07/05/2008

HÁ AQUI ALGO QUE NÃO ME... CHEIRA! OU MELHOR JÁ CHEIRA MAL



Com o devido respeito transcrevo na integra a opinião do meu grande amigo Manuel José Madeira, jornalista e que subscrevo totalmente




" Está a acontecer algo no Ciclismo português que eu, talvez por agora estar meio por fora, não consigo entender completamente. Mas não perdi nenhuma das minhas capacidades de análise e/ou raciocínio. Percebo perfeitamente que, nos bastidores, se puxam cordelinhos que fazem mover os fantoches de sempre. É puro espectáculo para a populaça que está por fora. Mas que bem "embrulhado" até passa como coisa séria. Aconteceu uma sucessão de notícias - inocentemente, ou... talvez não - veiculadas por meios merecedores de todo o respeito. Acima de quaisquer suspeitas. Como a Agência Lusa, por exemplo. Despacho da Lusa para um não iniciado é quase termo de lei.
Permitam-me...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - O presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), Artur Lopes, acusou hoje a Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais (APCP) de não estar totalmente aberta na luta contra a dopagem.


Quem é que se questionou, por exemplo, neste aspecto: o que será... totalmente?Podiam ter perguntado à APCP... digo eu...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - O dirigente manifestou-se na sequência da decisão do Instituto do Desporto de Portugal (IDP) de cessar o apoio financeiro à realização de colheitas de sangue aos corredores em três períodos da época, no âmbito de um acordo que visava a avaliar e proteger a saúde dos ciclistas, alegando falta de cooperação da APCP.


Porque é que ninguém questionou a diferença entre, cito: ... avaliar e proteger a saúde dos ciclistas, e a intenção reinante que era (e é, e será) a de apanhar e castigar eventuais previricadores? Aqui, acrescento eu, que não deixei de estar a par do legislado, os resultados eventualmente fora do normal não mereceriam, legalmente, sanção desportiva; apenas a preservação de um período fora de competição até NOVAS ANÁLISES comprovarem, ou não, os indicadores eventualmente fora dos parâmetros definidos;


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "Tiveram uma posição que, quanto a nós, dá indício de que querem servir-se de tudo o possível e imaginário para, pura e simplesmente, não estarem totalmente abertos na luta contra a dopagem", disse à Agência Lusa Artur Lopes...


O TUDO, possível e imaginário é, apertados de forma perfeitamente ilegal, os Corredores terem, através da sua associação, pedido um parecer à Comissão Nacional de Protecção de Dados e esta ter multado a FPC em alguns milhares de euros por não ter solicitado autorização para a recolha e armazenamento desses dados. Caramba!, estas coisas, quando não se sabe... pergunta-se.


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "Enviámos uma carta com a situação clarificada a todos os elementos presente e à APCP. Todos responderam a dizer que estavam de acordo e a APCP enviou-nos uma carta, nitidamente redigida por uma pessoa de direito, a manifestar o seu desacordo", explicou Artur Lopes.


Confrontados com um vil ataque às suas liberdades, enquanto cidadãos, deveriam os Corredores, representados pela APCP, ter respondido com uma carta [esta parte é minha]... claramente redigida pelo merceiro da esquina? (Atenção Lusa!... Três falhas, pelo menos no que respeita ao direito ao contraditório... pior, três "encaixes" comprometedores em relação à versáo de uma das partes!)


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - "A APCP veio ameaçar a federação e até desconsiderar o CNAD sob ponto de vista jurídico, dizendo que não sabe o que anda a fazer, e que avançariam de novo com uma acção na Comissão Nacional de Protecção de Dados", disse Artur Lopes.


Pois é... "de novo com uma acção na Comissão Nacional de Protecção de Dados". Faltou à Lusa indagar sobre (pelo menos) uma anterior acção e, nomeadamente, saber junto da CNPD, quem é que tinha razão... Repito, da primeira vez a FPC foi multada...Não se pode, não se deve, dar "notícias" deste género sustentadas apenas na versão de uma das partes... (mas assim vai o Jornalismo em Portugal...)


