28/06/2008

PASSO (TÃO TRÔPEGO) À FRENTE!...

Ora, finalmente, e sem ter sentido a necessidade de se esconder atrás dessa estranha figura que é a Comissão de Estrada, quem tem, de facto, poderes para fazer sair comunicados – a Direcção da Federação Portuguesa de Ciclismo – fê-lo esta tarde.Mas todo este processo – e falo, é evidente, do “caso” LA-MSS – está ferido de, não, não era legalidade o que eu ia a escrever (embora já o demonstre que, de facto o está), mas de evidente falta de honestidade no seu procedimento.Sim!, falta de honestidade. Porque os fins não justificam, nunca os meios, ainda mais se estes forem cirurgicamente manipulados. E não me interpretem mal. O cirúrgico é uma figura de estilo, normal no exercício da escrita, e nada tem a ver com a figura do presidente da FPC.Eu sei que me movo no fio da navalha. Uma escorregadela e… é a morte do “artista”, mas não esperem que fique calado, a assistir do sofá a manigâncias que, de tão fáceis de desmontar, chegam a parecer brincadeiras de rapazes pequenos.Por exemplo, ao princípio eu desconfiava de uma ou duas pessoas que poderiam configurar a figura do delator.Tudo isto começou com uma denúncia, estão lembrados?Agora já não tenho dúvidas sobre quem accionou a intervenção da Polícia Judiciária. Tinha de ser – e vamos sabendo coisas pelo “caminho” – alguém com, de facto, uma influência tal que escapa aos tais… meus suspeitos de primeira hora.Enganei-me. Mas, pelo menos, o ter-me enganado deixa a descoberto que me interessei pela coisa. Limitado, como estou, em termos de fontes de informação, apostei errado.Mas como escrevi aqui há umas linhas atrás, já não tenho dúvidas.Não tenho dúvidas quanto a quem espoletou todo este processo mas, entretanto, outras dúvidas se me levantam.Por exemplo: no Capítulo XII do Regulamento Anti-dopagem, ponto 292, diz-se que, e passo a citar: «As pessoas que exercem funções no Controlo de Dopagem devem respeitar a confidencialidade das informações sobre casos individuais cuja divulgação NÂO É EXIGIDA nos termos do presente Regulamento Antidopagem.»Contudo, o comunicado da FPC, divulgado pelo seu presidente, aponta, nome a nome, nove nomes. De nove pessoas que, tanto quanto me é dado perceber, estão apenas a ser alvo de, volto a citar: “… um inquérito” por parte do Conselho Disciplinar da FPC".O que, liquidamente significa que, para já, não há nada de concreto contra esses nomes. Logo, a sua publicação não é mais do que um abuso de poderes por parte de quem, evidentemente, os não tem.Mas há mais. Tanto quanto julgo saber, os presumíveis implicados nesta trama, souberam-no através da Comunicação Social.Sei, inclusivé de um caso de um dos… “acusados”, casado, chefe de família, pai de filhos, com residência fixa há cerca de seis anos… recebeu esta tarde um telefonema de casa dos pais – onde não mora desde que se casou – a avisá-lo que… 2.ª feira vai ser avisado de que está suspenso ao abrigo de um processo disciplinar.E depois admiram-se de não encontrar os Corredores quando vão fazer controlos fora de competição.Eu sei, mas sei mesmo, que este corredor de que falo, há seis anos que comprou uma casa onde mora com a mulher e os filhos e que me garante – e eu não o duvido – que desde há seis anos, nos boletins que obrigatoriamente tem de enviar de três em três meses para o CNAD, há seis anos que indica a sua morada real.Pois bem, hoje, sexta-feira, 27 de Julho, ligaram-lhe os pais a dizer que tinham recebido um telefonema para que ele esteja disponível na próxima 2.ª feira.Guardem esta informação. Porque muitos dos controlos inopinados que não acontecem, não acontecem porque a FPC não mantém actualizada a morada dos corredores. Estes, como manda a Lei, comunicam onde moram, mas esses papéis juntam-se no mesmo monte que muitos outros. E a base de dados da FPC está desactualizada…Por favor, amigos, companheiros que escrevem sobre Ciclismo, investiguem isto. Porque, afinal de contas, disto depende a carreira de um atleta que não tem culpa que, nos registos da FPC ainda conste a morada da casa dos pais porque na altura em que introduziram os dados ele tinha… 16 ou 17 anos.E isto é uma coisa que jamais veremos escrito na Imprensa nacional.Não me vou alongar mais, embora haja matéria para que eu ficasse aqui a escrever durante mais cinco ou seis horas…Tenho lido os comentários de outros camaradas jornalistas sobre este assunto. Porque é que nenhum ainda não se questionou em relação ao facto de esta operação ter estado prevista para Julho, de forma a obstar que a equipa da Póvoa pudesse correr a Volta?Porque é que a FPC atropela os regulamentos, fazendo publicar os nomes de presumíveis implicados quando os regulamentos da UCI a defendem disso mesmo?Porque é que se está a esconder que um corredor, de uma outra equipa, deu positivo há alguns meses atrás e ninguém fala disso? E sabendo eu quem sabe disso, considero impossível que a Federação Portuguesa de Ciclismo o não saiba. Talvez o CNAD o não saiba, mas na Rua de Campolide sabem o nome do Corredor e da equipa. Porque é que estão a abafar o caso? E quem, de fora daquele círculo também o sabe, porque é que o esconde?A derradeira questão que aqui deixo é esta:Que ciclismo é que, de facto queremos?Totalmente limpo, ou… optando pela política de eliminar uns, deixemos o caminho aberto a terceiros?Mas quem é que ganharia com isso?São essas dúvidas que me perseguem, qual fantasmas…
Manuel Madeira
Veloluso
E pela importância do caso e do autor transcrevo na integra o comunicado que deveria ser da Federação mas para evidenciar a sua personalidade do quero posso e mando é do Presidente " fantoche " da Federação Portuguesa de Ciclismo Artur Moreira Lopes:

Comunicado do Presidente da UVP/FPC
UVP-FPC
Comunicado N/ Ref.ª : 92_08/HA
Data: 27.06.08
Vimos comunicar que o Conselho Disciplinar da UVP/FPC abriu um processo de inquérito contra os seguintes elementos da Equipa Continental LA-MSS:
- Manuel Ramos Zeferino (Director Desportivo - licença nº 81500)
- Tiago Manuel Pereira Silva (licença nº 20949)
- Rogério Fernando Silva Baptista (licença nº 17754)
- Afonso Duarte da Costa Azevedo (licença nº 21047)
- Cláudio Miguel Gonçalves Estêvão Faria (licença nº 6803)
- Pedro António Alves Cardoso (licença nº 6809)
- Paulo Jorge de Oliveira Silva (Massagista - licença nº 82164)
- Marcos Mariño Maynar (Médico – licença RFEC)
- Luis Fernando Alves d’ Almeida (Presidente do Póvoa Cycling Club – licença nº 82280)
Mais se informa que foi aplicada a suspensão preventiva dos inquiridos até à conclusão do inquérito.
O Presidente da UVP/FPC
Artur Lopes
O Comunicado assinado por Artur Moreira Lopes enferma logo de inicio de um erro que poderá ser propositado :
"Vimos" em lugar de " venho "
É o aligeirar de responsabilidades do único cóveiro do ciclismo Português!
Foi necessário mais de um mês para a instauração de procedimento disciplinar, não que sem antes e ao arrepio de qualquer regulamento Artur Moreira Lopes , tenha mandado as organizações não convidar a LA/MSS.
Não tenho dúvidas que é uma autentica cabala, aquilo que estão a fazer...já as não tinha, mas agora fiquei sem duvidas algumas...é tempo de quem anda no ciclismo arrumar a casa...Artur Moreira Lopes, deve ser banido de imediato da modalidade agora que deixou cair a mascara.

Sem comentários: