratos com Rio Ave


A Inspecção-Geral de Finanças (IGF) considera que, em 2003 e 2004, a Câmara Municipal de Vila do Conde celebrou «contratos de publicidade que configuram verdadeiros patrocínios ao desporto profissional», ou seja, ao clube de futebol local, o Rio Ave.
Segundo a Lusa apurou hoje, os contratos totalizam 250 mil euros, montante que saiu dos cofres municipais para o Rio Ave nos dois anos referidos, período em que a equipa jogou na primeira divisão do futebol português.
A IGF apurou esta situação numa inspecção realizada ao município em 2005, tendo depois feito um relatório entretanto enviado ao Tribunal de Contas (TC), que por isso abriu um processo contra o município.
Os inspectores entendem que aqueles contratos são «factos susceptíveis de integrar eventuais infracções financeiras», sendo responsável o então vereador José Laranja, hoje deputado municipal pelo PS.
O «relato de verificação interna» produzido pelo TC sobre esta inspecção, com data de 14 de Janeiro de 2008 e a que a Agência Lusa teve hoje acesso, aponta também «pagamentos de despesas autorizados por membros da Câmara Municipal no uso de competências indelegáveis».

Contactado pela Agência Lusa, o presidente da autarquia, Mário de Almeida, desvalorizou as conclusões a que chegou a IGF e referiu que o processo «está na fase do contraditório».
O autarca delegou depois todos os esclarecimentos sobre o assunto para o director do Departamento Administrativo e Financeiro, Nuno Castro.
Este responsável disse à Lusa que contesta que os contratos assinados com o Rio Ave fossem patrocínios encapotados, designando-os antes por «serviços profissionais difusos», porque «beneficiaram a cidade e a sociedade vilacondense».
Nuno Castro afirma que «não foram em benefício do futebol profissional, mas de todas as equipas» do Rio Ave, incluindo as «mais jovens», bem como de outras modalidades, como o «futsal».
O responsável sustenta que a autarquia «espera o arquivamento» desta acusação«.

Em causa está a publicidade a Vila do Conde e a alguns dos seus produtos tradicionais mais conhecidos, como as rendas de bilros, tanto nas camisolas do Rio Ave como no estádio local.
Outra »eventual infracção financeira« denunciada pela IGF prende-se com a concessão de subsídios a colectividades, em 2003 e em 2004, que teria de ser sustentada por um contrato de desenvolvimento desportivo.
»Não concordamos com a IGF nesta matéria«, responde Nuno Castro.
O responsável afirma também que a interpretação do TC também difere da que a IGP apresenta.
»Para dar um subsídio a uma colectividade, mesmo de meia dúzia de euros, é preciso um programa de desenvolvimento desportivo. Nós achamos isto um absurdo«, afirma o autarca.
Neste caso, os subsídios atribuídos pela Câmara totalizam mais de 1,1 milhões de euros.

Nuno Castro explica que »o concelho tem mais de uma centena de colectividades«, admitindo depois que foram concedidos »um ou dois subsídios« superiores a 200 mil euros, sendo que estes, na sua óptica, justificam o tal programa.
O problema, na sua análise, é que há uma »dualidade de interpretações«. Como exemplo, afirma que o TC auditou as contas do município relativas a 2002 »e não concluiu por nenhuma ilicitude« neste campo.
»A Inspecção-Geral de Finanças não é dona de toda a verdade, O que está em causa aqui é um diferendo técnico-doutrinário«, defende o autarca.

10/04/2008

MAIS PROPAGANDA ELEITORAL


O primeiro-ministro, José Sócrates, anunciou esta quinta-feira, em Abrantes, investimentos de 33,3 milhões de euros destinados a 31 centros educativos da Região Centro.
A verba hoje anunciada, que abrange 23 câmaras e permite a construção de 173 novas salas de aulas, é comparticipada em 70 por cento pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), do qual Portugal recebe actualmente a última tranche.
Para José Sócrates o QREN significa “uma oportunidade decisiva para os próximos sete anos”, permitindo “alavancar a economia portuguesas, mas também para a melhoria do bem-estar social e a construção das novas escolas do futuro”.
Ladeado pela ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, e pelo ministro do Ambiente, Nunes Correia, o Chefe de Governo explicou que “estamos em Abrantes porque esta autarquia fez uma obra notabilíssima com o projecto municipal Mocho XXI, introduzindo computadores e internet em todas as salas de aula do 1º ciclo”.
José Sócrates considerou ainda que “esta é uma revolução que está a acontecer para acabar de vez com esta nódoa negra em termos de educação que comprometem o futuro do nosso país”.


Comentário:

- Há 1900 escolas no país. Dá uma média de 15.000 e tal € por escola. ESPECTACULAR!!! Dá para colocar as escolas no topo da Europa...- Isto é poeira para os olhos do povo cego. Já que se tem "malhado" tanto na Educação toca a usar a PROPAGANDA para ganhar pontos.- Vergonha.- Usem os 1.500.000.000€ do TGV + os 40% da derrapagem que já existe sem começar a obra para colocarem as nossas escolas no Século XX. No XXI já vai o resto da Europa!!!

09/04/2008

MAIS UM CASO NORMAL...SEGUNDO A MINISTRA

Um aluno da Escola EB 2/3 Augusto Moreno de Bragança empurrou uma professora alegadamente por causa de um telemóvel, tendo ambos sido transportados para o hospital depois de chamada a PSP e bombeiros, informa a agência Lusa.
O caso terá ocorrido durante uma aula de substituição à hora de almoço, com relatos a apontarem para a possibilidade de o aluno ter empurrado a professora, que caíu de costas, depois de esta lhe ter chamado várias vezes a atenção por alegadamente estar a ouvir música no telemóvel. A professora chamou o Conselho Executivo à sala da biblioteca, onde decorria a aula, e seguidamente foi solicitada a presença da polícia, que tomou conta da ocorrência.
Foram também chamados os bombeiros por volta das 12h57, de acordo com do Centro Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Bragança, que confirmou à Lusa ter registo da ocorrência como «uma queda».
Segundo as fontes da Lusa, o aluno de 15 anos terá sentido um mal-estar (desmaio), já na presença de todos os intervenientes, acabando por ser levado, assim como a professora, para a urgência do Hospital de Bragança. Ambos tiveram alta depois de observados e o aluno foi entregue aos cuidados da mãe, que foi chamada perante a situação.
A professora não formalizou queixa contra o aluno e não precisa fazê-lo, de acordo com a fonte policial. Por o jovem ser menor de 16 anos, «não pode ser criminalmente responsável», ou seja acusado e julgado judicialmente.
A PSP enviará a comunicação da ocorrência ao Ministério Público que encaminhará o caso para as instâncias competentes, nomeadamente o Tribunal de Menores.

08/04/2008

VAI ESTALAR A BRONCA


Questão de Reis, questão de MNE
Desde há meses que vimos acompanhando o bizarro envolvimento do MNE e do governo português na questão da sucessão do trono de Portugal ( virtual para a républica claro está).
A bronca estalou agora no MNE através do blogue http://notasverbais.blogspot.com/ que se especializou em questões da diplomacia e que vem denunciando o escandaloso caso em que funcionários desse mesmo ministério e o ex. ministro Freitas do Amaral são acusados da produção de documentos de conteúdo falso e atentatório das leis e Constituição vigentes.
O caso promete e tem todos os ingredientes para um bom escândalo:1º-Uma república de "monárquicos"2º-Uma disputa sobre a sucessão3º-Falsificação de conteúdo de documentos envolvendo um embaixador, um vice cônsul, um chefe de departamento jurídico e o ex. ministro4º-O roubo de um documento de estado publicado num livro e na Internet. 5º-Uma tentativa de assassinato politico e pessoal6º-Um silêncio perturbador7º-Processos judiciais
Vale a pena ler e acompanhar aquele que será sem dúvida o próximo escândalo deste governo e que é mais uma prova de como a ditadura anda por aí, mais descarada do que seria de supor.
Ler também http://www.reifazdeconta.com/fich/crimes_mne.pdf

07/04/2008

Estado não controla parcerias com privados no sector rodoviário


O Tribunal de Contas tornou público, na noite da passada Sexta-feira, o relatório da auditoria à Gestão das Parcerias Público Privadas - Concessões Rodoviárias.Neste relatório, o TC conclui que o Estado não controla as PPP, nem melhorou a "capacidade de monitorização e gestão" dos contratos por falta de meios adequados, uma crítica que o mesmo Tribunal já tinha feito em 2003.
As PPP no sector rodoviário têm dez anos. Entre 1999 e 2007, o Estado gastou com elas 1.000 milhões de euros e prevê gastar 17.000 milhões nos próximos vinte anos. No entanto, o Estado não controla as PPP, o TC diz que os "montantes de encargos com a contratação em PPP não têm sido objecto de estimativas fiáveis", "muitos dos contratos têm sido alvo de renegociações e de processos de reequilíbrio financeiro, logo nos primeiros anos de vigência e, muitas vezes, de forma repetida".
As concessões rodoviárias representam 83% do orçamento do Ministério das Obras Públicas, apesar desse peso o ministério desvaloriza sistematicamente as deficiências no controlo. A despreocupação com o controlo das PPP é tal que a Estradas de Portugal, empresa pública responsável pela sua gestão, nunca fez uma auditoria interna às concessões.
O lançamento e a gestão das PPP são feitos por bancos, consultores e advogados a que o Estado recorre, pois nem sequer tem meios humanos para tal. A Área de Coordenação da Estradas de Portugal tem apenas 14 técnicos e nenhum jurista.
O TC diz que "não pode deixar de se notar que a EP tem recorrido, ao longo dos últimos anos, a um conjunto restrito de empresas de consultoria". Esse número restrito de bancos, consultores e escritórios de advogados ganha com o processo de lançamento e gestão das PPP (cerca de 4,8 milhões de euros entre 1998 e 2007) e tem acumulado os saberes que o Estado nem sequer acumula na gestão das PPP. Mas a falta de controlo por parte do Estado favorece sobretudo as concessionárias, que ficam à vontade na gestão da concessão sem o devido controlo público.

06/04/2008

IV Troféu Sérgio Paulinho - Manuel Cardoso foi o mais forte



Manuel Cardoso foi o vencedor da quarta edição do Troféu Sérgio Paulinho, primeira prova da Taça de Portugal Elite, ontem disputado ao longo de 169,8 quilómetros em Oliveira do Bairro. O sprinter da Liberty Seguros somou a sua terceira vitória da época no cumprimento do percurso em 3h52m42s, à média de 43.378 km/h. Na chegada em pelotão, o natural de Paços de Ferreira deu sequência ao trabalho dos seus colegas de equipa alcançando um triunfo confortável sobre Bruno Neves (LA-MSS-Póvoa) e Francisco Pacheco (Barbot-Siper), respectivamente segundo e terceiro classificado.

A prova foi assinalada pela fuga de três corredores, empreendida logo após a partida de Oliveira do Bairro, na primeira das seis voltas do percurso, sem qualquer dificuldade montanhosa de relevo. Marco Cunha (Selecção Nacional Sub-23), Nélson Rocha (Madeinox-Boavista) e Celestino Pinho (Barbot-Siper) iniciaram uma ofensiva que chegaria a superar os oito minutos de vantagem antes da primeira reacção do pelotão, a cargo da LA-MSS-Póvoa. Entretanto, um quarteto intermédio - Paul Sneeboer (Palmeiras Resort-Tavira), Vergilio Santos (Fercase-R.Móveis), Luís Pinheiro (Madeinox-Boavista) e Nuno Marta (CC Loulé) - chegou a abeirar-se dos fugitivos, mas não a alcançá-los, tendo sido absorvido no final da quinta volta.

À entrada para a última das seis voltas a diferença dos escapados iniciais tinha já baixado de forma substancial permitindo antever, com relativa segurança, uma chegada ao sprint. O forcing da Liberty Seguros foi fundamental para anular a escapada, a cinco quilómetros da meta, e permitir o lançamento perfeito para o sprint de Manuel Cardoso, o primeiro líder da Taça de Portugal, e vencedor desta corrida em 2007, na sucessão de Cândido Barbosa (2005) e Danail Petrov (2006).

A Taça de Portugal (Elite), um conjunto de cinco provas, irá prosseguir no dia 20 de Abril, com a realização da Clássica da Primavera, na Póvoa de Varzim.

03/04/2008




ENTÃO E AGORA MAJOR ?

É MAIS UMA CABALA CONTRA O BOAVISTA E OS LOUREIROS ??

III ENCONTRO PELO SABOR



Entre os dias 25 e 27 de Abril vai decorrer o III Encontro "Pelo Rio Sabor" nos concelhos de Mogadouro, Alfândega da Fé e Torre de Moncorvo. Este Encontro tem reunido algumas centenas de pessoas que ano após ano têm vindo ao Nordeste conhecer o vale do Sabor e afirmar a sua posição em defesa de um rio livre. Durante o evento deste ano pretende-se dar a conhecer mais alguns recantos deste rio, através de passeios temáticos, caminhadas e palestras. Também não faltarão os passeios de burro, em btt e descida em canoa/kayak. Será uma óptima oportunidade para vir conhecer este rio, livre de barragens. Como se sabe, existe um projecto para a construção de uma mega-barragem na zona do Baixo Sabor, defendido pelo Governo e pelas autarquias locais. O Rio Sabor é o último grande rio sem barragens do nosso país e um dos últimos da Europa nestas condições, sendo por isso reconhecido por muitos, como o último grande rio "selvagem". De facto, este rio possui características únicas, que lhe permitem conservar uma importante comunidade de aves rupícolas ameaçadas e habitats de conservação prioritária a nível Europeu. Trata-se de uma área classificada como Rede Natura 2000 e Zona de Protecção Especial, segundo as Directivas Comunitárias, onde, por essas razões, não podem ser realizados empreendimentos causadores de grandes impactos ambientais. Face à decisão do Estado Português de aí construir uma barragem de grandes dimensões, que iria afectar 50 km de rio, a Plataforma Sabor Livre, apresentou uma queixa à Comissão Europeia, no sentido desta não aprovar a construção desta barragem e ainda de impedir o acesso a fundos comunitários para esse fim. Apesar de toda a argumentação defendida pela Plataforma Sabor Livre, as notícias parecem indicar que a Comissão Europeia pretende arquivar a queixa, dando luz verde ao Estado português para avançar com a obra. A Plataforma Sabor Livre, e todas as associações que a apoiam, não pretendem desistir e continuarão a trabalhar no sentido de impedir legalmente que a barragem seja construída. Não será uma "batalha" fácil, mas acreditamos que ainda seja possível ganhar, conservando-se o rio Sabor.
A tua participação será muito importante! Junta-te a nós na defesa do rio Sabor! Por um rio Sabor Livre! Vem conhecer e passear "pelo rio Sabor" nos próximos dias 25, 26 e 27 de Abril!

PROGRAMA:
Dia 25 – Sexta-feira

09h00 – Concentração em Soutelo junto ao cruzeiro (estrada de Macedo de Cavaleiros para Mogadouro, a 10 km de Mogadouro)

09h30 – Mata-bicho

10h30 – Início da caminhada pelo Vale do Sabor

13h00 – Almoço campestre junto ao rio Sabor

15h00 – Continuação da caminhada

20h30 – Jantar em Sto. Antão da Barca

22h00 – Arraial tradicional com gaiteiros

Nota: Os carros particulares ficarão em Soutelo e serão resgatados no final da caminhada.

Dia 26 - Sábado

9h30 – Alvorada e mata-bicho em Sto. Antão da Barca

10h30 – Actividades temáticas pelo Vale do Sabor

13h00 – Almoço campestre em Sto Antão da Barca

15h30 – Jogos populares

18h00 - Tertúlias e palestras sobre temas relacionados com o rio Sabor

20h30 – Jantar em Sto. Antão da Barca

22h00 – Arraial tradicional

Dia 27 - Domingo

9h30 – Alvorada e mata-bicho em Sto. Antão da Barca

10h30 – Actividades temáticas pelo Vale do Sabor

13h30 – Almoço campestre junto ao rio Sabor

16h00 – Fim de actividade

Nota:É aconselhável levar: Calçado confortável, binóculos, guias de campo, abrigo para a cabeça, água para beber

Contacto: saborlivre@gmail.com 960 173 863
Plataforma Sabor Livre

02/04/2008

Electricidade mais cara 41,4% do que em Espanha




Este artigo encontra-se em http://resistir.info/
por Eugénio Rosa


Já por diversas vezes denunciámos os lucros exagerados obtidos pela EDP à custa de preços muito superiores aos praticados em outros países da União Europeia, mesmo mais desenvolvidos e com remunerações muito mais elevadas, perante a passividade, para não dizer mesmo a conivência, do governo e da Autoridade da Concorrência. Finalmente, esta última decidiu levantar um processo para averiguar porque razão o preço da electricidade em Portugal é muito superior ao preço espanhol ( 41,4% ). Mas logo o ministro da Economia veio em defesa da EDP, desautorizando aquela entidade. Por isso, interessa esclarecer mais uma vez a forma como actua a EDP e como também obtém os elevados lucros que apresenta todos os anos. É o que se faz neste estudo utilizando apenas dados do Eurostat e da Direcção Geral de Energia e Geologia do Ministério da Economia. Qualquer pessoa sabe, por pouco que conheça de gestão empresarial, que os lucros de uma empresa são determinados pela diferença entre os proveitos que obtém pelo que vende e os custos que tem de suportar. E os preços que interessam são os chamados "preços à saída da fabrica", ou seja, os preços sem incluir os impostos, porque as receitas destes revertem para o Estado.
De acordo com os dados oficiais do Eurostat, o preço da electricidade em Portugal sem impostos era, em 2007, em média, superior em 21,1% ao preço médio comunitário.
Se a análise for feita por países a diferença, em relação a alguns deles, é ainda maior. Por exemplo, em 2007, o preço da electricidade em Portugal sem impostos era superior em 114,8% ao da Grécia; em 41,4% ao de Espanha; em 30,5% ao da Suécia; em 61,9% ao da Dinamarca, etc. Como consequência destes preços mais elevados, cerca de 250 milhões de euros dos 1120 milhões de euros de lucros líquidos obtidos pela EDP em 2007, tiveram como origem precisamente a diferença entre o preço praticado em Portugal, que é mais elevado, e o preço médio comunitário.
Só em 2007, os cerca 4.700.000 consumidores domésticos tiveram de pagar pela electricidade que consumiram, cada um deles, mais 53,31 euros do que pagariam se o preço da electricidade em Portugal, sem impostos, fosse igual ao preço médio comunitário.
Em 2007, o preço da electricidade em Portugal era, em média, ainda superior em 21,1% ao preço médio comunitário.
Apesar da crise que grassa no País e dos sacrifícios que os portugueses estão a suportar, utilizando dados do Eurostat, da própria EDP e da Direcção Geral de Geologia e Energia do Ministério da Economia estimamos que, só em 2007, a EDP tenha arrecado cerca de 1120 milhões de euros de lucros líquidos obtidos apenas por ter vendido a electricidade que produz 21% superior ao preço médio de electricidade praticado na União Europeia.

Governo ajuda Pedroso...contra o Estado? Que País é este ?


A manchete de do semanário Sol deixou-me estarrecido. Então não é que o jornal revela que o "Governo colabora na acção de Pedroso contra o Estado"? Segundo o Sol, "um documento de Catalina Pestana apareceu misteriosamente nas mãos do advogado de Paulo Pedroso. E quem o passou foi o chefe de gabinete do ministro Vieira da Silva. A juíza já participou ao Ministério Público. O caso prova as ligações entre o Governo e Paulo Pedroso, num caso em que este processa o Estado". Para quem não tenha presente o que isto pode representar, diga-se que, diz o jornal, "o documento foi apresentado por Celso Cruzeiro em tribunal, de uma forma que indicia uma estreita ligação entre Pedroso e o Governo e que pode contribuir para a condenação do Estado".
O ex-ministro do PS, e membro do núcleo duro do antigo secretário-geral socialista Ferro Rodrigues (tal como Vieira da Silva, aliás), pede nada mais nada menos do que 800 mil euros ao Estado de indemnização por ter sido alegadamente envolvido no chamado escândalo da pedofilia na Casa Pia. Pedroso está no seu direito, se se acha inocente e se tiver fortes provas disso. O que não é normal é que seja um gabinete governamental a ajudá-lo numa acção contra o Estado português. Demonstra falta de tudo do gabinete em causa: falta de sentido de Estado, de sentido de dever público, de sentido democrático e até falta de pudor. É que o ministro Vieira da Silva tem a tutela da Casa Pia e foi o braço-esquerdo de Ferro Rodrigues (Pedroso era o direito), portanto alguma coisa fica por explicar. A partir de agora, e com a notícia do Sol, passa a haver mais um ministro na corda bamba. Maria de Lurdes Rodrigues talvez dure mais uns tempos. Vieira da Silva, num País normal, caía hoje mesmo. Mas estamos em Portugal, onde nada acontece. E como sempre quem se lixa é o mexilhão, que vamos pagar com os nossos impostos esta vergonhosa ligação...