31/05/2008

Direcção do Varzim não pagou ordenados em atraso prometidos para hoje



A direcção do Varzim falhou a promessa de liquidar hoje os quatro meses de salários em atraso do plantel, adiantou à Agência Lusa o “capitão” Alexandre. “Não tivemos qualquer contacto, e hoje ainda não consegui falar com ninguém da direcção. Certamente, o problema vai ficar adiado para a próxima semana”, afirmou o jogador. O último pagamento aos atletas do Varzim, relativo ao mês de Janeiro, foi feito há cerca de um mês, mas a direcção do clube prometeu que os vencimentos estariam em dia antes do plantel seguir para férias, o que aconteceu a 15 de Maio. Desde então, passaram-se mais duas semanas, durante as quais os dirigentes poveiros garantiram a regularização da situação, o que não se confirmou. De acordo com Alexandre, a direcção alega um problema burocrático, relacionado com uma certidão, que impede o clube de desbloquear verbas retidas pelo Estado e pela Câmara da Póvoa de Varzim. O Varzim está envolvido num Processo Especial de Conciliação (PEC) com o Estado, para o pagamento de cerca de 1,5 milhões de euros ao Fisco e à Segurança Social, em 60 prestações, o que permitirá aos poveiros comprovar que estão a regularizar as suas dívidas. A Agência Lusa tentou obter declarações junto de vários elementos da direcção do Varzim, que nunca estiveram contactáveis.


E assim vai o nosso Clube gerido por " pseudoempresários " que apenas se estão a auto promover;

Volta Luis Oliveira , Estás perdoado


Já agora acabem de vez com o clube como pretende o Presidente

A 4 de Maio Lopes de Castro dava esta entrevista ao Jornal Record... de facto não tem vergonha de fugir aos atletas---
O presidente do Varzim, Lopes de Castro, mostrou-se hoje favorável a uma regra que impeça os clubes com salários em atraso de disputar as competições profissionais de futebol, como propõe o presidente da Liga, Hermínio Loureiro. "Não conheço a proposta em pormenor para a comentar, mas se o pressuposto final for impedir os clubes com salários em atraso de competir, concordo", disse Lopes Castro à Agência Lusa, apesar de o clube ter três meses de vencimentos em atraso. Lopes de Castro confirma que os vencimentos de Fevereiro, Março e Abril ainda não foram liquidados, mas garante que dentro de "uma ou duas semanas", antes de os futebolistas seguirem para férias, vai ficar "tudo em dia", como "sempre aconteceu" nos seus mandatos. "De uma vez por todas, os clubes não podem deixar passar os salários em atraso de uma época para a outra", afirmou o presidente poveiro, que aponta essa situação como "o verdadeiro drama do futebol português". O timoneiro dos lobos do mar desvalorizou a proposta de Hermínio Loureiro, já que os jogadores têm "a faca e o queijo na mão": "podem recorrer à Comissão Paritária da Liga, que dá razão a quem tem salários em atraso, e o clube fica impedido de competir e de inscrever atletas". De acordo com o dirigente, o plantel do Varzim "conhece a realidade e gere-a bem", já que sabe os créditos que o clube tem a receber, nomeadamente do Estado e da Câmara da Póvoa de Varzim, são "muito superiores às dívidas". "Este clube não tem receitas, estão todas penhoradas, quanto a nós indevidamente, pelas Finanças. Os tribunais já nos deram razão duas vezes, mas acho que nunca vamos ver o dinheiro, centenas de milhares de euros", lamentou. "O Varzim sobrevive com o apoio de empresas e receitas de bilheteira, poucas. Os clubes da Liga de Honra vivem de meia dúzia de carolas", frisou Lopes de Castro, que diz ter apelado a uma reflexão sobre a situação na última Assembleia Geral da Liga. O Varzim vive há vários anos em situação de crise financeira, sendo que o relatório e contas relativo à época desportiva 2006/07 apresenta um passivo de seis milhões de euros.

30/05/2008

Para dizer basta ao descalabro neoliberal!




Dirigentes e destacados militantes do Bloco de Esquerda, do Partido Socialista e do Movimento Renovação Comunista juntamente com sindicalistas e outras individualidades de esquerda assinaram uma declaração de crítica às políticas do Governo de José Sócrates na área social tornada pública esta semana. Em simultâneo, foi já convocada para a próxima terça-feira, dia 3 de Junho, uma sessão/festa no Teatro da Trindade, em Lisboa, estando previstas intervenções políticas de Manuel Alegre, Isabel Alegro Magalhães e José Soeiro.

Nada a opor, antes pelo contrário, quanto ao sentido do texto do apelo, nomeadamente no que se refere à necessidade imperiosa de "buscar os diálogos abertos e o sentido de responsabilidade democrática que têm de se impor contra o pensamento único, a injustiça e a desigualdade".

Menos claro, na perspectiva da Esquerda Nova, é o enquadramento desta iniciativa no contexto da procura da maioria social de esquerda. Há muito e em sucessivos documentos que o Bloco de Esquerda definiu a luta pelo Socialismo como objectivo estratégico central - um combate que exige, forçosamente, a construção e a conquista de uma maioria social de mudança, que terá de combater as políticas neoliberais e conservadoras, assumirá o seu papel na contestação social, construirá alianças sociais alargadas e saberá erguer novas alternativas transformadoras.

A sessão/festa "Agora/Aqui" da próxima semana é, sem dúvida, a assunção pública da crítica ao Governo do PS de várias sensibilidades políticas e ideológicas. Trata-se de uma crítica pública onde convergem diversas correntes que se reinvidicam do Socialismo. Possivelmente existirão visões diferentes sobre o Socialismo, mas esta é uma excelente oportunidade para mostrar a toda a sociedade portuguesa que é POSSÍVEL trabalhar por uma alternativa socialista, partindo-se da crítica a uma situação social que se tem tornado insustentável e agravada com as actuais políticas neoliberais do governo de José Sócrates.

A corrente de opinião da Esquerda Nova do Bloco de Esquerda considera que uma iniciativa como a sessão/festa "Agora/Aqui" é excelente para fomentar e ajudar à construção de uma maioria social de esquerda para uma alternativa socialista. Não pode nunca tornar-se numa mera e/ou única sessão do tipo palanque para o protagonismo de umas quantas individualidades de esquerda.

Iniciativas como estas não podem correr o risco de cometer velhos erros como as tentativas de hegemonização ou de pensamento único. O que interessa é pôr em comum formas de levar as diferentes correntes de esquerda a convergir num combate aberto ao neoliberalismo em todos os campos, social, económico, mas também cultural.

A seguir à sessão/festa de 3 de Junho, as correntes políticas e as invidualidades envolvidas deveriam, na nossa opinião, saber constituir um fórum aberto a todas e todos, aos movimentos sociais, a outras correntes à esquerda, num esforço de pensar, reflectir, discutir para se convergir numa alternativa socialista assente numa maioria social de esquerda capaz de operar mudanças e dizer basta ao descalabro neoliberal!




Ver mais informação em http://www.esquerdanova.net

29/05/2008

PINÓQUIO NO SEU MELHOR



AFINAL QUEM MENTE ?
CLARO QUE É O PINÓQUEO
VEJA A NOTICIA DO PUBLICO

No momento mais agressivo do debate quinzenal no parlamento, Sócrates acusou Louçã de "mentir" aos deputados. Mas a notícia do Público desmente o primeiro-ministro e confirma as palavras do bloquista: João Proença participou de facto em reuniões do PS destinadas a convencer os militantes socialistas das virtudes das alterações do Governo ao Código de Trabalho. Uma das reuniões, no Porto, teve até a presença do ministro Vieira da Silva, com quem Proença negoceia à mesa da concertação social.



Dizia o diário "Público" do passado dia 10 de Maio: "Com a reforma laboral na agenda, dirigentes nacionais do PS, incluindo o próprio secretário-geral [...] estão a percorrer o país para discutir com os militantes e simpatizantes do partido a proposta do Governo de altaração do Código do Trabalho. O primeiro round foi dado há quinze dias em Vila Franca de Xira. [...] Ontem foi a vez do Porto. Os militantes da maior distrital do PS tinham à noite à sua espera Vieira da Silva, o secretário de Estado do Trabalho, Fernando Medina, e o secretário-geral da UGT, João Proença."
Ao recordar esta viagem do líder sindical ao Porto para defender as propostas do governo, Louçã despertou a ira de José Sócrates, que o acusou de "mentiroso e cobarde", palavras que provocaram muitos aplausos por parte da maioria da bancada do PS. Os deputados socialistas tentaram depois abafar a resposta de Louçã, que comprometeu-se a disponibilizar a todas as bancadas as notícias publicadas sobre o assunto na imprensa.

O tom dos apartes subiria ainda mais quando o bloquista aconselhou Sócrates a "ouvir mais os conselhos dos fundadores do PS, que defendem uma política de esquerda com "sensatez e responsabilidade social". Nessa altura, o líder da bancada socialista, Alberto Martins, acusou Louçã de utilizar uma "linguagem animalesca ", provocando a réplica de Luís Fazenda. O líder parlamentar do Bloco alertou-o para o conteúdo impróprio dessas palavras numa sessão parlamentar e criticou o hábito do primeiro-ministro de distribuir "mimos" semelhantes aos partidos da oposição nestes debates.

Quando Luís Fazenda pediu a Jaime Gama para distribuir as notícias da polémica aos deputados, o ministro Augusto Santos Silva viria involuntariamente a confirmar a existência da reunião de João Proença, ao desmentir apenas que Sócrates e Proença tivessem estado ao mesmo tempo na mesma sala durante a reunião no Porto de propaganda às propostas de revisão Código do Trabalho.



27/05/2008

ALERTAS DE MARIO SOARES

In Diario de Noticias
Não posso dizer que tenha ficado surpreendido com o Relatório da União Europeia (Eurostat) e o trabalho, coordenado pelo Prof. Alfredo Bruto da Costa, do Centro de Estudos para a Intervenção Social (CESIS), intitulado "Um olhar para a pobreza em Portugal", divulgados há dias, que coincidem em alertar para o facto de a "pobreza e as desigualdades sociais se estarem a agravar em Portugal". Surpreendido não fiquei. Mas chocado e entristecido, isso sim, por Portugal aparecer na cauda dos 25 países europeus - a Roménia e a Bulgária ainda não fazem parte da lista - nos índices dos diferentes países, quanto à pobreza e às desigualdades sociais e, sobretudo, quanto à insuficiência das políticas em curso para as combater.Recentemente, cerca de 20 mil cidadãos portugueses, impulsionados pela Comissão Justiça e Paz, dirigiram à Assembleia da República um apelo aos legisladores para aprovarem uma Lei que considere a pobreza uma violação dos Direitos Humanos. Foi uma manifestação de consciência cívica e de justa preocupação moral - que partilho - quanto à pobreza crescente na sociedade portuguesa. E acrescento: a revolta quanto às escandalosas desigualdades sociais, que igualmente crescem, fazendo de Portugal, trinta e quatro anos depois da generosa Revolução dos Cravos, o país da União Europeia socialmente mais desigual e injusto, ombreando, à sua escala, naturalmente, com a América de Bush... Ora, a pobreza e a riqueza (ostensiva e muitas vezes inexplicável) são o verso e o reverso da mesma moeda e o espelho de uma sociedade a caminho de graves convulsões. Atenção, portanto.Eu sei que o mal-estar social e as dificuldades relativas ao custo de vida que, hoje, gravemente afectam os pobres, mas também a classe média - e se tornaram, subitamente, muito visíveis, por força da comunicação social - vêm de fora e têm, evidentemente, causas externas. Entre outras: o aumento do preço do petróleo, que acaba de atingir 135 dólares o barril; a queda do dólar, moeda, até agora de referência; o subprime ou crédito malparado, em especial concedido à habitação (a bolha imobiliária); a falência inesperada de grandes bancos internacionais e as escandalosas remunerações que se atribuem os gestores e administradores; o aumento insólito do preço dos géneros alimentares de primeira necessidade (cereais, arroz, carne, peixe, frutas, legumes, leite, ovos, etc.); a desordem geostratégica internacional (com as guerras do Afeganistão, do Iraque e do Líbano, a instabilidade do Paquistão, o eterno conflito israelo-palestiniano e as guerras em África); o desequilíbrio ambiental que, a não ser de imediato corrigido, põe o Planeta em grande risco; a agressiva concorrência dos países emergentes, que antes não contavam; etc...Tudo isto configura uma situação de crise profundíssima a que a globalização neoliberal conduziu o Mundo, como tantas vezes disse e escrevi. Uma crise financeira, em primeiro lugar, na América, que está a alargar-se à União Europeia, podendo vir a transformar-se, suponho, numa crise global deste "capitalismo do desastre", pior do que a de 1929. Uma crise também de civilização que está a obrigar-nos a mudar de paradigma, tendo em conta os países emergentes, e os seus problemas internos específicos, uma vez que o Ocidente está a deixar de ser o centro do mundo. Não alimentemos ilusões.Claro que com o mal dos outros - como é costume dizer--se - podemos nós bem. É uma velha frase que hoje deixou, em muitos casos, de fazer sentido. Vivemos num só Mundo em que tudo se repercute e interage sobre tudo.No entanto, no nosso canto europeu, deveremos fazer tudo o que pudermos, numa estratégia concertada e eficaz, para combater a pobreza - há muito a fazer, se houver vontade política para tanto - e também para reduzir drasticamente as desigualdades sociais. Até porque, como têm estado a demonstrar os países nórdicos - a Suécia, a Dinamarca, a Finlândia - as políticas sociais sérias estimulam o crescimento, contribuem para aumentar a produção e favorecem novos investimentos. Este é o objectivo geostratégico para o qual deveremos caminhar, se quisermos evitar convulsões e conflitos.Depois de duas décadas de neoliberalismo, puro e duro - tão do agrado de tantos que se dizem socialistas, como desgraçadamente Blair - uma boa parte da Esquerda dita moderada e europeia parece não ter ainda compreendido que o neoliberalismo está esgotado e prestes a ser enterrado, na própria América, após as próximas eleições presidenciais. A globalização tem de ser, aliás, seriamente regulada, bem como o mercado, que deve passar a respeitar regras éticas, sociais e ambientais.Em Portugal, permito-me sugerir ao PS - e aos seus responsáveis - que têm de fazer uma reflexão profunda sobre as questões que hoje nos afligem mais: a pobreza; as desigualdades sociais; o descontentamento das classes médias; e as questões prioritárias, com elas relacionadas, como: a saúde, a educação, o desemprego, a previdência social, o trabalho. Essas são questões verdadeiramente prioritárias, sobre as quais importa actuar com políticas eficazes, urgentes e bem compreensíveis para as populações. Ainda durante este ano crítico de 2008 e no seguinte, se não quiserem pôr em causa tudo o que fizeram, e bem, indiscutivelmente, para reduzir o deficit das contas públicas e tentar modernizar a sociedade. Urge, igualmente, fortalecer o Estado, para os tempos que aí vêm, e não entregar a riqueza aos privados. Não serão, seguramente, eles que irão lutar, seriamente, contra a pobreza e reduzir drasticamente as desigualdades.Já uma vez, nestes últimos anos, escrevi e agora repito: "Quem vos avisa vosso amigo é." Há que avançar rapidamente - e com acerto - na resolução destas questões essenciais, que tanto afectam a maioria dos portugueses. Se o não fizerem, o PCP e o Bloco de Esquerda - e os seus lideres - continuarão a subir nas sondagens. Inevitavelmente. É o voto de protesto, que tanta falta fará ao PS em tempo de eleições. E mais sintomático ainda: no debate televisivo da SIC que fizeram os quatro candidatos a Presidentes do PPD/PSD, pelo menos dois deles só falaram nas desigualdades sociais e na pobreza, que importa combater eficazmente. Poderá isso relevar - dirão alguns - da pura demagogia. Mas é significativo. Do que sentem os portugueses. Não lhes parece?...
Mário Soares

BOICOTE ÁS GRANDES PETROLIFERAS


26/05/2008

Acidente viação: Morreu Sousa Casimiro

Foto retirada do Blog Veloluso


Sousa Casimiro, de 52 anos, antigo director da Rádio Portalegre, morreu hoje na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Estrada Nacional (EN) 118, em Nisa, distrito de Portalegre, revelou fonte da Brigada de Trânsito (BT) da GNR.
O acidente ocorreu cerca das 14:00, ao quilómetro 154,9 da EN 118, junto a Alpalhão, concelho de Nisa, tendo o corpo de Sousa Casimiro sido transportado pelos bombeiros de Nisa para a morgue do Hospital de Portalegre.
Empresário na área dos espectáculos, Sousa Casimiro, passou pela Rádio Tempos Livres, de Ponte de Sôr, actualmente, era colaborar da Rádio Urbana de Castelo Branco, sendo um apaixonado pelo ciclismo.
Como repórter das Rádios Portalegre e Urbana, Sousa Casimiro (na foto entrevistando Manuel Madeira, jornalista de "A Bola") marcou presença em inúmeras Voltas a Portugal em Bicicleta e na Volta ao Alentejo, como aconteceu no passado mês de Abril, no decurso da 26ª edição da “Alentejana”.
Uma vez mais o ciclismo Portugues está de luto

FESTA DIFERENTE

REENCAMINHA! DIVULGA! ESPALHA!DIAS DO MUNDO


a diversidade na universidade


27 e 28 de Maio


organizado pelo MUdA!






27 MAIO – 3ª-FEIRA


Anf. 2.2.14


14h30: "Lisboetas"


16h30: "Crash"Edifício C3Exposição de BD e poesia


28 MAIO – 4ª-FEIRA


15h30: DEBATE Anf. 2.2.14 "O racismo anda disfarçado?"


Chulage SOS Racismo Solidariedade Imigrante


Núcleo de Estudantes Africanos


FESTA DIFERENTE


28 de Maio – 4ª-Feira – 22h


DJ KID CATCH UPPEDRO E DIANALOUKURA EM CHAMASCHALOMAIO COOPE BAR DE ROMÂNICAS FACULDADE DE LETRAS


Filmes, debates, exposições, festa, artesanato, gastronomia, música e tudo o que mais quiseres trazer!! :)


Até lá!

25/05/2008

Palestina: Sessão em Lisboa assinala os 60 anos da Nabka



Na próxima segunda feira, no Teatro Cinearte, a Santos, Lisboa, a partir das 21 horas, realiza-se uma sessão pública que assinala os 60 anos da Nabka - o nome que os árabes dão à primeira grande expulsão de palestinianos das suas casas e terras em 1948.

Participam:
José Saramago, Prémio Nobel da Literatura
Randa Nabulsi, delegada geral da Autoridade Palestiniana em Portugal
Mohammad Barakeh, deputado do Partido Comunista de Israel no Knesset (Parlamento de Israel)
Bruno Dias, deputado do PCP à Assembleia da República
Miguel Portas, eurodeputado do Bloco de Esquerda
Alan Stoleroff, investigador e professor universitário
A sessão é promovida pelo Movimento pelos Direitos do Povo Palestino

23/05/2008

COMUNICADO DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CICLISMO


“A Direcção da UVP/FPC, após consultar a Comissão de Ciclismo de Estrada, vem comunicar o seguinte:


1. Aguardar que sejam rapidamente divulgados todos os resultados da acção desencadeada pela PJ e CNAD que julgamos ser justa e do interesse da modalidade; na medida em que possa separar a parte do todo, mostrando que o ciclismo é um desporto onde a grande maioria de participantes actua de forma limpa e transparente;

2. Após notificação a UVP/FPC poderá então tomar as medidas disciplinares que venham a mostrar-se apropriadas;

3. Por sugestão da Comissão de Ciclismo de Estrada a Direcção da UVP/FPC solicita aos Organizadores que não aceitem a inscrição da equipa visada enquanto decorrer esta acção judicial.


A Direcção”


Este comunicado da Federação Portuguesa de Ciclismo, traz á evidencia quem está á sua frente;

Senão vejamos:

Em que artigo dos Regulamentos se baseia a Federação para impedir a participação de uma determinada equipa, sem que esta tenha sido alvo de procedimento Disciplinar por parte da referida Federação ?


Como pode uma equipa, Ciclistas, Dirigentes etc, serem punidos sem serem acusados de nada?

Só mesmo numa Federação dirigida por Artur Moreira Lopes
AQUI ODE CONSULTAR OS REGULAMENTOS

DOPING



Ás vezes fazemos coisas que a seguir nos arrependemos; Por omissão, não propositada, não disse de que blog tinha retirado dois textos sobre o actual momento do ciclismo; As minhas desculpas ao autor do blog O Xiclista; Os textos Doping, e sabem do que falam são da autoria de o Xiclista e não meus. Deveria ter colocado desde logo essa mensão. Foi um esquecimento indesculpavel.





Naturalmente estou muito triste com o que aconteceu à equipa da Póvoa Cycling Club, patrocinada pela Câmara Municipal de Póvoa do Varzim, LA-Alumínios e MSS-Construtora. Através da minha ligação especial ao cicloturismo da LA-Alumínios acabei por ter acesso a esse mundo deslumbrante do ciclismo profissional, mediante concentrações, apresentações à imprensa e outras actividades de promoção do ciclismo. E contactava de perto com os profissionais da estrada por quem desenvolvíamos, nós, os velhotes do cicloturismo, especial carinho e amizade. Até há ano e meio atrás, a equipa da Maia-Milaneza era a grande adversária da equipa LA-Alumínios. Recorde-se que, nessa época, a LA-Alumínios co-patrocinava a Equipa LA-Liberty Seguros dirigida por Américo Silva. Por voltas que o mundo dá, a empresa de Luis Almeida decidiu patrocinar fortemente a equipa de Manuel Zeferino. Co-apoiada pela MSS e pela Câmara da Póvoa, o projecto dava garantias de êxito profissional e também na divulgação do ciclismo no Município da Póvoa de Varzim. Mas, pelos vistos o projecto morreu. Ou mataram-no.
De todo o modo, e perante o que se sabe e com as reduzidas certezas que se têm, quero expressar a minha surpresa pela ingenuidade dos profissionais alegadamente apanhados. Quem anda a roubar e sabe que a polícia anda por aí, não deixa em casa os instrumentos do crime. E depois das queixas que o Benfica-Lagos andou a fazer, já se estava à espera de uma rusga destas mais tarde ou mais cedo. Depois, quero recordar que existe um sem-número de revigorantes, vitaminas, recuperadores de fadiga, tudo devidamente legalizado e que o desporto profissional usa sempre até uma milésima abaixo do limite proibido. Em todas as modalidades. E em todas as equipas, incluindo as que se têm andado a queixar.
Por isso, enquanto não forem identificados os medicamentos apreendidos, não posso tomar como boa a informação do Inspector da Judiciária que, a olho, já chegou à conclusão que são hormonas de crescimento. Se calhar as cápsulas são de compostos vitamínicos, perfeitamente legais. Por seu lado, as seringas, ainda por cima novas e por usar, servem também para intramusculares de produtos legais ou para intravenosas para reposição de sais. Uma centrifugadora serve para muita coisa, até para misturar os diferentes elementos de cocktails vitamínicos, até para medir o hematócrito dos atletas. Coisa diferente é se a centrifugadora tiver vestígios de sangue contaminado com produtos proibidos. Mas isso, apura-se facilmente.
Por outro lado, já estão a correr notícias de que o infeliz Bruno Neves teria morrido, não de traumatismo craniano devido à queda, mas de paragem cardíaca que lhe ocasionou a queda, numa tentativa de associar as duas situações. Que o infeliz evento se deveu a paragem cardíaca é inegável. Ninguém morre sem paragem cardíaca. Por isso, esta notícia surpreende. A este propósito recordo que as notícias do acidente, no imediatismo da dramática situação, davam conta de um outro ciclista que lhe teria tocado na roda de trás, causando-lhe a queda desamparada. Marco Chagas surgiu a descrever o estado lastimoso em que o capacete ficara e a falar na pedra contra a qual se esmagara. Falou-se de meia hora de primeiros socorros e do estado de consciência na entrada da ambulância. Eu ouvi todas estas notícias. Tudo isto incompatível com uma súbita paragem cardíaca que interrompesse o andamento.
Existe, assim, muita poeira no ar. Face ao que sei, não estou ainda minimamente convencido seja de que situação for. E apesar de a LA-Lumínios já ter rescindido o contrato de patrocínio com a equipa de Manuel Zeferino, quero dizer aqui que este director desportivo é das pessoas que mais percebe de táctica de corrida no mundo do ciclismo, é pessoa honesta, séria e trabalhadora. Daquilo que vi e conheço, não posso dizer outra coisa. E neste momento em que o seu mundo desabou, não vai ser o Xiclista que lhe vai atirar pedras, antes aguardando a correcta identificação dos produtos apreendidos e as explicações que ele não deixará de dar.
O ciclismo ficou a perder uma vez mais. Já ninguém se lembra ou fala da mortes de outros atletas, da eritropoitina que entope as artérias e mata basquetebolistas, da testosterona conjugada com hormona de crescimento que causa hipertrofia cardíaca e mata futebolistas, da cafeína e da nandrolona que espevita o esforço e acelera a recuperação. Nas outras modalidades, estes assuntos discutem-se na base da defesa do clube que foi apanhado. Mas quando toca ao ciclismo, tudo cai em cima. Curiosamente os que mais barulho fazem são aqueles que mais casos de nandrolona tiveram nos últimos anos.

SERÁ QUE SABEM DO QUE FALAM ?

O Comunicado da PJ refere-se a"apreensão de substâncias, medicamentos, material destinado a auto-transfusões sanguíneas e instrumentos de uso clínico, porventura indiciadores da referida prática." Do que vi em exposição nas TV's percebi que existia grande número de seringas e tubos para uso intravenoso, tabletes de cápsulas coloridas, frascos com um líquido branco e uma centrifugadora de laboratório.
O Correio da Manhã, embalado com "o material destinado a auto-transfusão sanguínea", ontem dava notícia de ter sido encontrado "EPO" e "sacos com sangue congelado". Fiquei estarrecido. Mas surpreendido pelo facto de a PJ que é sempre tão sensacionalista nas apresentações à comunicação social do material apreendido não se ter referido ao "sangue congelado" e à "EPO", tanto mais que esses dois elementos, e só esses, fariam prova plena da culpa e do êxito televisivo policial.
Hoje o Correio da Manhã já não faz referência "aos sacos de sangue congelado" e apenas faz referência à "EPO". E, curiosamente, já vem dizer que os medicamentos que foram apreendidos afinal são de venda livre, não são proibidos e o seu uso não é sancionado se não ultrapassar certos limites de utilização.
Eu percebo que o Correio da Manhã, apesar do costumeiro nível rasteirinho do seu jornalismo, já esteja a aliviar a carga da notícia de ontem. É que aquela dos "sacos de sangue congelado"...

Saliento que "o material destinado a auto-transfusão sanguínea" só releva se efectivamente se tratar de sangue do próprio atleta. O que não foi mostrado nem noticiado pela PJ. Seringas, tubos, cateteres, frascos de soro fisiológico têm a explicação mais suave que pode haver. É que da mesma forma que as nossas crianças quando padecem de desidratação severa - por diarreias, gastroenterites, etc. - são sujeitas "a soro" por aplicação directa na veia de soro e sais hidratantes, também o ciclismo usa a hidratação venosa directa como a forma mais rápida de reposição de sais. Em especial nas provas em dias sucessivos em que a re-hidratação não pode ser por via digestiva sob pena de não se atingir em cada dia a reposição necessária. Essa prática é comum. E inóqua.

A centrifugadora, por seu lado, é um equipamento de que todos os departamentos médicos de equipas profissionais - seja de que modalidade fôr - sempre dispõem para medir o hematócrito dos atletas, que é uma medida respeitante à quantidade de glóbulos vermelhos. Recorde-se que no ciclismo, não é admitido à partida um ciclista com hematócrito superior a 50 %. Por outro lado, o controlo da evolução do hematócrito de cada atleta é dimensão essencial da planificação e desenvolvimento do treino. Qualquer departamento médico de desporto profissional ou controla o hematócrito de cada atleta ou é como se não existisse.

Ou seja, passado mais um dia, continuo sem perceber a dimensão do crime e começo a suspeitar que, quer a actuação policial ao falar de "material para auto-transfusão", quer a descrição jornalística que desse argumento conclusivo tem dado eco, não passam de exercícios de ignorância praticado por uns pacóvios que não percebem patavina da matéria.

Continuo à espera de algo que evidencie alguma culpa. Até agora, nada nesse sentido me foi apresentado sem que possa ser interpretado de forma exactamente ao contrário.

21/05/2008

PODE HAVER MUITO CACO PARTIDO,MAS AINDA SÓ AGORA COMEÇÁMOS A ESCAVAR

Do meu grande amigo Manuel José Madeira com a devida vénia
As mais de quatrocentas visitas que registo, depois do meio da tarde e até às zero horas de hoje, significam para mim que ainda há muita gente que procura – espero, porque nela confiam – a minha opinião, mormente num momento tão conturbado como o que ontem abalou o Ciclismo português. Por isso, não vou usar – aliás, façam-me essa justiça, nunca aqui o fiz – paninhos quentes.
Mas também não esperem que junte a minha voz ao histerismo que, repentinamente, contaminou os habituais observadores.
E não me refiro à Comunicação Social.
Não matem o mensageiro só porque não gostam das notícias de que ele é apenas portador…Como devem calcular, li, vi e ouvi tudo o que foi escrito, dito ou mostrado, durante a tarde de hoje, espoletado, é evidente, pela notícia que A BOLA avançou em primeiríssima mão. Em relação à CS, não creio que tenham nada a apontar. Li, num conhecido Fórum, que, por exemplo, a televisão – referiam-se concretamente à TVI, mas podiam juntar-lhe todas as outras – só fala de Ciclismo quando há borrasca da grossa. Convenhamos que, perante os factos, não havia hipóteses de não falar deles. Do que os jornais vão trazer impresso daqui a quatro ou cinco horas, só sei aquilo que o meu dá à estampa. No que respeita ao que as diferentes edições on-line foram debitando ao longo da tarde-noite – afinal, aquilo a que os simples adeptos tiveram acesso – devo dizer, por ser verdade, que se resumiu ao caudal noticioso que a Agência Lusa foi disponibilizando. Do que li em Fóruns, mais ou menos públicos, é que não gostei nem um bocadinho. Mas voltando ainda atrás, àquilo que a CS, neste caso, as televisões, mostraram, seria preciso, provavelmente, fazer o que eu me obriguei a fazer. Esperar. Absorver a maior quantidade de informação possível e deixar acalmar a paixão que reconheço a todos mas que alguns (muitos, infelizmente) não souberam calar. E li atrocidades de bradar aos céus.
Atrocidades que reduzo a um único, simples e inatacável facto: ninguém, ontem – e este ninguém inclui a PJ – acusou ninguém de crime algum. Ponto. Para quem não teve acesso, e a maioria, sei-o, teve porque andou pelos mesmos sítios na Internet por onde eu andei, junto neste artigo o comunicado da Polícia Judiciária. O único comunicado oficial disponibilizado. Depois… depois muitos terão escutado declarações, muitos terão lido declarações – e ainda assim não leram tudo, e vejam mais logo o que A BOLA traz -, declarações de gente com peso, e refiro-me, nomeadamente aos patrocinadores, que, estas sim, podem ser tomadas como base para uma acusação pública sem julgamento prévio. Manda a minha formação enquanto Homem, manda, também, a minha consciência que, apesar de tudo o que li, que ouvi e que vi… não deixe que sejam outros a pensar pela minha cabeça. Tenho uma, para alguma coisa há-de servir. Infelizmente há intelectos – não é gralha, quis mesmo escrever intelectos – que se soltam qual pássaro que se escapa à gaiola sem dar por que voa directamente para a boca do gato. Céus!... Tanta baboseira que li esta tarde. E depois, numa clara demonstração de que, no fundo, no fundo, não sabem mesmo do que estão a falar, voltam à cena para tentarem sustentar a primeira asneira com outra ainda maior. Por muitas horas que eu leve a olhar para a EuroSport de olhos pregados naquela coisa estranhíssima a que chamam curlling, jamais me apanharão a tentar opinar sobre ela.
Disso estão todos livres. Garanto.
Por muitas horas, por muitos jornais e revistas lidos, por muitos sítios na Internet coleccionados nos favoritos, há quem jamais venha a ter estofo para ser crítico de Ciclismo. E isso ficou hoje provado à saciedade. (Não, também não é gralha. É assim que se escreve.)
CINJAMO-NOS AOS FACTOS
Facto: inesperadamente – embora tenha sido um responsável pela instituição a declará-lo – a Polícia Judiciária andava a investigar uma determinada equipa há, cito de memória, “cerca de três meses” e na segunda-feira de manhã, munidos dos necessários mandados judiciais, vasculhou, ao que parece, o domicílio a cerca de uma dezena de pessoas, incluindo corredores, ligados a essa mesma equipa. E apreendeu, não só equipamentos como produtos que, atenção… indiciam a possibilidade de estarem a ser usados métodos que poderão ser enquadrados como proíbidos no quadro desportivo. Isto não é um eufemismo meu. É o que se lê no Comunicado da PJ. Pica-me a mosca atrás da orelha no que respeita ao " há cerca de tres meses ".
Por duas razões e dir-me-ão onde é que eu não tenho razão.
Primeiro: porquê incidir uma investigação assim tão demorada numa só equipa?
Segundo: (ainda menos compreensível) se essa investigação é global, abrangendo todas as equipas, porquê denunciá-la assim que obtiveram resultados?
Dúvida: foram investigadas todas as equipas e aquela que agora está em causa foi a última – ou não, mas sempre tomando como certo que a investigação incidiu sobre todas as equipas – por isso, e neste caso teria sido mesmo a única a ser apanhada em falso, se revelou o resultado dessa investigação? Tudo o que fugir a isto merece-me apenas um, e só um comentário: era preciso fazer sangue – passe a expressão – e a missão foi cumprida.
Bem á portuguesa.
Se há alguma coisa que corre mal, encontra-se um culpado – seja ou não o único – e volta a puxar-se a manta, com toda a gente a sentir-se aconchegada e… já no pasa nada! Já há culpados. Morre o assunto.
Seria o maior erro provavelmente jamais cometido, nem digo em relação ao Desporto nacional, mas em relação ao Ciclismo, definitivamente, sim! Amanhã – quero dizer… mais logo daqui a quatro, cinco horas – vão poder ler de enfiada uma séria de declarações (a maioria delas, diga-se em abono da verdade, já são do conhecimento público, porque repetidas na rádio e na televisão) e receio bem que todos as aceitem como aceitam um rosário de mea-culpa por parte de um bando de virgens que, mais ou menos à força, se confessam violadas. Nem faziam ideia que era assim que podiam perder a sua virginal pureza. Parecem todos dolorosamente enganados. Santa hipocrisia.
Deixem-me aqui contar uma estória que, tanto quanto me foi dito, é mesmo verdadeira.
Aconteceu numa cidade perto de Lisboa, e na cerimónia que se queria de apresentação de uma determinada equipa de futebol da I Liga.
Foram convidadas as forças vivas da região, era um jantar, mais ou menos de gala.
Um dos convidados, gente importante, claro, mas rapaz solteiro e sem compromisso, porque o convite era para um casal, não teve pejo em levar consigo uma daquelas raparigas a que pudicamente chamamos... de vida fácil.
Ora, a moça era por demais conhecida e à entrada, alguém da organização puxou o nosso protagonista à parte e, segredando-lhe ao ouvido, tentou fazer-lhe ver que a presença da sua acompanhante não caía ali bem.
"É uma mulher de reputação duvidosa", disse-lhe quem estava ali para controlar as entradas.
Mas ele, sem papas na língua nem contas a dar a ninguém, terá ripostado assim mesmo: "Desculpe, esta senhora é mesmo puta! De reputação duvidosa será a maioria das senhoras que já estão lá dentro!"
Genial!
Isto para falar em hipocrisia…
E há quem não tenha o mínimo de vergonha na cara.
E não estou a falar de ninguém do Ciclismo.
Há quem suspire, malgrado sendo jornalista e tendo o seu espaço no jornal para o qual trabalha, não recuse a oportunidade para, da sua pequenez, se pôr em bicos dos pés e vir à praça pública com lições que pretende moralistas. Quem, não só no seu jornal como, enquanto comentador, na SportTv, nos quer vender à viva força a NBA como desporto, não tem o direito de escrever isto.
Este sim, é um caso de quem busca visibilidade à custa do Ciclismo.
Que nada lhe deve. Mas tenho que voltar de novo atrás para que se não perca o fio à meada.Facto, facto, apenas temos que a Polícia Judiciária apreendeu uma série de seringas e frascos e comprimidos e uma máquina centrifugadora que serve para as equipas – e não há uma única que não a tenha – fazerem os seus próprios testes ao hematócrito aos respectivos corredores. De tudo o que li, de tanta gente que li, só uma pessoa – e peço desculpa por não ser capaz de a identificar (também escreveu sob pseudónimo), lembrou que seringas e frascos e comprimidos e pastilhas não é obrigatoriamente sinónimo de práticas não permitidas.Toda a gente sabe, pelo menos quem tem responsabilidades e escreve em jornais devia saber que, por ser de efeito mais rápido, é usual o método de reposição de sais e vitaminas pela via intravenosa, até intramuscular em atletas sujeitos a esforços às vezes desumanos.
Como os Corredores.
Mas como já escrevi, o que a populaça e alguns arautos de uma verdade que apenas mora nas suas pequenas cabeças, quer é sangue. Não é a Comunicação Social. São algumas tristes figuras apenas. É evidente que, em consciência, não posso descartar a possibilidade de, feitas as peritagens que com certeza serão feitas por quem tem para isso autoridade, não se confirme o pior cenário. Não! Mas hoje, agora… Não há nada de palpável.
Está bem… até sou capaz de ir até ao, ainda não há nada de palpável.Mas isto é um facto. Ainda não há. Claro que o imediato abandono do barco por parte de todos os patrocinadores não deixa antever nem sequer um esboço de um hipotético final feliz para esta triste história.
O que a mim me leva a pensar duas coisas.
Só duas coisinhas tão simples como 2 mais 2 serem quatro:
ou não acreditam em quem confiaram o seu dinheiro, ou… sabem mais do que aquilo que, eu, nomeadamente, neste momento sei. Eu não sei nada.E eles?
Se sabem… podem safar-se assim?
Escapando-se como os ratos, mal o navio começa a meter água?
Fica aqui a questão… tirem dela as ilações que quiserem. Mas há mais. Li, não sou eu quem o afirma, li, que este… terramoto poderá ter sido provocado por uma denúncia. Seria bom que isto fosse muito bem esclarecido. Por várias razões. A primeira, para que saibamos, com segurança, que há quem ande no Ciclismo tão puro, tão virginal, tão sem… qualquer espécie de peso na consciência que de peito aberto – o que não foi, senão já sabíamos quem tinha sido – entrega assim um parceiro de estrada. Eu...
Nah!, não vale a pena, vocês lembram-se…A segunda questão, que imputo de pertinente e que quase diria não ser possível contornar, era a de sabermos todos se todas as equipas foram alvo de investigação similar.
Se não, porquê?…E todos temos ainda presentes as declarações de alguém, de dentro do pelotão, que deixou insinuações por demais claras…Já agora, peço-vos que leiam A BOLA, daqui a bocadinho – caramba!, daqui a pouco tenho uma reunião em Lisboa e hoje não vou dormir mais de quatro horas… - e atentem nas declarações do Paulo Couto.
Não seria necessário crescentar isto - porque aqui deixei, na devida altura, a minha opinião - declarações que eu assino por baixo. Pronto, já olhei para o relógio, os ossos pedem-me descanso e hoje já não lho posso dar dentro daquilo que seria razoável, mas não podia deixar de vir aqui. Já se anuncia a morte da LA-MSS. Com o retirar do tapete, por parte dos patrocinadores, provavelmente morreu mesmo ontem, mas que uma coisa fique bem claro em certas cabecinhas… Não há inocentes nesta história. Bem pode o presidente da FPC vir dizer que avisou…
Se sabia de alguma coisa não tinha nada que avisar, tinha que agir.
É o mínimo que se pede à figura de quem preside a uma federação.
Quanto a reacções de outras equipas, pelo menos no meu jornal não vi nenhumas. E porque tenho mesmo que fechar a loja, senão amanhã vou a dormir para o trabalho, acabo deixando um desafio: Aceitemos que se vai provar o pior dos cenários.
Agora, digam-me lá os opinadores de cátedra… (e é impossível a não comparação deste caso com a Operation Puerto), ainda acham que são os Corredores os maus da fita? Engulam a vossa vergonha. Que se a não têm deveriam ter. E nada há que possam fazer – escrever, ou dizer – que aligeire as barbaridades que escreveram contra quem menos culpa tem nesta engrenagem toda,Perceberam, finalmente, porque é que eu me recusei sempre a deixar de estar do lado dos mais fracos? Jornalistas de meia-tijela…
Pois é neste caso e em muitos outros a carapuça serve a alguém...que tal ouvirmos atentamente as palavras de Macedo Vieira que diz que são os atletas os culpados ? Ele até já foi médico do Varzim e sabe disso ? Porque não denunciou ? a Judiciaria também precisa de ir á casa grande...

20/05/2008

LA MSS Póvoa - envolvida em escandalo de doping ?

http://ww1.rtp.pt/desporto/index.php?headline=37&visual=17&article=150577&tema=21

A Polícia Judiciária, com colaboração técnica do Conselho Nacional Anti-dopagem, efectuou ontem “uma operação de detecção de eventuais situações ilícitas (...) sobre atletas, direcção desportiva e instalações de uma das equipas de alta competição da zona Norte do país”. Segundo já se sabe, a referida equipa é a LA-MSS-Póvoa.
“A Polícia Judiciária, através da Direcção Central de Investigação da Corrupção e da Criminalidade Económica e Financeira (DCICCEF) procedeu, no dia de ontem, a uma operação de detecção de eventuais situações ilícitas associadas a comportamentos susceptíveis de afectar a verdade desportiva ou de causar danos na saúde dos atletas, através da administração de substâncias dopantes no ciclismo profissional” pode ler-se em comunicado divulgado hoje pela Polícia Judiciária.
Ainda no mesmo comunicado, é referido que “esta acção, materializada no âmbito de um Inquérito e mediante autorização judicial, incidiu sobre atletas, direcção desportiva e instalações de uma das equipas de alta competição da zona Norte do país, tendo sido passadas diversas buscas que resultaram na apreensão de substâncias, medicamentos, material destinado a auto-transfusões sanguíneas e instrumentos de uso clínico, porventura indiciadores da referida prática”.
Segundo a Agência Lusa, uma dezena de pessoas relacionadas com a LA-MSS-Póvoa é suspeita de se dopar ou colaborar com esta prática, no entanto ainda não há reacções de qualquer membro da referida equipa. Uma fonte próxima da PJ referiu à Lusa que foram encontrados produtos e equipamentos que são “normalmente utilizados em práticas dopantes” e “não fazem parte de um receituário médico habitual”. Ainda segundo a mesma fonte, entre o material apreendido estão “seringas e outros equipamentos para transfusões sanguíneas.” Entre os suspeitos, de momento estão dez pessoas.
Nas buscas levadas a cabo pela PJ, houve a ajuda do Conselho Nacional Anti-dopagem (CNAD), sendo a direcção do inquérito da responsabilidade da 9ª Secção do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa (DIAP).

Recordo que já em tempos da equipa da Maia, o médico Dr. Basil Ribeiro viria a ser afastado, por ter sido punido por casos de doping. Agora renasce na LaMSS-Povoa.

Um caso para pensar e muito

19/05/2008

Promovido sem trabalhar - Mais uma do Governo Socrates


O Banco de Portugal promoveu, por mérito, o presidente da Sociedade Interbancária de Serviços (SIBS), empresa que gere o sistema multibanco, ao cargo de director de nível 18B. Vítor Bento, que é quadro do banco central, encontra-se em regime de licença sem vencimento desde 8 de Junho de 2000, altura em que foi nomeado presidente da SIBS/Unicre. A promoção, que vale mais 720 euros mensais (quando o economista regressar ao banco), foi comunicada em Fevereiro e tem efeitos desde o dia 1 de Janeiro.
Esta decisão causou um evidente mal-estar em vários departamentos do Banco de Portugal e chegou ao Parlamento através do Bloco de Esquerda que, ontem, questionou Vítor Constâncio sobre esta decisão.
Segundo documentos , a justificação dada pelos serviços do banco central para a promoção de um quadro que não se encontra no banco há oito anos foi a de que 'o dr. Vítor Bento se encontra em situação de licença sem retribuição [...] ao abrigo de acordo celebrado nos termos da cláusula 91ª do Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) para o sector bancário'.
Mas essa mesma cláusula estipula no seu nº 5 que a licença sem retribuição vale 'até ao máximo de três anos'. Também o normativo interno do banco central prevê a hipótese de licenças sem vencimento por um ano, até ao máximo de três anos, seguida ou interpoladamente.
A figura da licença sem vencimento não tem os mesmos contornos jurídicos da ‘requisição’ e mesmo esta, no caso do Banco de Portugal, é apreciada a cada três anos.
O Banco de Portugal fundamentou a promoção de Vítor Bento com 'critérios de gestão e de equidade interna'.
Um director do banco central com o nível 18 tem um vencimento mensal da ordem dos 11 mil euros, onde se integra o ordenado contratualizado ao abrigo do ACT, as diuturnidades e o complemento remuneratório da isenção de horário equivalente a mais 47 por cento do salário-base.
A decisão de promover Vítor Bento por mérito tem reflexos a dois níveis; na promoção salarial (passagem do nível 18A para o nível 18B, o que equivale a um aumento de mais 368 euros por mês) e na progressão na carreira (passagem do grau oito para o grau nove, o que dá direito a mais 452 euros).
SEM ENCARGOS PARA OS COFRES
O ministro das Finanças – que esta semana em Bruxelas disse que era preciso 'transparência' e justificação das políticas remuneratórias 'com base no desempenho' – recusou comentar a situação.
O banco central disse, em comunicado, 'que a reclassificação do drº Vítor Bento não comporta encargos para o Banco de Portugal'. A instituição liderada por Vítor Constâncio refere ainda que 'tem sido entendimento do Banco de Portugal, no que diz respeito aos seus quadros nesta situação, que estes não devem ser prejudicados na evolução das suas carreiras, pelo que, em regra, são objecto de reclassificação, de acordo com o tempo em que exerceram funções fora do Banco'.
PERFIL
Vítor Augusto Brinquete Bento licenciou-se em Economia em 1978 pelo Instituto Superior de Economia e foi assistente na cadeira de Política Monetária. Em 1980 entra no Banco de Portugal para o departamento de Estudos Económicos, para, em 1987, ser responsável pelo Instituto Emissor de Macau. De 1992 a 1994, ocupa o lugar de director-geral do Tesouro. Em 2000 é nomeado administrador da VISA.

Chicos Espertos!!! Contornam a Lei dos Serviços Públicos Essenciais.


"A nova Lei dos Serviços Públicos Essenciais, que entra em vigor no próximo dia 26, proíbe a cobrança de tarifas de aluguer dos contadores de água, electricidade e gás. A menos de duas semanas da sua entrada em vigor, as autarquias já encontraram forma de "contornar" a lei no caso da água nas facturas, a taxa de aluguer de contador muda de nome e aparece agora como tarifa de disponibilidade, de salubridade ou de conservação e manutenção dos sistemas" ver restante notícia no JN de 16/05/2008 É um subterfúgio utilizado pelas autarquias, caros leitores verifiquem quem são os malandros, que já aprenderam com os malandrões do Governo! Para mim os malandros, serão penalizados, o meu voto não terão concerteza. Portugal, é efectivamente uma república das bananas e dos regabofes. Por cá todo o chico esperto se safa e contorna leis, é preciso é ter jogo de cintura! Agoras até os autarcas, alinham pelo mesmo diapasão! Valha-nos o do queijo Limiano.

17/05/2008

BOICOTE AO CARTEL


Já circula na Net e via SMS pedidos para boicote a várias petrolíferas. Num dia é uma, noutro outra...Assim não resulta!!!Só com um MEGA-BOICOTE é que se pode obter resultados.A minha proposta é esta:
Vamos boicotar apenas uma petrolífera (todos precisamos de conduzir, infelizmente);Durante 6 meses seguídos (assim pesa-lhes no bolso);Divulguem esta medida (entre amigos, familiares, nas bombas, etc).

Qual???



Porque ainda hoje vão aumentar, pela 18ª vez este ano, + 2 cêntimos;Porque não estão satisfeitos com os 3 que nos aumentaram ainda nesta semana tb;
Porque tem as campanhas dos 6 cêntimos dos talões Continente, Lidl e JN, que demonstram que o lucro é grande;


Porque é estrangeira. Eu NUNCA mais atesto na BP. Há muitos outros postos por aí.
(Democracia em Portugal, A voz do Povo, The Braganza Mothers, A Sinistra Ministra, coloquem aqui os links dos vossos blogs para não quebrar a corrente)

15/05/2008

HOMENAGEM A BRUNO NEVES





Do blog 4 linhas do Dr. Herminio Loureiro

14/05/2008

ROTA DOS MÓVEIS HOMENAGEIA BRUNO NEVES




Começa esta quinta-feira, em Santiago de Compostela, a terceira edição do Grande Prémio Internacional Paredes Rota dos Móveis em ciclismo que, pelo terceiro ano consecutivo, liga Espanha a Portugal.
Amanhã na Plaza Obradoiro, centro histórico de Santiago de Compostela, será prestada homenagem a Bruno Neves, corredor falecido em competição no último domingo. Antes do pelotão se fazer à estrada será respeitado um minuto de silêncio para evocar a memória do jovem da LA/MSS.
Além do acto simbólico, a PAD/Lagos Sports, entidade organizadora da prova, em parceria com o principal patrocinador, a Câmara Municipal de Paredes, decidiram instituir, no último dia de corrida, um “Memorial Bruno Neves”. O troféu será atribuído ao ciclista que contabilize, na 4ª etapa entre Gandra e Rebordosa, o maior número de pontos no total das contagens do “Prémio de Montanha”.
Vão alinhar no 3º Grande Prémio Internacional Paredes Rota dos Móveis 15 equipas totalizando 120 corredores que terão pela frente, até domingo, 614 Km divididos por quatro etapas. David Blanco venceu a edição 2007 ao serviço da equipa Duja/Tavira, mas não poderá defender o título este ano devido a uma lesão no joelho.
A primeira etapa, esta quinta-feira, será totalmente percorrida em território galego. O pelotão vai enfrentar 156,9 Km ligando Santiago de Compostela à vila de Padrón. Ao segundo dia de prova a caravana cumpre a etapa mais longa com 182 Km. Partindo de Pontevedra, os corredores vão atravessar a fronteira e entrar no norte de Portugal para chegar a Paredes, centro nevrálgico da Rota dos Móveis.
Após duas etapas de dificuldade média, a montanha irá surgir no caminho do pelotão no sábado, 17 Maio, quando se cumprir o percurso entre Vila Nova de Gaia e Lordelo. O relevo da terceira tirada irá exigir por parte dos corredores mais algum esforço devido às três contagens para o prémio de montanha. A etapa terminará no Alto do Cruzeiro, em Lordelo, após dois mil metros bastante acentuados que, junto à linha de meta, são considerados prémio de montanha de 2ª categoria.


Final dificílimo a fechar o Grande Prémio na Rebordosa



Para o quarto e último dia de prova, domingo 18 de Maio, está reservada a etapa mais pequena com quase 137 Km, mas também a mais exigente. A começar na Gandra, freguesia de Paredes, o traçado prevê muitas dificuldades percorrendo seis vezes um circuito de cerca de 20 Km que terá como epicentro a passagem por Vandoma, uma montanha de 2ª categoria. No fim, o pelotão, provavelmente fraccionado pela dificuldade do terreno, fará a subida para o Campo de Futebol da Rebordosa onde estará a meta final e o cenário que vai coroar o vencedor da prova.


Equipas Participantes: Credit Agricole, Creamica Flaminia, Barbot Siper, Palmeiras Resort Tavira, Bouygues, Extremadura, LA MSS, Fercase Rota Móveis, Acqua e Sapone, Contentpolis Murcia, Madeinox/Boavista, Liberty Seguros, Karpin-Galicia, Benfica e C.C. Loulé.


O 3º Prémio Internacional Paredes Rota dos Móveis é patrocinado pelo Município de Paredes e tem apoio da EDP, JOGOS SANTA CASA, SUPER BOCK MINI, VITALIS, PEDRAS SALGADA, BOGANI, LIBERTY SEGUROS, ALTOVISO, RÁDIO RENASCENÇA, RTP, JORNAL DE NOTÍCIAS, O JOGO e JC DECAUX.

11/05/2008

ADEUS CAMPEÃO











Há notícias que não queremos dar e esta é sem dúvida uma delas. Bruno Neves, jovem de apenas 26 anos, um campeão das estradas de sorriso fácil, faleceu hoje, durante a Clássica de Amarante, que foi suspensa. Vítima de uma queda colectiva, faleceu a caminho do hospital. Gestos como os das fotos não se voltarão a repetir.
Com apenas 26 anos de idade, já era um dos melhores sprinters portugueses da actualidade, contanto no seu palmarés com uma vitória na Volta a Portugal de 2005, alcançada na etapa que terminou em São João da Madeira, próximo da terra que o viu nascer, Oliveira de Azeméis.
A sua última vitória foi em Fevereiro, no Algarve, no Troféu RDP-Algarve, mas certamente ainda tinha muitas pela frente. Hoje corria a Clássica de Amarante, onde envergava a camisola de líder da Taça de Portugal de elites, mas uma queda colectiva quando estavam percorridos cerca de 40 quilómetros tirou-lhe a vida. Faleceu na ambulância que o transportava para o hospital e quando a notícia chegou ao pelotão a corrida foi suspensa.
Fosse qual fosse a situação, era quase impossível encontrar o Bruno sem estar a sorrir.
Em meu nome , apresento sentidas condolências à família, amigos e colegas da LA-MSS-Póvoa, equipa que representava este ano.

09/05/2008

Varzim chegou a acordo para o Processo de Conciliação

Ao que a Rádio Onda Viva conseguiu apurar, já há acordo entre o Varzim e o Fisco para a assinatura do PEC – Processo Especial de Conciliação. Desta forma, a dívida do Varzim ao Fisco, no valor de pouco mais de um milhão e 100 mil euros, vai ser pago em 60 prestações, ficando o clube com as dívidas fiscais regularizadas. E pode no futuro receber verbas ao abrigo da concessão da zona de jogo e da Câmara Municipal de apoio ao sector da formação.
Esta noticia retirada do site da Voz da Póvoa não está devidamente actualizada...é que o Varzim, para poder aceder ao PEC, terá de pagar cerca de meio milhão de euros, segundo me informaram , pelo facto de não terem pago as contribuições desde que deram entrada com o processo.

08/05/2008

CICLISMO - Rota dos Móveis abraça Portugal e Espanha







Rota dos Móveis abraça Portugal e Espanha


3º Grande Prémio Paredes Rota dos Móveis 15 a 18 Maio 2008



A cidade de Paredes assistiu esta segunda feira à apresentação do 3º Grande Prémio Internacional de Ciclismo Paredes Rota dos Móveis que se realiza de 15 a 18 de Maio. A prova inscrita no calendário da União Ciclista Internacional com estatuto 2.1. será a próxima competição por etapas a disputar-se em Portugal e Espanha.
Alinharão na etapa inaugural, que parte da Plaza Obradoiro no coração de Santiago de Compostela, 15 equipas, num total de 120 corredores que terão pela frente 614 KM divididos por quatro dias de competição. Ao segundo dia de prova os corredores deixam a província espanhola da Corunha e pedalam na direcção do norte de Portugal, mais concretamente até à capital da Rota dos Móveis, a cidade de Paredes.
Já em território português o pelotão internacional enfrenta as dificuldades geográficas da montanha. O final da terceira etapa no Alto do Cruzeiro, em Lordelo e o circuito da Rebordosa no derradeiro dia de prova vão determinar o vencedor daquela que é apontada pelo director técnico da prova Joaquim Gomes como “a mais difícil das três edições do Grande Prémio Paredes Rota dos Móveis. Acredito que estejam criadas todas as condições para que o percurso traçado proporcione aos milhares de pessoas que irão para a estrada um espectáculo impressionante. O difícil circuito da Rebordosa vai fechar com chave de ouro o 3º GP Paredes Rota dos Móveis.”
O entusiasmo das gentes da região pelo ciclismo e o fervor da competição que deverá estar ao rubro antevêem um grandioso final para este 3º Grande Prémio Internacional. A 4ª etapa passará nas freguesias mais emblemáticas do concelho de Paredes percorrendo seis vezes um circuito de cerca de 20 KM que terá como epicentro a passagem por Vandoma, uma montanha de 2ª categoria. No fim, o pelotão muito fraccionado pela dificuldade do terreno, fará a subida para o Campo de Futebol da Rebordosa onde estará a meta final e milhares de aficionados.
“O Grande Prémio Paredes Rota dos Móveis tem um forte impacto na nossa sociedade e na economia do Vale do Sousa." Afirma o presidente da Câmara Municipal de Paredes, Celso Ferreira, para quem “um grande evento desportivo como este aliado à 16ª Mostra de Mobiliário Paredes Rota dos Móveis no início de Junho constitui uma das mais importantes alavancas para a nossa principal actividade económica. Graças ao ciclismo o número de espanhóis que no ano passado visitaram a nossa feira foi muito grande. Para sermos bem sucedidos nos negócios temos de investir, e Paredes decidiu investir no ciclismo pela grande proximidade que alcança junto da sociedade.”
Na edição de 2007 a vitória foi de David Blanco ao serviço da equipa Duja/Tavira. O espanhol não poderá repetir o triunfo este ano devido a uma lesão no joelho. Entre as equipas inscritas, para além das mais sonantes, destaca-se a Contentpolis Murcia, o conjunto espanhol que triunfou recentemente na Volta à Rioja.
Equipas Participantes: Credit Agricole, Creamica Flaminia, Barbot Siper, Palmeiras Resort Tavira, Bouygues, Extremadura, LA MSS, Fercase Rota Móveis, Acqua e Sapone, Contentpolis Murcia, Madeinox/Boavista, Liberty Seguros, Karpin-Galicia,Benfica e C.C. Loulé.

Pinto da Costa suspenso por dois anos e Boavista despromovido



Segundo O Correio da Manhã, a Comissão Disciplinar da Liga de Clubes vai castigar Pinto da Costa com dois anos de suspensão enquanto que o FC Porto vai perder seis pontos, a aplicar já nesta época, além de uma multa que deverá ir de 25 aos 100 mil euros. O FC Porto é acusado de tentativa de corrupção em dois jogos da época 2003/04: no jogo com o Estrela da Amadora, apitado por Jacinto Paixão, e no jogo com o Beira-Mar, dirigido por Augusto Duarte. Quanto ao Boavista e ao seu ex-presidente Valentim Loureiro, o jornal avança que o clube será penalizado com a descida de divisão por coacção a árbitros em três jogos dos axadrezados. De acordo com o jornal diário, esta será a decisão que constará no acórdão da Comissão Disciplinar da Liga relativo ao «Apito Final», o qual deverá ser divulgado na sexta-feira, embora na quarta-feira à noite a Liga tenha comunicado que aquele seu órgão tem uma reunião marcada para terça-feira, na qual serão discutidas questões relacionadas com o processo. Entretanto, Pinto da Costa e o Boavista deverão recorrer desta decisão para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol.

FC Porto e Benfica são únicos com salários em dia na Liga


Apenas mais 6 clubes da Liga de honra são cumpridores
O FC Porto e o Benfica são os únicos clubes da Liga Portuguesa de Futebol com os salários em dia, de acordo com os critérios em vigor, que definem que cada mês deve ser liquidado até dia cinco do mês seguinte.
O presidente do Sindicato dos Jogadores de Futebol Profissional (SJFP), Joaquim Evangelista, divulgou hoje a lista dos 32 clubes da Liga e Liga de Honra, onde apenas oito clubes têm as contas em dia com os futebolistas. Num cenário que considerou grave, Evangelista explicou que muitos dos clubes que ainda não liquidaram o mês de Abril, entre os quais o Sporting, não estão em incumprimento, por acordarem datas diferentes para pagamento. "Temos que distinguir os que têm acordos com os jogadores para pagar ao dia 8, 15 ou 20. Em bom rigor esses não estão em incumprimento para com os jogadores em relação ao acordado, mas face ao critério legal mantém o incumprimento", disse. Quase todos os clubes têm o mês de Abril em atraso (10 na Liga e seis na Honra), mas os casos graves envolvem o Nacional (dois meses de salários em atraso), Boavista (dois meses mais 60 por cento de um outro mês), Estrela da Amadora (três), Estoril (dois), Beira-mar (três), Rio Ave (três e meio) e Varzim (quatro). Para o presidente do SJFP o mais grave são casos em que os clubes são reincidentes no incumprimento e que isso se verifica a cada nova época.
No balanço efectuado, o dirigente sindical voltou também a ser muito crítico em relação à Liga e ao seu presidente, dizendo que os balanços se fazem no final da época e que o novo ciclo anunciado por Hermínio Loureiro parece não ter efeitos. O presidente do SJFP pediu ainda que a Liga esclareça quais as medidas para a próxima época, isto depois de Hermínio Loureiro ter primeiro falado em não participação dos incumpridores e depois na perda de pontos para quem tivesse salários em atraso. O dirigente revelou também que esta época o SJFP movimentou do Fundo de Solidariedade Social uma verba pouco superior a 100.000 euros no auxílio a futebolistas em dificuldades, mas que esse valor é reembolsável.

Cordão Cultural pela preservação do Bolhão

Dia 10 de Maio,
Sábado ----» 10,30H às 18:00H No Sábado todo o Mercado do Bolhão vai estar repleto de Música, Dança, Teatro, Artes Plásticas, Arquitectura...Irá ser feito o Corte de Trânsito para montagem de PALCO - TRABALHADORES DO COMÉRCIO e REPORTER ESTRÁBICO JÁ CONFIRMADOS
Estão confirmados: -Tunas Académicas ( Tuna de Dentária e Tuna da E.S.A.P)
-Bandas Portuenses
-Fados de rua
-Intervenções de Teatro
-Ranchos Populares
-Exposições, Exibição de Documentário sobre Arquitectura e Património
-Atelier de Pintura ao ar-livre, com mestres das Artes Plásticas
-Visitas Guiadas ao Mercado
-Entre vários Músicos e Bandas: Ana DeusConvinha Paulo Praça Reporter Estrábico Trabalhadores do Comércio
Um abraço a todos e apareçam!
Movimento Cívico e Estudantil do Porto
http://manifestobolhao.blogspot.com

07/05/2008

HÁ AQUI ALGO QUE NÃO ME... CHEIRA! OU MELHOR JÁ CHEIRA MAL



Com o devido respeito transcrevo na integra a opinião do meu grande amigo Manuel José Madeira, jornalista e que subscrevo totalmente




" Está a acontecer algo no Ciclismo português que eu, talvez por agora estar meio por fora, não consigo entender completamente. Mas não perdi nenhuma das minhas capacidades de análise e/ou raciocínio. Percebo perfeitamente que, nos bastidores, se puxam cordelinhos que fazem mover os fantoches de sempre. É puro espectáculo para a populaça que está por fora. Mas que bem "embrulhado" até passa como coisa séria. Aconteceu uma sucessão de notícias - inocentemente, ou... talvez não - veiculadas por meios merecedores de todo o respeito. Acima de quaisquer suspeitas. Como a Agência Lusa, por exemplo. Despacho da Lusa para um não iniciado é quase termo de lei.
Permitam-me...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - O presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), Artur Lopes, acusou hoje a Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais (APCP) de não estar totalmente aberta na luta contra a dopagem.


Quem é que se questionou, por exemplo, neste aspecto: o que será... totalmente?Podiam ter perguntado à APCP... digo eu...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - O dirigente manifestou-se na sequência da decisão do Instituto do Desporto de Portugal (IDP) de cessar o apoio financeiro à realização de colheitas de sangue aos corredores em três períodos da época, no âmbito de um acordo que visava a avaliar e proteger a saúde dos ciclistas, alegando falta de cooperação da APCP.


Porque é que ninguém questionou a diferença entre, cito: ... avaliar e proteger a saúde dos ciclistas, e a intenção reinante que era (e é, e será) a de apanhar e castigar eventuais previricadores? Aqui, acrescento eu, que não deixei de estar a par do legislado, os resultados eventualmente fora do normal não mereceriam, legalmente, sanção desportiva; apenas a preservação de um período fora de competição até NOVAS ANÁLISES comprovarem, ou não, os indicadores eventualmente fora dos parâmetros definidos;


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "Tiveram uma posição que, quanto a nós, dá indício de que querem servir-se de tudo o possível e imaginário para, pura e simplesmente, não estarem totalmente abertos na luta contra a dopagem", disse à Agência Lusa Artur Lopes...


O TUDO, possível e imaginário é, apertados de forma perfeitamente ilegal, os Corredores terem, através da sua associação, pedido um parecer à Comissão Nacional de Protecção de Dados e esta ter multado a FPC em alguns milhares de euros por não ter solicitado autorização para a recolha e armazenamento desses dados. Caramba!, estas coisas, quando não se sabe... pergunta-se.


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "Enviámos uma carta com a situação clarificada a todos os elementos presente e à APCP. Todos responderam a dizer que estavam de acordo e a APCP enviou-nos uma carta, nitidamente redigida por uma pessoa de direito, a manifestar o seu desacordo", explicou Artur Lopes.


Confrontados com um vil ataque às suas liberdades, enquanto cidadãos, deveriam os Corredores, representados pela APCP, ter respondido com uma carta [esta parte é minha]... claramente redigida pelo merceiro da esquina? (Atenção Lusa!... Três falhas, pelo menos no que respeita ao direito ao contraditório... pior, três "encaixes" comprometedores em relação à versáo de uma das partes!)


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "A APCP veio ameaçar a federação e até desconsiderar o CNAD sob ponto de vista jurídico, dizendo que não sabe o que anda a fazer, e que avançariam de novo com uma acção na Comissão Nacional de Protecção de Dados", disse Artur Lopes.


Pois é... "de novo com uma acção na Comissão Nacional de Protecção de Dados". Faltou à Lusa indagar sobre (pelo menos) uma anterior acção e, nomeadamente, saber junto da CNPD, quem é que tinha razão... Repito, da primeira vez a FPC foi multada...Não se pode, não se deve, dar "notícias" deste género sustentadas apenas na versão de uma das partes... (mas assim vai o Jornalismo em Portugal...)


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - A APCP tem também uma leitura diferente sobre as informações que, com base no acordo estabelecido, os corredores devem prestar ao CNAD sobre o seu paradeiro, o que Artur Lopes entende como uma forma de "manobrar" a situação.


Qual será a leitura da APCP? A Lusa ignora-o.Eu sei qual é... Segundo o legislado, um corredor, falhado um controlo inopinado (fora de competição) tem 24 horas para a ele se submeter voluntariamente. A FPC, o CNAD... toda a família, quer fazer impôr uma sansão imediata de três meses de castigo por falta a controlo inopinado. A Lei é clara e só veícula baboseiras quem, ou está inquinado de pura má fé ou, pior ainda, é mesmo ignorante. Logo, não devia ter uma Carteira Profissional de Jornalista!


Mas há mais...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) – O Benfica anunciou hoje em comunicado a "saída imediata" da Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais (APCP), alegando que a instituição "está a ir contra os princípios" que a equipa defende na luta contra o doping. Outra vez a Lusa! Outra vez esquecendo que, na esmagadora maioria dos casos, do outro lado da linha a informação vai cair nas mãos de não iniciados. Ignorantes, e não há mal nenhum em o dizer porque a culpa não é deles... Não sabem. Quem os condenará?Foi a Lusa que deu...Usando uma comparação que, não sendo exactamente a mesma coisa, é o que de mais próximo posso usar como exemplo, quem é que levaria a sério uma notícia que dissesse que o meu patrão anunciava a MINHA SAÍDA do Sindicato dos Jornalistas?Isso é uma decisão que só me cabe a mim, individualmente. Nada, nem ninguém me pode impedir de ser sindicalizado. A APCP NÃO é um sindicato, mas é uma associação de classe. Até acredito que um patrão IMPONHA que os seus empregados não possam fazer parte da sua associação de classe, mas não o aceito. Não percebi, nem a razão, nem o timming da equipa Benfica, para fazer sair um comunicado destes. Quero dizer... perceber, eu percebi... Mas é melhor fazer de conta que não percebi mesmo. Aliás, o Benfica deveria ser a última equipa a imiscuir-se neste assunto. Porquê?Porque, enquanto Equipa Continental Profissional não está metida naquela outra "guerra" que ficou exposta atrás. Depois, porque o vice-presidente da APCP é exactamente um Corredor do Benfica; depois, porque o delegado da CPA para as equipas europeias contimentais profissionais... é outro Corredor do Benfica. Quer o Benfica fazer passar a imagem de intolerância em relação ao direito de associação dos Corredores? É isso? Ou precipitou-se - induzido por terceiros - a dar o primeiro passo correndo o sério risco de ser o único a ficar mal na fotografia? Não ponho esta hipótese de parte...Mas assim que pôs o pé na bosta... é impossível esconder o cheiro.
AGORA... MUITA ATENÇÃO...Vou escrever em português, embora não tenha a certeza absoluta de que venha a ser entendido...Há um ditado que diz... À Mulher de César Não basta Ser Séria, Também Precisa Parecê-lo. Certo? Conhecem, não conhecem? Mas atentem a este outro...Quando é Que a Absoluta Necessidade de Evidenciar Publicas Virtudes Não Serve Apenas Para Esconder Inconfessáveis Vícios Privados?




Depois desta opinião mais que avalizada, eu adianto ainda mais uma..Artur Moreira Lopes, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo há muito que ultrapassou os limites da razoabilidade...basta ver a forma como "deu" de mão beijada a volta a Portugal à PAD retirando-a ao Jornal de Noticias; há já me esquecia de dizer que as pessoas de que falo são por exemplo, dirigentes do Benfica...
E por acaso lembram-se de quem foi o " COVEIRO " do grande Prémio do Minho ? Eu digo ARTUR MOREIRA LOPES...

Comunicado da Associação Portuguesa dos Ciclistas Profissionais



A Associação Portuguesa dos Ciclistas Profissionais, face às notícias veiculadas nos órgãos de comunicação social, diz o seguinte:



1- A APCP contribuiu activamente para a elaboração do Acordo Comum na Luta Contra o Doping assinado em Janeiro do presente ano.



2- Esta Associação não renunciou ao Acordo firmado em Janeiro entre a UVP/FPC e demais elementos integradores do Conselho de Estrada e é com surpresa que recebe a tomada de posição do CNAD, que por um lado acusa esta Associação de falta de colaboração e por outro determinou a suspensão do protocolo dos exames de saúde aos atletas.



3- Esta Associação comunicou com correcção as suas posições tendo sempre em conta, quer a legislação nacional quer os regulamentos que regem os controlos anti-dopagem.



4- Vir invocar que esta Associação está a colocar obstáculos ao controlo dos atletas é um argumento que as entidades acima indicadas alegam, para escamotearem responsabilidades inerentes às suas funções e que têm que ser exercidas no respeito pela lei.



5- A razão fundamental para não aceitar as alterações propostas ao Acordo firmado em Janeiro, prendem-se sobretudo com questões legais e jurídicas, nomeadamente diminuir a duração de prazos estipulados na lei para o atleta se submeter a controlo antidoping e aceitar à criação de uma base de dados que implicavam o consentimento individual de cada atleta, para o qual esta Associação não está devidamente mandatada, por influir na esfera dos direitos pessoais e intransmissíveis de cada um.



6- Lamenta, a APCP, que tais entidades, que advogam que as questões devem ser resolvidas entre as partes, tenham tido a preocupação de na praça pública terem exposto as suas opiniões, deturpando a posição assumida pela APCP.



7-Esta Associação está tranquila, quanto às notícias divulgadas, que sabemos irão aguçar a curiosidade dos leitores, deturpar mais uma vez uma modalidade das mais populares no país, para escamotear um problema que é mais profundo e que é a constatação que a luta anti-dopagem terá que ser abrangente a todas as modalidades, com critérios e métodos de aplicação uniformes, tendo em linha de conta a especificidade das mesmas e sobretudo realizada com meios técnicos e humanos devidamente preparados para actuar em conformidade com a lei.



8- A posição da APCP, no respeito pela lei e correcção devidas às entidades acima indicadas, não foi mais do que o bode expiatório para cancelar a realização de análises que saíam caras ao erário público e que a conjuntura económica e de contenção de despesa não comportavam.



9- A APCP está aberta ao diálogo, não está todavia disponível para participar em cortejos onde “ O Rei vai nu ”, nem servirá interesses violadores da lei e sobretudo com desrespeito pela privacidade dos dados pessoais dos atletas, desde que não sejam devidamente autorizados pelas entidades competentes.



10- Por parte desta Associação só lhe resta cumprir os seus deveres estatutários devidamente registados e promover e assegurar os interesses dos seus Associados, que são os intervenientes de uma modalidade que continuará a ser das preferidas do povo português.



Paulo Couto


(Presidente da APCP)

AFINAL EM QUE FICAMOS ?


Paulo Pedroso apresentou queixa, por difamação, contra seis ex-alunos da Casa Pia e ainda Carlos Silvino (Bibi), por durante «a fase de inquérito» do mega-processo «não terem deposto com verdade». Esta segunda-feira, o tribunal decidiu não dar razão ao ex-deputado socialista e nenhum vai a julgamento.
Após ter sido deduzida acusação, a defesa dos jovens pediu abertura de instrução e, agora, o 4º Juízo do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu-se pela «não pronuncia dos arguidos».
Fonte ligada ao processo explicou ao PortugalDiário que a magistrada responsável pela instrução do processo entendeu que «não estavam preenchidos os requisitos para os arguidos serem pronunciados pelos crimes de difamação e injúria, nem tão pouco pelo crime de falsidade de testemunho e denuncia caluniosa».
Paulo Pedroso alegava que os arguidos «não depuseram com verdade, durante a fase de inquérito» do mega-processo da Casa Pia, mas a juíza considerou que «existia convicção dos arguidos que estavam a depor com verdade».
«Perante as autoridades policiais testemunharam com convicção, quer estivessem ou não» a dizer verdade, lê-se no acórdão de «não pronuncia». Para a magistrada não eram «os alegados actos descritos pelos arguidos que estavam em causa nos presentes autos».

01/05/2008

AMARANTE SEM BARRAGENS - ASSINE A PETIÇÃO


É tempo de protesto para acautelar o futuro
O Ministério do Ambiente abriu quarta-feira, 30 de Abril, como previsto e o Marão Online noticiou ontem à tarde, o último concurso para a concessão de três barragens, as últimas do plano nacional de dez aproveitamentos considerados de elevado potencial hidroeléctrico, em que se inclui Fridão, no rio Tâmega. O concurso público das barragens de Fridão, Alvito e Almourol decorreu ao fim da tarde no Instituto da Água. A recepção das propostas terminará a 16 de Julho. Este terceiro concurso público internacional irá atribuir a concessão para captação de água para a produção de energia hidroeléctrica e concepção, construção, exploração e conservação de obras públicas das respectivas infra-estruturas hidráulicas dos aproveitamentos hidroeléctricos de Almourol, Alvito e Fridão. O concurso público foi publicado no Diário da República, sendo ainda aguardada a publicação nos próximos dias no jornal oficial da União Europeia. Com o lançamento deste terceiro concurso ficam concluídos os procedimentos que dão início a todo o processo que culminará na concretização das dez barragens identificadas no Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico, segundo revelou o Ministério do Ambiente. O texto integral do concurso pode ser lido aqui: http://www.vector21.com/cp/?id_categoria=19&id_item=28741

Amarante luta contra a barragem


A barragem de Fridão é a segunda barragem em potencial hidroeléctrico, logo a seguir a Foz Tua, já adjudicada à EDP, o que tornará a sua concessão bastante mais apetecível para os investidores, quer nacionais quer internacionais. E quanto maior for a apetência pela exploração da barragem mais difícil será inverter o processo, que poderá trazer à cidade banhada pelo Tâmega prejuízos ambientais e patrimoniais de montante incalculável. O apelo da semana passada do Bloco de Esquerda para que o Governo suspendesse o concurso deste empreendimento foi ignorado pelas instâncias governativas e o tempo de protestar contra o que muitos consideram o "maior atentado a Amarante" começa a ser cada vez mais diminuto. É certo que após a concessão cada investidor terá de realizar um estudo de impacte ambiental específico para cada barragem, mas com a pressa que o Governo – e em particular o Ministério do Ambiente – demonstra em avançar com as obras destas barragens, é mais do que certo que a análise dos problemas ambientais será reduzida a um ou dois meses de inquérito público. Ainda mais grave que a construção da barragem em Fridão é a pretensão de construir dois açudes – sobre os quais existe muito pouca informação – um a dois/três quilómetros a juzante da barragem, uma espécie de contra-embalse, para a tornar reversível, e outro a juzante da cidade de Amarante, que poderia viabilizar a subida da cota da albufeira do Torrão, elevando a sua exploração da actual cota 62 para o máximo previsto de 65. A subida de três metros de água na albufeira destruirá todo o património paisagístico de Amarante e inutilizará também o projectado parque fluvial em Marco de Canaveses, que a autarquia tem em execução na zona de Canaveses. Apenas Bloco de Esquerda e Verdes se têm manifestado contra a barragem


Os principais partidos têm mantido um silêncio comprometedor sobre a barragem, deixando aos movimentos ecologistas e ao Bloco de Esquerda a contestação ao aproveitamento hidroeléctrico. Na Assembleia da República não se ouviu ainda uma palavra aos deputados do Partido Socialista ou aos do PSD, silêncio que muitos amarantinos consideram "verdadeiramente ensurdecedor". Activistas do BE em Amarante e outros ecologistas, casos de Os Verdes, têm mantido acesa a contestação, quer através de cartazes de rua quer através de blogues na internet [http://poramarantesembarragens.blogspot.com/ ], incluindo a criação de uma petição on-line que, contudo, ainda não chegou aos 300 subscritores.


Autarca de Amarante é voz isolada no interior do PS


Relativamente a posições institucionais com algum peso político só é conhecida a do presidente da câmara de Amarante, Armindo Abreu, eleito pelo PS e reeleito presidente da Concelhia local. O autarca tem-se manifestado frontalmente contra a barragem e sobretudo contra a construção de açudes no rio Tâmega. Armindo Abreu vem referindo há alguns meses ao Marão Online que rejeita "liminarmente" a construção de qualquer açude a jusante da cidade, porque implicaria "uma subida do leito do rio Tâmega e a destruição das margens"."Concordar com a construção do açude no rio Tâmega seria admitir um aumento da cota de exploração da barragem do Torrão e isso nós rejeitamos em absoluto", acrescenta o autarca socialista.


Açude a juzante da cidade é ainda pior que a barragem


A construção de um açude no rio Tâmega "imediatamente a jusante da cidade de Amarante" é proposto no estudo preliminar relativo à barragem de Fridão, executado pelos gabinetes "Coba" e "Procesl", que elaboraram todos os estudos relativos às dez barragens com elevado potencial hidroeléctrico. Segundo o estudo, o açude "evitará os inconvenientes associados à variação de níveis de água ocasionada pela exploração do aproveitamento do Torrão". Armindo Abreu contra-ataca: "Amarante pretende um rio natural como está hoje, sem qualquer alteração de cota do leito do Tâmega"."Não queremos nenhum lençol de água", enfatizou. Para se ter ideia do que acontecerá a Amarante com a subida cota do Torrão, bastará recordar uma tarde de cheia em 2001, como pode ver-se na foto. Será este o novo visual da cidade, apesar de a água ser menos barrenta do que em situação de cheia. As margens, como hoje as conhecemos, desaparecerão – o mesmo acontecerá aos passeios à beira-rio – e o que surgirá será um lençol de água que pouco mais servirá do que ser palco de diversão para as poluidoras e ruidosas motos de água.


Posição do ministro do Ambiente suscita muitas dúvidas


O ministro do Ambiente, Nunes Correia, reconhece que Amarante tem um "enquadramento cénico notável" com o rio Tâmega e considerou que isso é só por si um "valor", mas, ao mesmo tempo que faz estas afirmações avança com o concurso da barragem. O ministro garantiu também que esse património natural "será ponderado na avaliação de impacto ambiental".Restará saber se o ambiente conseguirá travar o ímpeto de construção de obra pública evidenciado desde há alguns meses pelo actual Governo...


Autarquia ameaça recorreraos tribunais


O autarca de Amarante já ameaçou levar a questão ao Presidente da República e aos tribunais se o Governo insistir em construir a barragem de Fridão ou mexer na cota de exploração da barragem do Torrão, no troço final do Tâmega. Contudo, a prova de que o Governo está inflexível é a abertura do concurso público para a construção da barragem de Fridão. Há cerca de 20 anos, por decisão do Governo de então, que aquela barragem é explorada a uma cota inferior em três metros ao máximo previsto no projecto para não inundar as margens do rio que atravessa a cidade. Armindo Abreu salienta que se a barragem de Fridão for construída a cidade de Amarante "ficará no meio de dois lagos de água pestilenta, onde a qualidade da água se degradará rapidamente devido à eutrofização", um processo que gera excesso de vida vegetal (algas) devido à poluição e à falta de oxigenação.


"Desastre ambiental", alerta especialista


Entretanto, um especialista da área do ambiente, professor na UTAD, alertou há dias que a cidade de Amarante corre o risco de sofrer um desastre ambiental, devido à elevada poluição do rio Tâmega, se a barragem de Fridão for transformada em aproveitamento reversível e ficar emparedada entre dois açudes e duas barragens.Segundo Rui Cortes, que tem colaborado em estudos de impacte ambiental de diversas barragens, nomeadamente Alqueva, Sabor e Foz Tua, o Tâmega é porventura o curso de água, dos rios internacionais, que apresenta maior grau de poluição, devido à eutrofização (formação de algas tóxicas). Rui Cortes alegou ainda que se for construído um contra-embalse – açude a juzante da barragem para permitir a recolocação da água na albufeira principal durante a noite, aproveitando a energia das eólicas – a qualidade da água colocada no curso de água (caudal ecológico) será ainda de pior qualidade.