29/05/2008

PINÓQUIO NO SEU MELHOR



AFINAL QUEM MENTE ?
CLARO QUE É O PINÓQUEO
VEJA A NOTICIA DO PUBLICO

No momento mais agressivo do debate quinzenal no parlamento, Sócrates acusou Louçã de "mentir" aos deputados. Mas a notícia do Público desmente o primeiro-ministro e confirma as palavras do bloquista: João Proença participou de facto em reuniões do PS destinadas a convencer os militantes socialistas das virtudes das alterações do Governo ao Código de Trabalho. Uma das reuniões, no Porto, teve até a presença do ministro Vieira da Silva, com quem Proença negoceia à mesa da concertação social.



Dizia o diário "Público" do passado dia 10 de Maio: "Com a reforma laboral na agenda, dirigentes nacionais do PS, incluindo o próprio secretário-geral [...] estão a percorrer o país para discutir com os militantes e simpatizantes do partido a proposta do Governo de altaração do Código do Trabalho. O primeiro round foi dado há quinze dias em Vila Franca de Xira. [...] Ontem foi a vez do Porto. Os militantes da maior distrital do PS tinham à noite à sua espera Vieira da Silva, o secretário de Estado do Trabalho, Fernando Medina, e o secretário-geral da UGT, João Proença."
Ao recordar esta viagem do líder sindical ao Porto para defender as propostas do governo, Louçã despertou a ira de José Sócrates, que o acusou de "mentiroso e cobarde", palavras que provocaram muitos aplausos por parte da maioria da bancada do PS. Os deputados socialistas tentaram depois abafar a resposta de Louçã, que comprometeu-se a disponibilizar a todas as bancadas as notícias publicadas sobre o assunto na imprensa.

O tom dos apartes subiria ainda mais quando o bloquista aconselhou Sócrates a "ouvir mais os conselhos dos fundadores do PS, que defendem uma política de esquerda com "sensatez e responsabilidade social". Nessa altura, o líder da bancada socialista, Alberto Martins, acusou Louçã de utilizar uma "linguagem animalesca ", provocando a réplica de Luís Fazenda. O líder parlamentar do Bloco alertou-o para o conteúdo impróprio dessas palavras numa sessão parlamentar e criticou o hábito do primeiro-ministro de distribuir "mimos" semelhantes aos partidos da oposição nestes debates.

Quando Luís Fazenda pediu a Jaime Gama para distribuir as notícias da polémica aos deputados, o ministro Augusto Santos Silva viria involuntariamente a confirmar a existência da reunião de João Proença, ao desmentir apenas que Sócrates e Proença tivessem estado ao mesmo tempo na mesma sala durante a reunião no Porto de propaganda às propostas de revisão Código do Trabalho.



1 comentário:

Anónimo disse...

Esta é a pior quadrilha que tivemos depois do 25A.
Mas a culpa é nossa.
Nós é que os pusemos no poleiro.
E, claro, foram para lá, e agora cagam-nos em cima.
Francisco Tavares