Lisboa, 05 Mai (Lusa) - A APCP tem também uma leitura diferente sobre as informações que, com base no acordo estabelecido, os corredores devem prestar ao CNAD sobre o seu paradeiro, o que Artur Lopes entende como uma forma de "manobrar" a situação.


Qual será a leitura da APCP? A Lusa ignora-o.Eu sei qual é... Segundo o legislado, um corredor, falhado um controlo inopinado (fora de competição) tem 24 horas para a ele se submeter voluntariamente. A FPC, o CNAD... toda a família, quer fazer impôr uma sansão imediata de três meses de castigo por falta a controlo inopinado. A Lei é clara e só veícula baboseiras quem, ou está inquinado de pura má fé ou, pior ainda, é mesmo ignorante. Logo, não devia ter uma Carteira Profissional de Jornalista!


Mas há mais...


Lisboa, 05 Mai (Lusa) – O Benfica anunciou hoje em comunicado a "saída imediata" da Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais (APCP), alegando que a instituição "está a ir contra os princípios" que a equipa defende na luta contra o doping. Outra vez a Lusa! Outra vez esquecendo que, na esmagadora maioria dos casos, do outro lado da linha a informação vai cair nas mãos de não iniciados. Ignorantes, e não há mal nenhum em o dizer porque a culpa não é deles... Não sabem. Quem os condenará?Foi a Lusa que deu...Usando uma comparação que, não sendo exactamente a mesma coisa, é o que de mais próximo posso usar como exemplo, quem é que levaria a sério uma notícia que dissesse que o meu patrão anunciava a MINHA SAÍDA do Sindicato dos Jornalistas?Isso é uma decisão que só me cabe a mim, individualmente. Nada, nem ninguém me pode impedir de ser sindicalizado. A APCP NÃO é um sindicato, mas é uma associação de classe. Até acredito que um patrão IMPONHA que os seus empregados não possam fazer parte da sua associação de classe, mas não o aceito. Não percebi, nem a razão, nem o timming da equipa Benfica, para fazer sair um comunicado destes. Quero dizer... perceber, eu percebi... Mas é melhor fazer de conta que não percebi mesmo. Aliás, o Benfica deveria ser a última equipa a imiscuir-se neste assunto. Porquê?Porque, enquanto Equipa Continental Profissional não está metida naquela outra "guerra" que ficou exposta atrás. Depois, porque o vice-presidente da APCP é exactamente um Corredor do Benfica; depois, porque o delegado da CPA para as equipas europeias contimentais profissionais... é outro Corredor do Benfica. Quer o Benfica fazer passar a imagem de intolerância em relação ao direito de associação dos Corredores? É isso? Ou precipitou-se - induzido por terceiros - a dar o primeiro passo correndo o sério risco de ser o único a ficar mal na fotografia? Não ponho esta hipótese de parte...Mas assim que pôs o pé na bosta... é impossível esconder o cheiro.
AGORA... MUITA ATENÇÃO...Vou escrever em português, embora não tenha a certeza absoluta de que venha a ser entendido...Há um ditado que diz... À Mulher de César Não basta Ser Séria, Também Precisa Parecê-lo. Certo? Conhecem, não conhecem? Mas atentem a este outro...Quando é Que a Absoluta Necessidade de Evidenciar Publicas Virtudes Não Serve Apenas Para Esconder Inconfessáveis Vícios Privados?




Depois desta opinião mais que avalizada, eu adianto ainda mais uma..Artur Moreira Lopes, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo há muito que ultrapassou os limites da razoabilidade...basta ver a forma como "deu" de mão beijada a volta a Portugal à PAD retirando-a ao Jornal de Noticias; há já me esquecia de dizer que as pessoas de que falo são por exemplo, dirigentes do Benfica...
E por acaso lembram-se de quem foi o " COVEIRO " do grande Prémio do Minho ? Eu digo ARTUR MOREIRA LOPES...

Sem comentários: